Notícias https://www.saude.mg.gov.br Thu, 20 Jan 2022 23:42:13 +0000 Joomla! - Open Source Content Management pt-br SES-MG alerta para os cuidados no combate ao Aedes aegypti https://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/16247-ses-mg-alerta-para-os-cuidados-no-combate-ao-aedes-aegypti https://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/16247-ses-mg-alerta-para-os-cuidados-no-combate-ao-aedes-aegypti

Com o início do verão e da temporada de chuvas, a Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) alerta para a importância de se adotarem ações para prevenir e combater o mosquito Aedes aegypt. O inseto é o transmissor dos vírus da dengue, da zika e da chikungunya e é preciso eliminá-lo para o controle de casos dessas doenças. Nesse contexto, a participação de todos é fundamental para que se atinja esse objetivo.

Crédito: Banco de Imagens

A população ajuda no combate ao mosquito ao eliminar os pontos “clássicos” de retenção de água das chuvas nos domicílios, tais como ralos, calhas, vasos de plantas e pneus. Mas também é essencial que sejam verificados os demais recipientes, como os vasilhames que servem de bebedouro aos animais de estimação, os cães e os gatos, por exemplo.

A orientação é reforçada pela Coordenadora Estadual de Vigilância das Arboviroses da SES-MG, Danielle Capistrano. “As pessoas pensam que bastaria trocar a água desses recipientes, mas isso não é suficiente. É preciso lavar com água e sabão. A fêmea do mosquito deposita seus ovos na parede desses vasilhames, que aderem naquela superfície. Com a água colocada ali, esses ovos podem eclodir e termos o início do ciclo até a fase do mosquito adulto”, informa Danielle.

De acordo com a coordenadora, o ideal é que os recipientes sejam lavados com bucha e sabão, visando a remoção completa dos ovos do mosquito. “Considerando que o ciclo tem uma duração média de 7 (sete) dias, recomenda-se que seja feita a limpeza com frequência. Quando temos temperaturas mais altas, pode ocorrer a aceleração do ciclo, situação em que seria recomendável a higienização por, pelo menos, duas vezes na semana”, explica.

Monitoramento

Com o objetivo de divulgar os dados e as informações precisas para a população mineira, a SES-MG publica semanalmente o Boletim Epidemiológico – Arboviroses Urbanas: Dengue, Chikungunya e Zika no site www.saude.mg.gov.br

No cenário atual, Minas Gerais registrou 814 casos prováveis de dengue em 2022, sendo 178 confirmados até o dia 20 de janeiro. Em relação à febre chikungunya, foram registrados 27 casos prováveis da doença, sendo um deles confirmado. Já em relação à zika, há um caso provável e nenhum confirmado. Não foram confirmados óbitos por dengue, chikungunya ou zika, em Minas Gerais, este ano.

Ao analisar os dados, nota-se que as primeiras Semanas Epidemiológicas de 2022 não apresentam um número de casos muito elevado. Esse fator, contudo, não exclui o risco de ainda termos uma epidemia neste período sazonal que se iniciou em dezembro de 2021 e vai até junho de 2022. O volume de chuvas que Minas Gerais recebeu neste mês de janeiro podem provocar muitos focos de criadouros. “A legislação determina que os municípios possuem 7 dias para lançamento dos registros de casos. Sendo assim, durante as próximas semanas é que devemos ter um panorama de como a transmissão dessas doenças deve se manifestar nesse momento do ano”, explica a coordenadora.

Danielle Capistrano alerta que Minas Gerais vivenciou ciclos epidêmicos de dengue em 2010, 2013, 2016 e 2019 e, considerando a série histórica, um novo período de alta de casos pode ser desencadeado em 2022. “Nós monitoramos a circulação laboratorial e o índice de infestação de mosquitos de forma regionalizada, entre outras medidas, visando mensurar os riscos e o comportamento dessas doenças nesta estação do ano. O clima quente e úmido é muito favorável para que o Aedes se prolifere e devemos evitar isso ao máximo”, diz a coordenadora.

Um ponto de alerta é o aumento de casos de chikungunya entre 2020 e 2021. “É importante lembrar que houve um surto dessa doença em 2017 e posteriormente uma queda no número de casos. Esse é um fator que chama atenção. Essa é mais uma razão para que possamos eliminar os possíveis criadouros, ficarmos atentos ao descarte de inservíveis, atenção aos ferros-velhos”, ressalta a coordenadora. Em 2021, houve registro de 5.565 casos prováveis de chikungunya em Minas, dos quais 4.293 foram confirmados.

Ações estratégicas e repasses

Desde o final de 2021, a SES-MG vem se preparando para enfrentar o período sazonal de transmissão das arboviroses. Uma das ações foi a publicação da Resolução SES-MG nº 7.733, de 22 de setembro de 2021, que institui as ações estratégicas e o repasse de incentivo financeiro aos municípios para auxiliar no enfrentamento da dengue, zika, chikungunya e febre amarela. Está previsto o repasse de R$ 40 milhões para os municípios.

As ações estratégicas têm como objetivo intensificar as medidas de prevenção, de monitoramento, de controle e de resposta no enfrentamento das arboviroses antes e durante seu período sazonal. Assim, são realizadas ações integradas de saúde considerando os seguintes eixos: vigilância (epidemiológica, entomológica, controle vetorial e laboratorial); comunicação em saúde e mobilização social; assistência (atenção primária à saúde, atenção secundária e terciária e assistência farmacêutica); e gestão (articulação intersetorial, logística de insumos e pactuação entre os governos municipais e o estado).

]]>
Banco de notícias Thu, 20 Jan 2022 17:26:19 +0000
Minas reduz mortes por covid com o avanço da vacinação https://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/16228-minas-reduz-mortes-por-covid-com-o-avanco-da-vacinacao https://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/16228-minas-reduz-mortes-por-covid-com-o-avanco-da-vacinacao

Em 18 de janeiro de 2021 chegava a Minas Gerais o primeiro lote de vacinas contra covid. Na ocasião, 577.480 mil doses foram enviadas ao estado. No mesmo dia, a técnica de enfermagem do Centro de Tratamento Intensivo (CTI) do Hospital Eduardo de Menezes, Maria Bom Sucesso Pereira, foi a primeira mineira a ser imunizada contra a covid-19 em Minas.

Crédito: Fábio Marchetto

Para agilizar a entrega dos imunizantes e garantir que os mesmos chegassem a todos os municípios mineiros de forma ágil e em segurança, a logística de distribuição em Minas Gerais contou com as Forças de Segurança do Estado, principalmente a Polícia Militar, Polícia Civil e Corpo de Bombeiros. “O Governo de Minas, inclusive, publicou um decreto, em 16/01/2021, estabelecendo que os aviões do Estado seriam utilizados prioritariamente para a logística de vacinação e insumos”, destaca o secretário de Estado de Saúde, Fábio Baccheretti.

Já no dia 30 de janeiro, cerca de uma semana após os primeiros registros de aplicação da vacina no painel da Sala de Situação, a média de doses aplicadas estava em aproximadamente 30 mil por dia. 

Fábio Baccheretti explica que toda a força-tarefa estruturada, somada à agilidade e planejamento dos municípios, responsáveis por executar a vacinação, foram fundamentais para aumentar a média de doses aplicadas e garantir, dessa forma, o aumento da cobertura vacinal. 

“A partir do envio regular de doses por parte do Ministério da Saúde, e do trabalho conjunto realizado pelo Estado e pelos municípios mineiros, conseguimos avançar com a vacinação contra a covid em Minas Gerais. Em 14 de outubro de 2021, segundo dados do OpendataSUS, houve o maior registro de doses aplicadas no estado, desde o início da campanha. Nós chegamos a 268.296 doses aplicadas, enquanto a média móvel de 7 dias de aplicação da vacina à época estava em 211.194”, explica o secretário de Estado de Saúde.

Cobertura vacinal X óbitos

Até o momento (18/01/2022), Minas Gerais já aplicou mais de 36 milhões de doses. Segundo dados do Vacinômetro, 92% dos mineiros tomaram a primeira dose e 86% da população com 12 anos ou mais já tomou a segunda dose. A cobertura vacinal relacionada à dose de reforço está em cerca de 22%.

Em relação aos óbitos, no dia 7/4/21, em meio ao auge da pandemia, quando foram notificadas 508 mortes por covid à Secretaria de Estado de Saúde, a cobertura vacinal da população mineira para primeira e segunda dose ou dose única era, respectivamente, 13,6% e 4%, de acordo com dados do OpendataSUS. Atualmente, com o avanço da vacinação, a média móvel de óbitos dos últimos sete dias está em torno de 6.

Fábio Baccheretti destaca que a cobertura alcançada no estado impacta positivamente nos indicadores. “Em meados de dezembro de 2021, percebe-se nitidamente a queda do número de mortes na população elegível para ser vacinada, à medida que a cobertura avançou para próximo dos 90% de D1 e 75% de D2. Dessa forma, podemos dizer que a vacinação mudou de forma segura a pandemia no estado e tivemos uma redução considerável na ocorrência de óbitos por covid”, explica.

Caderneta de Vacinação em dia

Fábio Baccheretti reitera que as pessoas que estejam com a 2ª dose ou, ainda, a dose de reforço em atraso se dirijam até a unidade de saúde para completar o esquema de vacinação.

“A vacina contra covid é comprovadamente segura e eficaz. E reforçamos junto à população que o esquema vacinal completo, considerando também a dose de reforço, é necessário para garantir a proteção adequada contra a doença”, afirma Fábio Baccheretti.

Marina Fonseca, de 29 anos e moradora da cidade de Contagem, contraiu covid em dezembro de 2020, época em que as vacinas contra a doença ainda não estavam disponíveis no país. Depois de passar pelo estresse de estar contaminada pelo vírus, seja pela preocupação sobre como seu organismo reagiria à covid ou pelo medo de transmitir para outras pessoas, Marina Fonseca destaca que a vacina foi um alívio. “Sabe aquela sensação de respirar no interior? O cheirinho de terra molhada? A vacina foi isso, um respiro de esperança que nos possibilitou estar perto de quem amamos, com mais segurança”, afirma Marina. 

Vacinação infantil

Desde a última sexta-feira (14/01), Minas Gerais já conta com doses destinadas a crianças entre 5 e 10 anos, a serem disponibilizadas de acordo com os grupos prioritários indicados pelo MS. 

“O Estado sempre vai recomendar a vacinação, já que está comprovada a redução dos casos graves da doença em pessoas que estão devidamente imunizadas. Por isso, pedimos que os pais ou responsáveis levem as crianças para serem vacinadas”, reforça o secretário de Estado de Saúde.

Clique aqui e saiba mais sobre vacinação infantil em Minas Gerais

 

]]>
Banco de notícias Tue, 18 Jan 2022 13:06:39 +0000
Primeira criança vacinada em Minas tem dez anos e mora em Vespasiano, na RMBH https://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/16216-primeira-crianca-vacinada-em-minas-tem-dez-anos-e-mora-em-vespasiano-na-rmbh https://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/16216-primeira-crianca-vacinada-em-minas-tem-dez-anos-e-mora-em-vespasiano-na-rmbh

O governador Romeu Zema e o secretário de Estado de Saúde, o médico  Fábio Baccheretti, acompanharam, na tarde desta sexta-feira, o início da imunização contra a covid-19 de crianças com idades entre 5 e 11 anos em Minas Gerais. Foram vacinadas dez crianças de Vespasiano, que possuem diferentes comorbidades e deficiência permanente.

Crédito: Gil Leonardi

A primeira criança que tomou a vacina foi Miguel Bittencourt, de dez anos. O menino, que possui autismo, demonstrava estar bastante animado. Sua mãe, Deusmara Andrade, disse que ela e o filho estavam contando os minutos para a imunização. “Estou me sentindo muito feliz. A vacinação é indispensável para reduzir a transmissão. Eu não tive dúvidas sobre trazer o meu filho”,  declarou.

Com a segunda maior população infantil do Brasil, Minas recebeu, na manhã desta sexta-feira (14/1), 110 mil doses da Pfizer/Comirnaty - Pediátrica. A distribuição para as Unidades Regionais de Saúde começou no início da tarde, permitindo que algumas cidades já começassem a vacinação  A previsão é a de que até a segunda-feira (17/1) todas as regionais já tenham recebido os imunizantes.

O governador relembrou como a vacinação está refletindo nos índices de ocupação hospitalar e contribuindo para o enfrentamento da pandemia. “É uma satisfação muito grande estarmos indo para mais essa etapa da imunização, pois cada vez fica mais comprovado que a imunização é a solução para a pandemia. Faço um apelo aos pais para que não deixem de levar as crianças para vacinar”, afirmou.  

Alívio e esperança

Fernanda Duarte, mãe da Gabriela, de nove anos e com síndrome de Down, também festejou a oportunidade de a filha ser imunizada e retomar o convívio social. “Eu vou ficar muito mais aliviada de saber que ela está protegida. Meu coração de mãe está transbordando de alegria”.

A expectativa da Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG) é que o primeiro lote permita a vacinação de quase 6% das crianças de Minas Gerais. A chegada de uma nova remessa é esperada para segunda-feira. “Até março, Minas deve receber 1,8 milhão de doses para vacinar todas as crianças de 5 a 11 anos”, informou o secretário Fábio Baccheretti.

]]>
Banco de notícias Mon, 17 Jan 2022 16:15:43 +0000
Minas Gerais se prepara para imunizar 1,8 milhão de crianças contra a covid-19 https://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/16210-minas-gerais-se-prepara-para-imunizar-1-8-milhao-de-criancas-contra-a-covid-19 https://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/16210-minas-gerais-se-prepara-para-imunizar-1-8-milhao-de-criancas-contra-a-covid-19

A Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) reforça a necessidade de vacinar as crianças de 5 a 11 anos contra o novo coronavírus. Minas recebeu hoje, 14/01, um lote com 110 mil doses da vacina Pfizer/Comirnaty - Pediátrica.

Crédito: Banco de Imagens

“O Governo de Minas já está preparado para vacinar o público infantil contra a covid-19. A estimativa é que as doses da Pfizer comecem a ser entregues às Unidades Regionais de Saúde e a alguns municípios ainda hoje, quando já será possível iniciar a aplicação”, explicou o secretário de Estado de Saúde de Minas Gerais, Fábio Baccheretti.

As doses que chegaram ao aeroporto de Confins foram transportadas para a Central Estadual da Rede de Frio, logo após o desembarque. A distribuição para as regionais de saúde começa ainda nesta sexta-feira, a partir das 13h.

Grupos prioritários

De acordo com Josianne Gusmão, Coordenadora de Imunização, neste primeiro momento, com o escalonamento das entregas da vacina, a vacinação infantil vai seguir uma ordem de priorização.

A ordem de vacinação precisa ser organizada pelas equipes de saúde municipais, sendo elencadas como as primeiras crianças a serem vacinadas aquelas com deficiência permanente ou com comorbidades.

Segundo dados da Fundação João Pinheiro, a estimativa é que haja um total de 1,8 milhão de crianças em Minas Gerais nessa faixa etária.

“É importante enfatizar que a imunização completa é por meio da aplicação de duas doses da vacina com o intervalo entre a primeira dose (D1) e a segunda dose (D2) de oito semanas”, complementa a Coordenadora.

Nos postos de saúde

De acordo com Josianne Gusmão, os pais ou responsáveis devem acompanhar as crianças nos locais de vacinação contra a covid, manifestando sua concordância com a vacinação. Em caso de ausência de pais ou responsáveis, a vacinação deverá ser autorizada por um termo de assentimento por escrito.

Sobre a administração de outras doses de vacinas do calendário no momento da imunização, Josianne explica que a orientação é esperar duas semanas. “Uma dúvida que sempre ocorre aos pais é em relação à administração de outras vacinas. É importante esclarecer que deverá ser respeitado o intervalo de 14 dias entre a administração das vacinas covid-19 Pfizer/Comirnaty - Pediátrica (5 a 11 anos) e as demais vacinas do calendário de vacinação”, esclarece.

Segurança

No Brasil, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou em 15 de dezembro de 2021 a ampliação do uso da vacina Pfizer/Comirnaty para imunizar crianças de 5 a 11 anos. Em seguida, a agência recomendou ao Programa Nacional de Imunizações (PNI) do Ministério da Saúde a inclusão dessa vacina, liberando para todo o Brasil a oportunidade de imunizar as crianças.

A Anvisa apontou que pesquisas comprovaram a eficácia da vacina neste grupo etário. Atualmente, ao menos 39 países da Europa e 14 da América Latina já autorizaram ou iniciaram a vacinação contra a COVID-19 em menores de 12 anos.

Pesquisam demonstram ainda que a administração do imunizante em crianças apresenta uma eficácia de 90,7% para a prevenção da covid-19 em pelo menos sete dias após a segunda dose. E não foram observados eventos adversos graves associados à vacinação.

Para as crianças as doses do imunizante são diferenciadas, o frasco é na cor laranja, com dose de 0,2ml, contendo 10 mcg da vacina Covid-19.

Covid-19 em crianças

Na Declaração emitida em 24 de novembro de 2021 e atualizada em 29 de novembro de 2021, a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) afirmou que, no que se refere à transmissibilidade do SARS-CoV-2, os estudos apontam que as crianças e os adolescentes são infectados na mesma taxa que os adultos.

“Embora a apresentação clínica da covid-19 seja, geralmente, mais branda em crianças quando comparada aos adultos e idosos, condições médicas subjacentes podem contribuir para o risco de doença grave em comparação com crianças sem condições médicas subjacentes”, explica a Coordenadora, referindo-se a fatores de risco como obesidade e comorbidades (diabetes tipo 2, asma, doenças cardíacas e pulmonares e doenças neurológicas, distúrbios do desenvolvimento neurológico e doenças neuromusculares).

Segundo a Coordenadora, outra situação que reforça a necessidade da administração da vacina pediátrica é o fato de que durante o curso da pandemia foram identificados casos de crianças e adolescentes com uma nova apresentação clínica associada à covid-19, caracterizada por um quadro inflamatório tardio e grave, denominada Síndrome Inflamatória Multissistêmica Pediátrica (SIM-P).

Em Minas Gerais, foram notificados 174 casos de SIM-P, com 3 óbitos. Os dados estão disponíveis em coronavirus.saude.mg.gov.br

]]>
Banco de notícias Fri, 14 Jan 2022 12:52:27 +0000
Superintendência Regional de Saúde de Sete Lagoas distribui doses para crianças de 35 municípios https://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/16252-superintendencia-regional-de-saude-de-sete-lagoas-distribui-doses-para-criancas-de-35-municipios https://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/16252-superintendencia-regional-de-saude-de-sete-lagoas-distribui-doses-para-criancas-de-35-municipios

A distribuição de doses pediátricas da vacina contra a covid-19 aos municípios da Superintendência Regional de Saúde (SRS) de Sete Lagoas foi realizada na quarta-feira (19/1). 35 municípios receberam 3.290 doses de Pfizer pediátrica para a 1ª dose em crianças de 5 a 11 anos de idade. As prefeituras iniciam a vacinação já nesta semana.

Crédito: Nayara Souza

A SRS-Sete Lagoas inclui os municípios de Abaeté, Araçaí, Augusto de Lima, Baldim, Biquinhas, Buenópolis, Cachoeira da Prata, Caetanópolis, Capim Branco, Cedro do Abaeté, Cordisburgo, Corinto, Curvelo, Felixlândia, Fortuna de Minas, Funilândia, Inhaúma, Inimutaba, Jequitibá, Maravilhas, Monjolos, Morada Nova de Minas, Morro da Garça, Paineiras, Papagaios, Paraopeba, Pequi, Pompéu, Presidente Juscelino, Prudente de Morais, Quartel Geral, Santana de Pirapama, Santo Hipólito, Sete Lagoas e Três Marias. Cada prefeitura está divulgando em suas páginas oficiais as datas e faixas etárias atendidas nesta primeira remessa de doses infantis.

Os municípios também receberam 2.945 doses da Janssen para a aplicação de dose de reforço em adultos que receberam o imunizante desse fabricante a pelo menos dois meses. Além dos imunizantes, a SRS -Sete Lagoas distribuiu também testes rápidos para detecção de antígeno SARS-CoV-2, reforçando a testagem na região.

“Garantir a proteção de crianças e adolescentes neste momento é fundamental para conter a disseminação do vírus e evitar casos de internação e morte nessa faixa etária, além de minimizar de forma expressiva a produção de variantes”, observou a referência técnica em Imunização da SRS-Sete Lagoas, Mariana Soares Noce Abreu. Ela destacou que a covid-19 tem se mostrado um grande risco para a população pediátrica. “A decisão dos pais deve ser pautada na divulgação de pesquisas sérias, posicionamento de instituições especializadas no assunto, dados epidemiológicos a respeito do impacto da doença nas crianças, resultados de segurança e eficácia da vacina, bem como informações colhidas por países que já iniciaram essa vacinação em larga escala”, finalizou.

Fabrício Junior Alves Teixeira - superintendente regional de Saúde de Sete Lagoas - também exaltou a importância da vacinação das crianças. “Estamos realizando treinamentos com as referências técnicas municipais, em consonância com a entrega das vacinas. Garantindo segurança e eficiência em todas as etapas. Assim, todo o processo de entrega das vacinas contra a covid-19, cujas doses são específicas para esse público, foram precedidas por orientação dos profissionais de saúde que atenderão às crianças e seus respectivos responsáveis nas unidades de saúde”, observou Teixeira.

]]>
Banco de notícias Thu, 20 Jan 2022 18:29:55 +0000
SES e UFMG produzem informativo sobre vacinação de crianças contra covid https://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/16251-ses-e-ufmg-produzem-informativo-sobre-vacinacao-de-criancas-contra-covid https://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/16251-ses-e-ufmg-produzem-informativo-sobre-vacinacao-de-criancas-contra-covid

A Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG), em parceria com o Núcleo de Estudos e Pesquisa em Vacinação (NUPESV), vinculado à Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), elaborou e está divulgando a partir desta quinta-feira (20/1) a publicação informativa “Vacinação em crianças de 05 a 11 anos contra Covid-19”.

Crédito: Cristiano Machado

O material traz informações relevantes sobre as recomendações da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) acerca do tema, tais como benefícios e riscos, bem como a importância da imunização para a redução da mortalidade na faixa-etária de 05 a 11 anos e para a retomada das atividades, incluindo o retorno escolar de forma presencial.

A SES-MG recomenda que o documento seja amplamente divulgado para a população em geral e também para os profissionais de saúde, com o objetivo de corroborar a importância da vacinação infantil contra covid-19 e a adesão dos pais e responsáveis para imunizarem e protegerem suas crianças.

 

Clique aqui para baixar a publicação.

]]>
Banco de notícias Thu, 20 Jan 2022 18:15:24 +0000
Diagnóstico para Leishmaniose tem novo fluxo na Regional de Saúde de Ubá https://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/16250-diagnostico-para-leishmaniose-tem-novo-fluxo-na-regional-de-saude-de-uba https://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/16250-diagnostico-para-leishmaniose-tem-novo-fluxo-na-regional-de-saude-de-uba

A Gerência Regional de Saúde (GRS) de Ubá, por meio do Núcleo de Vigilância Epidemiológica (Nuvepi), estabeleceu novo fluxo para diagnóstico e tratamento da Leishmaniose Tegumentar (LT) junto a Casa de Saúde Padre Damião, da Fundação Hospitalar de Minas Gerais (Fhemig), com foco principal no diagnóstico precoce e o tratamento oportuno da doença. A homologação do projeto pela Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG), via Núcleo Executivo da Comissão Intergestores Bipartite (CIB) unidades regionais, foi feita em dezembro de 2021 e, a partir de então, os 31 municípios pertencentes às duas microrregiões de Saúde de Ubá e Muriaé passaram a contar com os serviços da Fhemig para diagnóstico laboratorial com exame parasitológico direto, acompanhamento médico e tratamento medicamentoso. Tudo gratuito, pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

Crédito: Keila Siqueira de Lima

A referência regional da Leishmaniose Tegumentar, Jéssica Simões, explica que esta é uma doença infecciosa, transmitida a humanos pela picada das fêmeas de flebotomíneos (espécie de mosca) infectadas. “É considerada um problema de saúde pública em 88 países, entre eles o Brasil, que registra em média 20 mil casos novos por ano. Por isso mesmo, estamos fortalecendo o programa de Vigilância da LT na nossa região, seguindo as diretrizes do Ministério da Saúde (MS), pois merece atenção visto ser um agravo que afeta o emocional e psicológico do paciente, devido ao risco de poder produzir deformidades. E o tratamento, quando não realizado da forma correta, pode gerar complicações e recidiva da doença”, disse Jéssica.

A confirmação da LT por meio laboratorial é fundamental, tendo em vista o número de doenças que fazem diagnóstico diferencial- como, por exemplo, sífilis, hanseníase e esporotricose; com terapias diversas para cada agravo. “Foi uma articulação que a GRS-Ubá realizou com a Fhemig e os gestores dos 31 municípios. Anteriormente, a maioria dos diagnósticos eram realizados por meio do exame histopatológico, que é indicado para diagnostico diferencial. Compreendemos que ter em nosso território o exame parasitológico direto, que agora é feito na Fhemig e que é a 1ª escolha para diagnóstico da LT, otimiza o processo de identificação dos pacientes e início do tratamento. Ressaltando que o parasitológico possui menor custo e é de fácil execução ”, relatou Jéssica.

A melhoria é resultado de um trabalho que foi iniciado em 2020, com a capacitação do bioquímico da Fhemig, Wilson Valente Júnior, no instituto Rene Rachou (Fiocruz Minas). “Aprendemos a realizar o diagnóstico parasitológico direto da LTA e, dessa forma, conseguimos ter suporte técnico para receber a descentralização do diagnóstico. Repassei o treinamento para os demais profissionais do setor e hoje a bioquímica Ingrid Rabite Garcia, também opera este trabalho. Mesmo antes da homologação do fluxo pela SES, já havíamos atendido a 26 pacientes na coleta e análise de material para realização do exame”, relatou Wilson.

Sintomas e encaminhamentos

Os sintomas da LT são lesões na pele e/ou mucosas, sendo únicas, múltiplas, disseminadas ou difusas. Elas apresentam aspecto de úlceras, com bordas elevadas e fundo granuloso, geralmente indolor. As lesões mucosas são mais frequentes no nariz, boca e garganta.

O paciente com esses sintomas deve procurar a Unidade de Saúde mais próxima de sua residência, se submeter a consulta médica, que encaminhará os casos suspeitos para a Fhemig/Ubá. Será feito nova consulta com o médico especialista, que faz a coleta para exame parasitológico direto, incluindo amostras para diagnóstico diferencial, identificando possíveis outros agravos com sintomatologia semelhantes.

Depois do diagnóstico confirmado, o paciente recebe os medicamentos e acompanhamento médico na própria Casa de Saúde Padre Damião, tudo de forma gratuita, pelo SUS. “Nossa instituição tem essa vocação de atender aos agravos relacionados a pele, e é uma grande satisfação para toda equipe podermos ampliar nossos serviços e sermos referência regional em Leishmaniose Tegumentar”, relatou Adelton Andrade Barbosa, diretor hospitalar da Casa de Saúde Padre Damião.

“Trabalhar na lógica de redes de Atenção à Saúde é de fundamental importância. Para isso, buscamos parcerias, como a realizada junto à Fhemig/Ubá, objetivando entregas efetivas que impactam diretamente na qualidade de  vida e na saúde da população”, complementou Franklin Leandro Neto, diretor da GRS-Ubá.

O que é a Leishmaniose Tegumentar

A Leishmaniose Tegumentar é uma doença infecciosa, não contagiosa, que provoca úlceras na pele e mucosas. A doença é causada por protozoários do gênero Leishmania. A doença é transmitida ao ser humano pela picada das fêmeas de flebotomíneos (espécie de mosca) infectadas, pertencentes à ordem Diptera, família Psychodidae, subfamília Phlebotominae, gênero Lutzomyia, conhecidos popularmente, dependendo da localização geográfica, como mosquito palha, tatuquira e birigui, são os principais vetores.

A LT é um problema global de saúde pública, endêmica em 88 países, com mais de 400 milhões de pessoas vivendo em área de risco no mundo. Em decorrência do potencial epidêmico que apresenta, a Organização Mundial de Saúde (OMS) inclui a LT entre as seis doenças infecciosas e parasitárias prioritárias para ações de controle. Nas Américas, essa doença está distribuída desde o Sul dos Estados Unidos até o norte da Argentina.

Importante: A suscetibilidade de infecção por Leishmaniose Tegumentar (LT) é universal. A infecção e a doença não conferem imunidade ao paciente.

]]>
Banco de notícias Thu, 20 Jan 2022 18:12:39 +0000
Municípios do Norte de Minas recebem incentivos para ampliar o cadastro de quilombolas no SUS https://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/16249-municipios-do-norte-de-minas-recebem-incentivos-para-ampliar-o-cadastro-de-quilombolas-no-sus https://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/16249-municipios-do-norte-de-minas-recebem-incentivos-para-ampliar-o-cadastro-de-quilombolas-no-sus

Sessenta e três municípios da macrorregião Norte estão sendo contemplados pelo Ministério da Saúde (MS) com o repasse de R$ 915.600,00 destinados para a implementação de ações voltadas para ampliar o cadastro da população quilombola nos serviços de Atenção Primária à Saúde (APS). A liberação dos recursos para 2.463 municípios, sendo 387 localizados em Minas Gerais, foi anunciada segunda-feira, (17/1), pelo secretário de Atenção Primária à Saúde, Raphael Câmara.

Crédito: Ascom / Unimontes

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) estima que haja 1 milhão 133 mil 106 quilombolas no país. Porém, nos sistemas de informação da APS, atualmente há 328.181 quilombolas cadastrados. Ou seja, a cada 10 quilombolas, apenas três têm cadastro no Sistema Único de Saúde (SUS). Isso corresponde a 29% da população sendo acompanhada.

Segundo o secretário do Ministério da Saúde, devido ao contexto de vulnerabilidade social ao qual as populações quilombolas estão expostas contínua e cotidianamente no país, é importante fazer o monitoramento da saúde dessas comunidades. Para isso, uma das ações mais importantes dos serviços de APS é o cadastramento da população no SUS. Isso pode ser feito durante uma consulta médica numa Unidade Básica de Saúde (UBS) ou no atendimento domiciliar, pelos integrantes das equipes de saúde da família.

Por meio do cadastramento é possível fazer uma análise da situação de saúde, bem como o reconhecimento da população próxima às equipes de saúde, subsidiando o planejamento dos serviços. Nos últimos dois anos, por meio do Programa Previne Brasil, o número de cadastros nos serviços APS aumentou em 80 milhões de pessoas.

Outro fator importante é que, a partir dos dados, a gestão tem conhecimento do território em todas as suas dimensões, o que possibilita trabalhar em conjunto com outros setores, como assistência social, direitos humanos, educação, segurança, entre outros.

No Norte de Minas os municípios que receberão maior aporte de recursos para reforçar o trabalho de cadastramento da população quilombola no SUS são: Montes Claros (R$ 131,6 mil); Janaúba (R$ 67,2 mil); Januária (R$ 58,8 mil); Salinas (R$ 44,8 mil); São Francisco (33,6 mil) e Taiobeiras (36,4 mil).

]]>
Banco de notícias Thu, 20 Jan 2022 17:56:11 +0000
Regional de Belo Horizonte deve vacinar cerca de meio milhão de crianças https://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/16248-regional-de-belo-horizonte-deve-vacinar-cerca-de-meio-milhao-de-criancas https://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/16248-regional-de-belo-horizonte-deve-vacinar-cerca-de-meio-milhao-de-criancas

Iniciada m Minas Gerais, a campanha de vacinação de crianças entre 5 e 11 anos de idade, os 39 municípios da Superintendência Regional de Saúde (SRS) de Belo Horizonte deverão vacinar população superior a 500 mil crianças, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Crédito: Leandro Heringer

O secretário de Estado de Saúde de Minas Gerais, Fábio Bacheretti, declarou que a expectativa é de que as duas doses da vacina sejam ministradas no novo público da campanha até março deste ano. A superintendente da SRS-BH, Débora Tavares, ressalta a importância da vacinação de crianças. “Até o retorno das aulas, espera-se que muitas crianças entre 5 e 11 anos tenham tomado a primeira dose, de acordo com a disponibilidade. É importante para controlar a pandemia.” A coordenadora da Vigilância Epidemiológica da SRS-BH, Talita Chamone, ressalta que, apesar de aprovado o uso, é necessário esperar o cronograma do Ministério da Saúde. “A vacinação para crianças é muito importante. Vamos receber o cronograma do Ministério da Saúde e divulgar para a população”.

Para a bióloga, professora universitária e mãe de três filhos, Thaís Maya Aguilar, a notícia da vacinação de crianças é excelente. “O avanço da vacinação diminui o número de casos, principalmente os casos graves, que estão entre pessoas não vacinadas. Com a vacinação das crianças, diminui o risco, a transmissão e as atividades escolares podem retornar no ritmo do final do ano. Como mãe e professora estava ansiosa por essa notícia.” Para Aguilar, com a vacinação ampla, é possível diminuir a preocupação de novas variantes. “O foco passa a ser a população que não se vacinou.” A analista de sistema, Helen Peters, afirma ser um alívio a disponibilidade de vacinas para as crianças ressaltando o papel de proteção a elas. “Como pai e rsponsáveis - e como sociedade - temos o papel de cuidar e proteger nossas crianças. Já fazemos isso respeitando e cumprindo uma agenda vacinal que começa nos primeiros dias de vida do bebê. Espero que o poder público se mobilize na aquisição urgente da vacina e na organização da sua aplicação para que possamos começar 2022 com o coração mais tranquilo.

Coordenadora da Unidade de Gestão do Sistema da Qualidade (UGSQ) da Fundação Ezequiel Dias (Funed), Helen Aquino, é mãe de duas crianças, de 4 e 7 anos. “Minha filha será vacinada e estou esperando a oportunidade de vacinar meu filho caçula. É um anseio muito grande. A preocupação é constante no contexto das restrições que as crianças vivem. Apesar de a mortalidade ser baixa, as crianças ficam muito vulneráveis até pela questão dos cuidados necessários”.

Vacina diferenciada para crianças

Foi liberado em 16 de dezembro de 2021, pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), o uso do imunizante da Pfizer para crianças entre 5 e 11 anos.  Com metade da dosagem para adultos, a vacina também é aplicada com duas doses. Utilizada nos Estados Unidos desde o início de novembro de 2021 e autorizada pela União Europeia no fim do mesmo mês, a vacinação teve início, em Minas Gerais, na sexta-feira (14/1).

Apresentando os dados das pesquisas em evento de aprovação, o gerente geral de medicamentos e Produtos Biológicos (GGMED) da Anvisa, Gustavo Mendes, ressaltou que há diferenças entre as vacinas para crianças em relação à população maior de 12 anos. “Há diferença na fórmula, produtos e dosagens. O próprio rótulo é da cor laranja. Além da própria capacidade de armazenamento. A vacina para crianças pode ficar até 10 semanas em manutenção entre 2 e 8 graus.” A diretora da Agência, Meiruze Sousa Freitas, destacou benefícios para a vacinação de crianças entre 5 e 11 anos. “É necessária a imunização para evitar interrupções no processo educacional bem como diminuir contágio do novo coronavírus.” 

Imunização de crianças pelo mundo

A vacinação de crianças ocorre em diversos países de todos os continentes. Estados Unidos, Canadá, Alemanha, Israel, China, Espanha, Portugal, Chile, Emirados Árabes Unidos, Venezuela, China, Bahrein, entre outros, realizam campanhas para imunizar menores de 12 anos. Os imunizantes, até o momento utilizados nesses países, são da Biontech/Pfizer, Coronavac, Sinopharm e, em Cuba e Venezuela, a Soberana 2 desenvolvida na ilha caribenha. No Brasil, o primeiro e único autorizado até o momento é o da Biontech/Pfizer. Mais informações estão disponíveis no Portal da Anvisa no endereço eletrônico www.anvisa.gov.br

]]>
Banco de notícias Thu, 20 Jan 2022 17:34:00 +0000
Boletim Epidemiológico de Monitoramento dos casos de Dengue, Chikungunya e Zika (20/01) https://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/16246-boletim-epidemiologico-de-monitoramento-dos-casos-de-dengue-chikungunya-e-zika-20-01 https://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/16246-boletim-epidemiologico-de-monitoramento-dos-casos-de-dengue-chikungunya-e-zika-20-01

Até 20/1, Minas Gerais registrou 814 casos prováveis (casos notificados exceto os descartados) de dengue. Desse total, 178 casos foram confirmados para a doença. Nenhum óbito por dengue foi confirmado em Minas Gerais, até o momento.

Em relação à Febre Chikungunya, foram registrados 27 casos prováveis da doença e, desse total, um caso foi confirmado. Também não houve caso confirmado de óbito por chikungunya em Minas, até então.

Já em relação à Zika, foram registrados um caso provável, sem que tenha havido confirmação. Não foram confirmados óbitos por zika em Minas Gerais até o momento.

» Clique aqui e confira o Boletim Epidemiológico de Monitoramento dos casos de Dengue, Chikungunya e Zika Vírus da SES-MG (atualizado em 20/1/2022).

]]>
Banco de notícias Thu, 20 Jan 2022 16:41:07 +0000
Nota - Campeonato Mineiro de Futebol https://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/16245-nota-campeonato-mineiro-de-futebol https://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/16245-nota-campeonato-mineiro-de-futebol

A Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) informa que, em reunião com representantes da Federação Mineira de Futebol (FMF) realizada na tarde desta quarta-feira (19/1) na Cidade Administrativa, ficou decidido que a presença de público nos estádios nas duas primeiras rodadas do Campeonato Mineiro de Futebol está limitada ao máximo de 20 mil pessoas.

Será obrigatória a apresentação de comprovante de vacinação por meio do Cerificado Nacional de Imunização, com QR code de autenticação, comprovando a completa imunização contra a covid-19, ou seja, indivíduo vacinado com aplicação da segunda dose ou dose única após 15 dias, conforme indicação do imunizante (vacina utilizada), OU resultado negativo de exame RT-PCR/Teste Rápido de Antígeno realizados até setenta e duas horas antes do jogo; OU laudo médico comprovando infecção pelo coronavírus curada/recuperada com no mínimo 15 dias e no máximo 3 meses (90 dias)

Está proibido o acesso aos estádios de crianças com menos de 12 anos de idade.

A SES-MG ressalta ainda que o público nos estádios deve observar todas as demais recomendações sanitárias para o combate à pandemia: uso de máscaras, higienização das mãos e distanciamento social.

Participaram da reunião o secretário de Estado de Saúde, Fábio Baccheretti, o presidente da FMF, Adriano Aro, o diretor de Competições da entidade, Leonardo Barbosa, e o deputado estadual Zé Guilherme, presidente da Comissão de Esporte, Lazer e Juventude da Assembleia Legislativa de Minas Gerais.

Uma reunião para nova avaliação foi agendada para ocorrer dentro de duas semanas.

]]>
Banco de notícias Thu, 20 Jan 2022 15:38:06 +0000
Informe Epidemiológico Coronavírus - 20/01/2022 https://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/16244-informe-epidemiologico-coronavirus-20-01-2022 https://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/16244-informe-epidemiologico-coronavirus-20-01-2022

Até o momento foram 2.436.663 casos confirmados*. Estão em acompanhamento** 146.425 casos e são 2.233.343 casos recuperados***. Estão confirmados 56.895 óbitos**.

* Total de casos confirmados: soma dos casos confirmados, que não evoluíram para óbito e dos óbitos confirmados por covid-19.
** Casos em acompanhamento: casos confirmados de covid-19, que não evoluíram para óbito, cuja condição clínica permanece sendo acompanhada ou aguarda atualização pelos municípios.
* Casos recuperados: casos confirmados de covid-19 que receberam alta hospitalar e/ou cumpriram isolamento domiciliar de 14 dias sem intercorrências.

** Óbitos confirmados: óbitos confirmados para covid-19.

Dados parciais, sujeitos a alterações. Atualizado em 20/01/2022. Fonte: COES MINAS/COVID-19/SES-MG.

Considerando que o Ministério da Saúde classificou todo o país como transmissão comunitária, além da necessidade de qualificar as informações sobre a circulação do coronavírus em Minas Gerais, desde 23/3/2020, o Boletim Informativo Diário Covid-19 publica o detalhamento apenas dos casos confirmados.

Clique aqui e acesse o Boletim Epidemiológico.

 

]]>
Banco de notícias Thu, 20 Jan 2022 09:52:51 +0000
Fhemig contrata médicos para os hospitais Cristiano Machado e Júlia Kubitschek https://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/16243-fhemig-contrata-medicos-para-os-hospitais-cristiano-machado-e-julia-kubitschek https://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/16243-fhemig-contrata-medicos-para-os-hospitais-cristiano-machado-e-julia-kubitschek

O Hospital Cristiano Machado (HCM), em Sabará, está contratando médicos das especialidades de Clínica Médica, Geriatria, Psiquiatria, Ginecologia, Endocrinologia, Reumatologia, Nefrologia, Neurologia, Dermatologia, Infectologia, Pneumologia, Família, Emergência, Intensivista, Cardiologia e Cirurgia Geral em processo seletivo simplificado para 4 vagas e formação de cadastro de reserva.

Crédito: Divulgação Fhemig

A carga horária é de 24h semanais e o salário de R$ 5.801,50, excluídas vantagens inerentes à função exercida e ao local de atuação. As inscrições devem ser realizadas até as 17h do dia 31/1 (segunda-feira) pelo site www.fhemig.mg.gov.br, na opção do menu ‘Como ingressar na Fhemig / Seleção Simplificada’. Outras informações podem ser consultadas no edital, disponível em https://bityli.com/oxygg.

Importante lembrar que as inscrições não devem ser feitas pelo celular, pois o sistema é incompatível. Também é recomendado navegar pelo Internet Explorer ou Mozilla Firefox (versão 3.5).

Vagas emergenciais

Com chamamento público emergencial, o Hospital Júlia Kubitschek (HJK), em Belo Horizonte, também recebe inscrições para médico especialista. São 12 vagas para carga horária de 24h semanais e salário de R$ 5.801,50, excluídas vantagens inerentes à função exercida e ao local de atuação. 

Os interessados podem se inscrever até as 17h do dia 24/1 (segunda-feira). O edital completo pode ser consultado em https://bityli.com/HzFhS.

]]>
Banco de notícias Thu, 20 Jan 2022 09:41:13 +0000
Regional de Januária discute encaminhamentos do CEAE para 2022 https://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/16242-regional-de-januaria-discute-encaminhamentos-do-ceae-para-2022 https://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/16242-regional-de-januaria-discute-encaminhamentos-do-ceae-para-2022

A Gerência Regional de Saúde (GRS) de Januária realizou, nos dias 12 e 17/1, videoconferências com equipe do Centro Estadual de Atenção Especializada (CEAE), de Januária, e também com a gestão municipal de Saúde do município. O propósito do encontro foi ajustar questões relacionadas aos serviços oferecidos nas unidades do CEAE.

Crédito: Giuliana Dias Luz Batista

A reunião teve como ponto principal discutir e alinhar as diversas temáticas e demandas relacionadas aos CEAE e os encaminhamentos necessários para o bom desempenho dos trabalhos durante o ano de 2022.

Foram discutidos vários temas, tais como: categorias do CEAE, carteira de serviços, legislação estruturante, metas pactuadas para 2022, projeto de execução financeira, plano de trabalho dos recursos de investimento, relatório bimensal, matriciamento com Atenção Primária, Qualifica CEAE, supervisão, indicadores avaliados, pactuação de recurso de investimento para 2023, reuniões quadrimestrais com gerência e coordenação do CEAE, conforme disposições das resoluções SES/MG nº 6946 de 4 de dezembro de 2019 e SES/ MG nº 7918 e 9 de dezembro de 2021.

As resoluções citadas regulamentam os CEAE, seus processos de supervisão e avaliação e a metodologia de financiamento, tendo como objetivos gerais, a atenção multiprofissional e interdisciplinar que contribui para a redução dos agravos da condição de saúde dos usuários acompanhados no serviço;  a resolubilidade assistencial que caracteriza pelo acesso às consultas e exames em estrutura própria ou por meio da contratualização dos serviços essenciais previstos na carteira; o cuidado compartilhado que traduz no matriciamento das equipes da Atenção Primária à Saúde (APS) para adequada aplicação do plano de Cuidado Individualizado.

Tendo como diretrizes o ponto de atenção da média complexidade ambulatorial, voltado para atenção materno-infantil de risco; Saúde da Mulher, com ênfase na propedêutica do câncer de colo de útero e mama; hipertensão arterial sistêmica, diabetes mellitus e doença renal crônica de alto e muito alto risco.

Os Centros são organizados conforme a oferta assistencial especializada (consultas e exames) para as linhas de cuidados prioritárias e recursos disponíveis, tendo como custeio prioritariamente estadual, e financiamento com base em escopo assistencial.

 A oferta assistencial é baseada na atenção programada e organização ancorada no modelo MACC, abrangência regional; ao acesso regulado pela APS (estratificação de risco), compartilhamento do cuidado; e ao plano de Cuidado Individualizado (matriciamento da APS). Os CEAE devem atuar de maneira integrada à APS e à Atenção Terciária, de forma articulada, no território de abrangência.

Desta forma, os CEAE, têm como ponto específico contribuir para a redução da mortalidade e complicações preveníveis, assim como para melhorar a qualidade de vida dos seus usuários.

Nos termos da legislação, deverá ser instituído nos CEAE Núcleo de qualidade para acompanhar os serviços prestados, melhorar a capacidade técnica, gerencial e financeira, sendo especificado como “Qualifica CEAE”.

Esse núcleo caracteriza-se como um espaço colegiado de caráter consultivo para discussão e construção de consensos formado por dois representantes do CEAE (gerente e coordenador assistencial), dois representantes da Unidade Regional de Saúde vinculados à Atenção Ambulatorial Especializada (AAE) e APS, um representante do município sede do serviço e três representantes dos demais municípios de abrangência.

Caberá ao Qualifica CEAE propor estratégias para efetivação do compartilhamento do cuidado entre a APS e a AAE, tendo como premissa a efetivação do modelo de Atenção às Condições Crônicas, respeitando as diretrizes do programa CEAE.

A coordenadora de Atenção à Saúde (CAS/GRS-Januária), Nayra de Oliveira Duarte, ressaltou a importância da realização da reunião, tendo em vista a necessidade de alinhamento dos trabalhos para o ano de 2022.  “O início do ano é marcado pelo planejamento das ações. Com isso, realizar o alinhamento das demandas pré-existentes e aquelas necessárias de serem programadas favorece a organização dos processos de trabalho, evita-se o retrabalho e a qualificação da assistência nos CEAE”.

]]>
Banco de notícias Wed, 19 Jan 2022 16:35:08 +0000
Norte de Minas completa um ano de vacinação contra a covid-19 e imuniza 1,1 milhão de pessoas https://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/16241-norte-de-minas-completa-um-ano-de-vacinacao-contra-a-covid-19-e-imuniza-1-1-milhao-de-pessoas https://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/16241-norte-de-minas-completa-um-ano-de-vacinacao-contra-a-covid-19-e-imuniza-1-1-milhao-de-pessoas

Nesta quarta-feira, 19, completa um ano do início da campanha de vacinação da população do Norte de Minas contra a covid-19, alcançando 76,76% das pessoas que já estão com o esquema vacinal completo, com aplicação de duas doses de imunizantes. Ao todo, 1 milhão 109 mil 163 norte-mineiros já foram contemplados com a aplicação de duas doses da vacina AstraZeneca/Universidade de Oxford; da chinesa, CoronaVac; da multinacional norte-americana Pfizer/BioNtec ou com a dose única da vacina da Janssen.

Crédito: Pedro Ricardo

O percentual de pessoas residentes no Norte de Minas que já tomou a primeira dose de um dos imunizantes contra a covid-19 chegou a 85,93% na terça-feira, 18, alcançando 1 milhão 234 mil 376 pessoas. Já a dose de reforço (terceira) alcançou 201.005 pessoas, ou seja, 13,91% da população residente em 86 municípios que compõem a macrorregião de Saúde Norte.

A campanha de vacinação contra a covid-19 foi aberta no dia 19 de janeiro do ano passado pelo governador, Romeu Zema. Na oportunidade, ele acompanhou a vacinação do ex-administrador de fazendas, Erotides Cardoso, 96 anos, e da senhora Maria dos Reis, 90 anos, residentes no Asilo São Vicente de Paulo, em Montes Claros. Naquela ocasião, os idosos e as pessoas assistidas por instituições de longa permanência constituíam grupo prioritário para a vacinação contra a doença.

“A saúde é a nossa felicidade, é o que a gente tem de melhor no mundo. Faltou saúde, faltou tudo. Ao receber a notícia de que seria vacinado, fiquei muito alegre. Graças a Deus e ao SUS fui vacinado! Estou livre dessa doença”, frisou emocionado Erotides Cardoso.

Por sua vez, Maria dos Reis afirmou que a vacina representava uma nova esperança na sua vida. “É uma felicidade que não cabe dentro da gente. Fiquei muito alegre ao saber que seria vacinada e que minha vida voltaria ao normal”, relatou.

Para o início da campanha de vacinação, os municípios receberam 42.280 doses de vacinas da Superintendência Regional de Saúde (SRS) de Montes Claros e das Gerências Regionais de Saúde (GRS) de Januária e Pirapora.

A superintendente regional de Saúde de Montes Claros, Dhyeime Thauanne Pereira Marques, ressalta que “o primeiro ano de vacinação contra a covid foi de muito trabalho para os profissionais atuantes na Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG), bem como para os que atuam nos municípios. Mas, o resultado obtido até o momento é gratificante, levando em conta que a maioria da população compreendeu a importância da vacinação para vencermos a pandemia. Só com a imunização completa, inclusive com a aplicação da dose de reforço, alcançaremos boas coberturas vacinais e, com isso, as pessoas estarão mais protegidas contra as formas mais graves da doença”, ressalta.

A coordenadora de Vigilância em Saúde da SRS-Montes Claros, Agna Soares da Silva Menezes, também entende que a campanha de vacinação contra a covid-19 tem evoluído de forma satisfatória no Norte de Minas, porém ressalta a importância da população concluir o esquema vacinal com a aplicação das segunda e terceira doses.

“Só com a imunização completa teremos condições de voltar a ter uma vida normal, uma vez que teremos reduzida a disseminação do novo coronavírus, bem como a proliferação de novas variantes. Enquanto as coberturas vacinais não alcançarem mais de 90% da população é importante que as pessoas mantenham os cuidados com a higiene e a utilização de máscaras, além de assegurar o acesso das crianças com idade entre 5 a 11 anos à vacinação”, lembra a coordenadora.

Resultados nas URS’s

Um ano depois do início da vacinação contra a covid-19 em 54 municípios que compõem a área de atuação da SRS-Montes Claros, 78,73% da população já tomou as duas doses de um dos imunizantes utilizados para o combate à doença, ou foi contemplada com a dose única da vacina da Janssen. Ao todo são 761.011 pessoas com o esquema vacinal completo com duas doses.

Já a dose de reforço alcançou 140.306 pessoas (14,52% da população). Por outro lado, o percentual da população que já tomou a primeira dose de uma das vacinas está em 87,35%, o que representa 844.304 pessoas.

Entre 25 municípios que compõem a área de jurisdição da GRS- Januária, 71,91% da população já tomou duas doses de vacinas contra a covid-19 (253.151 pessoas); 45.077 já foram contempladas com a aplicação da dose de reforço (12,80% da população). Já 81,44% dos moradores dos 25 municípios já tomaram a primeira dose de vacina contra a doença, o que representa um contingente de 286.701 pessoas.

Em sete municípios que compõem a GRS-Pirapora, a campanha de vacinação contra a covid-19 também apresenta bons resultados alcançados neste primeiro ano. Até o momento, 95.001 pessoas (75,17%) já tomaram as duas doses de um dos imunizantes ou a dose única da Janssen; outras 15.622 pessoas já tomaram a terceira dose (12,36%). Já a aplicação da primeira dose de uma das vacinas contra a covid-19 contemplou 103.371 pessoas, perfazendo 81,79% da população.

 
]]>
Banco de notícias Wed, 19 Jan 2022 15:22:57 +0000
Controle do tabagismo é tema de capacitação na Regional de Saúde de Ubá https://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/16240-controle-do-tabagismo-e-tema-de-capacitacao-na-regional-de-saude-de-uba https://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/16240-controle-do-tabagismo-e-tema-de-capacitacao-na-regional-de-saude-de-uba

Na última segunda-feira (17), a Gerência Regional de Saúde (GRS) de Ubá promoveu um treinamento sobre o Programa Nacional de Controle do Tabagismo aos profissionais da Atenção Básica do município de Silverânia. A capacitação segue diretrizes do Ministério da Saúde (MS) e do Instituto Nacional do Câncer (Inca), que atuam em rede e desenvolvem ações junto às equipes da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) que, por sua vez, multiplica junto às equipes coordenadoras dos municípios, para desenvolverem atividades de coordenação/gerência operacional e técnica do programa.

Divulgação

Em Silverânia, o Programa Nacional de Controle do Tabagismo será iniciado pelos profissionais capacitados pela GRS-Ubá. “Prestamos nosso apoio técnico para essa equipe, demonstrando a operacionalização do programa e auxiliando a projetar as primeiras ações. Agora, estão com a missão de identificar pacientes que frequentam a Unidade Básica que tenham o desejo de parar de fumar, rastreamento que pode ser feito até mesmo pelas visitas domiciliares dos agentes comunitários. A partir daí, são formados grupos de apoio, que são orientados e acompanhados por profissionais de Saúde” explicou Elis Regina de Oliveira Mattos, coordenadora da Atenção à Saúde da GRS-Ubá.

“Foi muito produtivo recebermos essas orientações da Regional, pois agora temos uma direção quanto ao objetivo do grupo e a forma de chegar a esse público. Inclusive, soubemos da importância de mantermos o contato com as pessoas que vierem a participar, contribuindo com encontros de manutenção e prevenção de recaídas”, contou Nathane Corrêa, enfermeira da Unidade Básica de Saúde de Silverânia. Participaram também Daiana Antunes, nutricionista; Amanda Couto, assistente social; e Alysson canônico, fisioterapeuta.

 
]]>
Banco de notícias Wed, 19 Jan 2022 14:47:22 +0000
SRS-Pouso Alegre distribui 4.940 doses de vacinas pediátricas anticovid-19 para municípios https://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/16239-srs-pouso-alegre-distribui-4-940-doses-de-vacinas-pediatricas-anticovid-19-para-municipios https://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/16239-srs-pouso-alegre-distribui-4-940-doses-de-vacinas-pediatricas-anticovid-19-para-municipios

No sábado (15/1), a Rede de Frio da Superintendência Regional de Saúde (SRS) Pouso Alegre recebeu 4.940 doses da vacina Pfizer pediátrica anticovid destinadas ao público infantil de 5 a 11 anos. Os imunizantes foram distribuídos aos 53 municípios da área de abrangência da SRS nos dias 17 e 18, segunda e terça-feira.

Divulgação

O coordenador em Assistência Farmacêutica da SRS, Lucas Botazini Carlos, ressaltou a importância desse tema. “No cenário atual, onde ocorre uma pandemia causada pelo coronavírus, uma vacina eficaz e segura é reconhecida como solução em potencial para o controle da pandemia, aliada à manutenção e fortalecimento das medidas de prevenção já estabelecidas.”

“Dessa forma, com a aprovação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) da vacina Comirnaty/Pfizer para imunização contra covid-19 em crianças de 5 a 11 anos de idade, o combate à pandemia e contra a disseminação do vírus amplia-se ainda mais. Os resultados mostraram que o imunizante evita quadros graves e óbitos de crianças pela doença e diminui também o desenvolvimento de sintomas. Além disso, traz um benefício secundário importante, que é a manutenção da frequência escolar com maior segurança, minimizando impacto no aprendizado”, concluiu Lucas.

No que tange aos grupos prioritários, de acordo com Josianne Gusmão, coordenadora de Imunização da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) , neste primeiro momento, com o escalonamento das entregas da vacina, a vacinação infantil vai seguir uma ordem de priorização.

A ordem de vacinação precisa ser organizada pelas equipes de saúde municipais, sendo elencadas como as primeiras crianças a serem vacinadas aquelas com deficiência permanente ou com comorbidades.

Segundo dados da Fundação João Pinheiro, a estimativa é que haja um total de 1,8 milhão de crianças em Minas Gerais nessa faixa etária.

“É importante enfatizar que a imunização completa é por meio da aplicação de duas doses da vacina com o intervalo entre a primeira dose (D1) e a segunda dose (D2) de oito semanas”, complementa a coordenadora.

 
]]>
Banco de notícias Wed, 19 Jan 2022 14:46:25 +0000
Parceria entre Estado, Apae-BH e Contagem faz a diferença no atendimento a pessoas ostomizadas https://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/16238-parceria-entre-estado-apae-bh-e-contagem-faz-a-diferenca-no-atendimento-a-pessoas-ostomizadas https://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/16238-parceria-entre-estado-apae-bh-e-contagem-faz-a-diferenca-no-atendimento-a-pessoas-ostomizadas

A população da microrregião composta pelos municípios de Contagem, Ibirité e Sarzedo, na região central de Minas Gerais, possui atendimento multidisciplinar no cuidado com pessoas ostomizadas no Centro Especializado em Reabilitação tipo IV (CER IV Contagem/Apae-BH), localizado no bairro Europa, na Regional Sede, em Contagem.

Divulgação

Com fornecimento de bolsas de ostomia pela Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG), o atendimento é de “porta aberta”, ou seja, ocorre pelo encaminhamento do hospital ou centro de saúde. A gestora do CER IV, Daniela Teodoro, destaca a percepção ampla do atendimento. “Não é apenas entregar a bolsa de ostomia. Temos médica proctologista, dois enfermeiros, nutricionista, psicólogo. O atendimento aqui é de 40 minutos, em média, por pessoa. Envolvemos a família, o que é um diferencial muito grande”, salienta. Nos três anos de funcionamento do Centro, 1.117 usuários ostomizados receberam bolsas e adjuvantes, e foram entregues 104 mil dispositivos para essas pessoas.

A enfermeira do CER IV, Josi Roberta Las Casas, explica a integralidade e multidisciplinariedade do acolhimento. “Atendemos desde bebê até idosos. Recebemos e escutamos o paciente. Fazemos a escuta, a avaliação de enfermagem. Avaliamos o estômago, vemos qual a melhor bolsinha. Capacitamos o usuário para fazer esse autocuidado, orientar a respeito possíveis complicações.” Ações com objetivo de integração social e troca de experiências são estimuladas no CER IV, segundo a enfermeira. “Temos grupos orientados e o paciente vê que tem alguém que passa pela mesma coisa que ele. No grupo tem pacientes que fazem uso definitivo há mais tempo, temporários. Há uma troca de experiências rica. O paciente vê que é capaz de superar.”

A relevância do atendimento à pessoa ostomizada é exemplificada pela diretora de Atenção Especializada da Secretaria Municipal de Saúde de Contagem, Júlia Diniz Baptista, na conquista do prêmio do “Plano Viver Sem Limites”, do Ministério da Saúde. “Era uma exigência do edital o serviço à pessoa ostomizada. O requisito já demonstra o quão relevante é o atendimento.”

A assessora da Atenção Primária à Saúde (APS) da Superintendência Regional de Saúde (SRS) de Belo Horizonte, Mariana Dayrell, enfatiza a visão de atendimento integral e humanizado. "A APS é a porta de entrada e coordena o cuidado do usuário na rede SUS. O Estado, mais do que fornecer insumos, valoriza e fomenta ter, no SUS, serviço de referência com visão integral do usuário assistido. Isso vem de encontro ao princípio do SUS. Parabenizamos os gestores pela ação de condução da regulação dos seus serviços, valorizando a qualidade assistencial acima de tudo.”

Alguns dos desafios são apontados, como a própria aceitação da bolsa. “A enfermagem não está sozinha. Temos a nutrição com orientações alimentares. Questões psicológicas, autoimagem com a psicóloga e a assistente social para falar sobre direitos. Não é só dispensação. A gente capacita o paciente para o uso, tira dúvidas, insere à sociedade. ‘Posso ir à praia? Fazer atividade física?’ Conversamos em grupo. Sempre converso para saber a abordagem, o contexto”, explica a enfermeira Josi Roberta Las Casas. A acessibilidade é outro desafio apontado pela profissional da saúde. “Falta acessibilidade para o ostomizado. O banheiro ter um local apropriado, uma buchinha para limpar a bolsa. O ostomizado é deficiente físico. A vida social acaba prejudicada”, pondera.

Ostomia

Segundo o Portal Coloproctologia da Sociedade Brasileira de Coloproctologia, a ostomia é uma comunicação confeccionada, na maioria das vezes, por meio de procedimento cirúrgico entre um órgão e a superfície cutânea. Há vários tipos de ostomias e recebem o nome conforme o órgão que participa deste tipo de derivação (desvio). A pessoa ostomizada é, portanto, considerada pessoa com deficiência física que pode ser permanente ou temporária. De acordo com Josi Roberta Las casas, as causas são diversas podendo ocorrer, por exemplo, por meio de ingestão de espinhos de peixe, agulhas com perfuração no sistema digestivo. “A ostomia é uma cirurgia para construção de um novo trajeto para saída das fezes ou da urina. Essa intervenção cirúrgica pode ser usada para criar uma abertura de eliminação das fezes, chama de ostomia digestiva, ou da urina, conhecida como ostomia urinária”, explica a enfermeira.

 
]]>
Banco de notícias Wed, 19 Jan 2022 14:45:27 +0000
Regional de Januária alinha ações de prevenção e tratamento voltadas para a Saúde Mental https://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/16237-regional-de-januaria-alinha-acoes-de-prevencao-e-tratamento-voltadas-para-a-saude-mental https://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/16237-regional-de-januaria-alinha-acoes-de-prevencao-e-tratamento-voltadas-para-a-saude-mental

A Gerência Regional de Saúde (GRS) de Januária, no intuito de alinhar questões relacionadas a rede de assistência à Saúde Mental nas esferas municipal, regional, estadual e nacional, reuniu-se com os coordenadores do Centro de Atenção Psicossocial (Caps), no dia 6 de janeiro.

Divulgação

A reunião teve como objetivo discutir e alinhar diversas temáticas relacionadas à saúde mental e os encaminhamentos necessários, tendo como pauta: a pandemia de covid-19; o impacto nos serviços da Rede de Atenção Psicossocial (Raps); recursos estaduais creditados no ano de 2021; supervisão clínico institucional; visita técnica de monitoramento do serviço; informações sobre equipe multiprofissional covid-19 (resolução SES/MG nº 7.303, de 18 de novembro de 2020); e as ações para o Janeiro Branco.

Neste momento de pandemia, quando viu-se aflorar na população sentimentos como medo, angústia, estresse e sofrimento pelas perdas familiares ou por incertezas quanto ao futuro, o cuidado com a saúde mental, deve ser realizado de forma contínua e ampliada. Para oferecer, com êxito, atenção e tratamento aos indivíduos que apresentem qualquer grau de sofrimento e conflitos intensos, é preciso levar em consideração as vulnerabilidades e o contexto socioeconômico no qual o paciente está inserido.

Nesse sentido, verifica-se a necessidade do acompanhamento junto aos profissionais do registro de casos de situação de sofrimento mental em decorrência da pandemia, e as ações de atenção e cuidado psicossocial direcionadas ao acolhimento.

Durante o evento foram abordadas as estratégias e atendimentos que estão sendo utilizados para o acolhimento e continuidade do cuidado aos pacientes com transtorno mental e/ou que fazem uso prejudicial de álcool e outras drogas, sendo verificado se o serviço está conseguindo realizar as visitas domiciliares, se as equipes da Atenção Primária à Saúde (APS) têm mantido o acolhimento e continuidade do cuidado aos pacientes e como está a permanência do serviço.

Também foi enfatizada a relevância do “Janeiro Branco”, campanha inspirada no “Outubro Rosa”, que chama atenção para o câncer de mama e outras doenças que acometem, em grande maioria, mulheres. O “Janeiro Branco” surgiu em 2014, por iniciativa de psicólogos de Uberlândia, Minas Gerais, sendo seu objetivo a conscientização da promoção e proteção da Saúde Mental. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), nos últimos anos as doenças mentais tiveram aumento considerável, e esse resultado é motivo de grande preocupação entre os profissionais da saúde.

A coordenadora de Atenção à Saúde (CAS/GRS-Januária), Nayra de Oliveira Duarte, ressaltou que “o início do ano é marcado pelo planejamento das ações para o ano, com isso realizar o alinhamento das demandas pré-existentes e aquelas necessárias de serem programadas favorece a organização dos processos de trabalho e assistência nos Caps”.

 
]]>
Banco de notícias Wed, 19 Jan 2022 14:44:08 +0000
Informe Epidemiológico Coronavírus - 19/01/2022 https://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/16236-informe-epidemiologico-coronavirus-19-01-2022 https://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/16236-informe-epidemiologico-coronavirus-19-01-2022

Até o momento foram 2.410.724 casos confirmados*. Estão em acompanhamento** 135.035 casos e são 2.218.823 casos recuperados***. Estão confirmados 56.866 óbitos**.

* Total de casos confirmados: soma dos casos confirmados, que não evoluíram para óbito e dos óbitos confirmados por covid-19.
** Casos em acompanhamento: casos confirmados de covid-19, que não evoluíram para óbito, cuja condição clínica permanece sendo acompanhada ou aguarda atualização pelos municípios.
* Casos recuperados: casos confirmados de covid-19 que receberam alta hospitalar e/ou cumpriram isolamento domiciliar de 14 dias sem intercorrências.
** Óbitos confirmados: óbitos confirmados para covid-19.

Dados parciais, sujeitos a alterações. Atualizado em 19/01/2022. Fonte: COES MINAS/COVID-19/SES-MG.

Considerando que o Ministério da Saúde classificou todo o país como transmissão comunitária, além da necessidade de qualificar as informações sobre a circulação do coronavírus em Minas Gerais, desde 23/3/2020, o Boletim Informativo Diário Covid-19 publica o detalhamento apenas dos casos confirmados.

Clique aqui e acesse o Boletim Epidemiológico.

]]>
Banco de notícias Wed, 19 Jan 2022 09:55:01 +0000