Cuida de Minas | Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais

Frente à pandemia provocada pelo novo Coronavírus, várias medidas de prevenção, enfrentamento e contingenciamento foram tomadas pelo estado de Minas Gerais. Desde março, procedimentos eletivos como cirurgias e consultas, por exemplo, foram suspensos como forma de prevenir uma possível sobrecarga na rede pública de saúde. Também tiveram seus atendimentos presenciais suspensos parcialmente ou totalmente, serviços ambulatoriais com a assistência voltada para pessoas que necessitam de reabilitação, hipertensos, diabéticos, odontológicos, entre outros.

Em sintonia com os sinais de estabilização da pandemia em Minas, a Secretaria Estadual de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) busca agora a retomada dos serviços ambulatoriais e hospitalares eletivos de forma responsável e organizada, mediante a ação estratégica Cuida de Minas.

O Cuida de Minas busca garantir a integralidade e continuidade do cuidado aos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS) com condições crônicas e com outras condições de saúde que precisamser assistidos mesmo em tempo de pandemia. Essa ação foi organizada em cinco eixos para discussão e elaboração de diretrizes que subsidiem o retorno gradual dos serviços de saúde.

“A ação estratégica Cuida de Minas foi pensado para planejar a retomada dos serviços de assistência à saúde de forma gradual e segura, respeitando as medidas sanitárias determinada no programa Minas Consciente. Estamos discutindo a nova organização dos serviços de saúde neste cenário de pandemia e de pós-pandemia”, explica Mônica Farina, Diretora de Ações Temáticas e Estratégicas da SES-MG e uma das coordenadoras da ação.

O Cuida de Minas analisa, discute e propõe as estratégias de retorno dos serviços de saúde nos seguintes eixos: gestão, estratificação de risco e atendimentos inadiáveis, biossegurança, transporte sanitário e telessaúde. Para isso, foram formados grupos técnicos intersetoriais da SES-MG, além disso, a ação envolve também colaboradores externos como conselhos de classes, sociedades médicas, universidades, associações e serviços especializados.

No eixo telessaúde, foram elaboradas diretrizes que qualifiquem a assistência remota no período da pandemia e pós-pandemia. Além disso, se discute diretrizes para a implantação de Programa de Telessaúde no SUS-MG. No eixo transporte sanitário, foram formuladas orientações para os gestores de saúde sobre as novas configurações do transporte sanitário eletivo diante da retomada gradual dos serviços e as recomendações de biossegurança. No eixo da gestão são discutidas questões como as necessidades de reorganização de fluxos assistenciais e investimentos para qualificação das Redes de Atenção à Saúde, entre outras demandas. No eixo Biossegurança foram elaboradas recomendações seguindo as normas de biossegurança considerando os diferentes espaços percorridos pelos usuários e profissionais de saúde. No eixo estratificação de risco/atendimentos inadiáveis foram definidos critérios de elegibilidade para definição da modalidade de atendimento (presencial ou remoto) considerando a condição de saúde do paciente, bem como seu contexto biopsicossocial.

Ao final da ação, serão elaborados Guias, Manuais Instrutivos e outros documentos para orientar a organização assistencial nos serviços de saúde e assegurar o cuidado. Nesses materiais irão conter informações que subsidiem gestores e profissionais de saúde no planejamento e na estruturação da retomada gradual dos atendimentos com recomendações de competências e fluxos entre os pontos de atenção da rede de saúde do SUS-MG, bem como outras informações.

“Os guias vão auxiliar as tomadas de decisões dos profissionais de saúde no que diz respeito a quais pacientes necessitam retomar ou manter seus atendimentos presenciais, considerando seu quadro de saúde e as recomendações de isolamento social no período de calamidade de saúde pública e auxiliar os profissionais de saúde nos atendimentos remotos nas questões dos aspectos éticos e legais, como também nas boas práticas”, explica Mônica Farina.

No eixo biossegurança, a estratégia Cuida de Minas lançou hoje, 23/10/2020, o Guia De Biossegurança para Retomada dos Serviços Ambulatoriais em Tempos da Pandemia por Covid-19. Conheça o Guia na íntegra clicando aqui.

O Guia Orientador segue as recomendações estabelecidas pelos órgãos oficiais de saúde, com o objetivo de trazer informações quanto às medidas de biossegurança voltadas para a proteção dos trabalhadores e dos pacientes. São abordadas as novas maneiras de realizar triagem de pacientes, marcação de consultas, organização da sala de espera e de atendimentos. Isto sempre com orientações sobre o uso de máscara, o afastamento social e a ventilação dos espaços.