Notícias https://www.saude.mg.gov.br Mon, 22 Jul 2024 02:33:21 +0000 Joomla! - Open Source Content Management pt-br Governo de Minas vai repassar mais de R$184 milhões para aprimorar prestação de serviços em saúde no estado https://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/20176-governo-de-minas-vai-repassar-mais-de-r-184-milhoes-para-aprimorar-prestacao-de-servicos-em-saude-no-estado https://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/20176-governo-de-minas-vai-repassar-mais-de-r-184-milhoes-para-aprimorar-prestacao-de-servicos-em-saude-no-estado

O Governo de Minas vai repassar, ainda em 2024, mais de R$184 milhões em recursos para fortalecer as políticas públicas voltadas para a saúde e avançar no combate às arboviroses em todo o estado. A pactuação dos valores e da destinação dos repasses ocorreu nesta quarta (17/7), durante a 309ª Reunião Ordinária da Comissão Intergestores Bipartite do Estado de Minas Gerais (CIB-SUS/MG), que conta com a participação de membros da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) e do Conselho de Secretarias Municipais de Saúde de Minas Gerais (Cosems-MG).

Crédito: Carol Souza

A utilização dos Consórcios Intermunicipais de Saúde foi colocada em pauta na reunião como uma estratégia inovadora no enfrentamento à dengue, zika e chikungunya. Serão repassados mais de R$28 milhões para os consórcios com o objetivo de tornar o tempo de resposta mais rápido para as solicitações, com o uso do inseticida a Ultra Baixo Volume (UBV Veicular).

“Com essa estratégia, vamos garantir que cem por cento dos municípios que solicitem o fumacê possam recebê-lo em até um mês após o requerimento. Isso assegura maior rapidez na resposta, sem perder o controle técnico”, explicou o secretário de Estado de Saúde de Minas Gerais, Fábio Baccheretti.

O presidente do Cosems-MG, Edivaldo Faria da Silva Filho, agradeceu o apoio e enfatizou a relação de parceria entre a SES-MG e o Conselho. “A construção das políticas tem sido feita de forma conjunta e transparente. Assim, estamos avançando e ajustando as ações para atender melhor às necessidades dos municípios”, destacou.

Do total de R$184.229.918,00 pactuados durante a reunião, serão feitos os seguintes repasses:

  • R$980.148,00 destinados para a Política de Serviço de Referência Estadual de Integração da Linha de Cuidado da Saúde Auditiva da Rede de Cuidados à Pessoa com Deficiência (RCPD), cujo beneficiário é o Centro Mineiro de Reabilitação Auditiva (Cemear), em Belo Horizonte.
  • R$145 milhões para fortalecer a Política da Atenção Primária à Saúde beneficiando os 853 municípios mineiros.
  • R$10.199,770,00 para complementar a cota da Política de Custeio aos Centros Colaboradores, beneficiando os municípios de Viçosa, Contagem e Jequitinhonha.
  • R$28.050.000,00 para os Consórcios Intermunicipais de Saúde realizarem o combate às arboviroses nas 28 Unidades Regionais de Saúde (URS) do Estado com a utilização do inseticida a Ultra Baixo Volume (UBV veicular).

Durante a reunião foi aprovado o Programa de Apoio Técnico às Ações de Vigilância Sanitária Municipal, via Consórcio Público de Saúde (Programa Visa-CIS). A partir dessa política, será realizada a formação de equipes multidisciplinares nos Consórcios para apoio técnico aos municípios na execução de ações de Vigilância Sanitária. Será possível fixar profissionais de Vigilância Sanitária nos territórios, a partir da constituição de estruturas administrativas no âmbito dos Consórcios, harmonizar as ações e procedimentos por intermédio da regionalização e implementação de sistema de gestão da qualidade, com o fortalecimento da Vigilância nos municípios, bem como no âmbito do Sistema Estadual, por meio de diretrizes, requisitos e normas.

O programa será implementado em toda a área de abrangência das URS, em três modalidades que vão variar conforme o número de municípios vinculados a cada Regional. Serão aplicados mais de R$40 milhões entre despesas de custeio e investimentos, como compra de mobiliários, equipamentos etc.

“São ações que envolvem, por exemplo, coleta para análise de água de hemodiálise. Dessa forma, fica viabilizado acesso a esse tipo de serviço, o que ajuda a superar algumas das dificuldades enfrentadas pelo município quando atua sozinho”, esclareceu Baccheretti.

Outro ponto de destaque da reunião da CIB foi a política do Transporta SUS, com o anúncio da extensão do prazo, até 16/8/2024, para que os municípios e consórcios enviem a documentação necessária para adesão e posterior pactuação na CIB em níveis micro e macrorregional.

Relatório Materno Infantil 2022

Durante a CIB, também foi apresentado o Relatório Materno Infantil de 2022, que apontou para um retorno do patamar da Razão de Morte Materna (RMM) a indicadores anteriores à pandemia da covid-19. Enquanto em 2019 a RMM foi de 45,14 para cada 100 mil nascidos vivos, em 2021 o índice foi para 95,42. Já em 2022, houve recuo para 47,66.

Em relação à mortalidade infantil, a taxa foi de 11,4 por mil nascidos vivos em 2022. O relatório revelou que a maior parte dos óbitos infantis ocorreu na fase neonatal precoce, entre zero e seis dias de vida, indicando a necessidade de maior atenção durante a gravidez e o parto.

Outro dado que chama atenção é a relação entre a escolaridade da mãe e a mortalidade infantil. Crianças de mães sem escolaridade apresentam um risco significativamente maior de óbito. Isso evidencia a importância de políticas sociais voltadas para a educação materna.

O secretário Fábio Baccheretti ressaltou que há uma expectativa na redução desses índices para os anos de 2023 e 2024. “O relatório ainda não teve como avaliar os impactos da abertura de novos leitos de UTI neonatal. Esperamos uma redução desses indicadores e melhorias no acesso à terapia intensiva para os bebês recém-nascidos”.

]]>
Banco de notícias Thu, 18 Jul 2024 15:17:04 +0000
Vigilância Sanitária Estadual alerta para os cuidados com produtos utilizados e comercializados por salões de beleza https://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/20162-vigilancia-sanitaria-estadual-alerta-para-os-cuidados-com-produtos-utilizados-e-comercializados-por-saloes-de-beleza https://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/20162-vigilancia-sanitaria-estadual-alerta-para-os-cuidados-com-produtos-utilizados-e-comercializados-por-saloes-de-beleza

Foto: Carol Souza/SES-MG

Você está insatisfeita com a sua imagem e resolve mudar o visual. Então recebe a indicação de um salão de cabeleireiro, já marca o horário e vai com a expectativa de sair transformada. Mas essa transformação pode se tornar um grande pesadelo. Foi o que aconteceu com a professora aposentada Sirléia Drumond, de 71 anos.

“Quando a cabeleireira começou a me atender, questionei qual era o produto que ela estava passando no meu cabelo. Ela falou que era um hidratante, mas foi um creme para alisar. E por cima desse alisante, ela veio com o formol e tudo mais já misturado para fazer a escova progressiva. O resultado é que saí do salão com muita dor de cabeça e ardência no couro cabeludo. E no dia seguinte, quando fui pentear o cabelo, ele caiu todo” relata.

“Fiquei por um bom tempo usando lenço na cabeça, tampei todos os espelhos da casa e não tinha coragem de sair na rua”, conta ela, que, a partir de então, sempre pede para ver a embalagem do produto que está sendo utilizado. 

Foto: Carol Souza/SES-MG

“A gente tem que ter muito cuidado e verificar o rótulo. Mas descobri que as pessoas pegam embalagens de bons produtos e colocam fórmulas caseiras, que fizeram no fundo do quintal, então é muito importante pesquisar bastante sobre o salão antes de fazer qualquer procedimento”, aconselha.

Para evitar esse tipo de ocorrência, a Vigilância Sanitária (Visa) da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) trabalha também na fiscalização dos salões de beleza no estado.

A coordenadora de Cosméticos e Saneantes da SES-MG, Renata Stehling, explica que as fiscalizações têm o objetivo de verificar, além das condições do estabelecimento, se os produtos utilizados e comercializados naquele lugar estão regularizados e aptos ao consumo.

“São analisados os rótulos dos produtos e verificada a regularidade da empresa fabricante e do registro ou notificação do produto pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa)”, explica.

Foto: Carol Souza/SES-MG

Comercialização de cosméticos

As regras específicas a serem cumpridas, incluem a apresentação de dados nos rótulos, como a indicação do modo correto de uso do produto e as advertências e restrições, além do prazo de validade.

A empresária Mabel Garcia, proprietária de um salão de beleza em Belo Horizonte e de uma marca de produtos para cabelos cacheados e crespos, está atenta ao que define a regulamentação.

“Recebemos de forma recorrente clientes que foram em outro salão para hidratar o cabelo e saíram de lá com os fios quimicamente alisados”, relata.

De acordo com a empresária, para cuidar não só da beleza das clientes, mas também da saúde delas, o processo de desenvolvimento da linha própria para cabelos cacheados e crespos envolveu a definição e ajuste dos ingredientes junto ao fabricante, e também todo o processo de aprovação pela Anvisa.

“Quando comecei no mercado de cabelos naturais, meu foco foi encontrar uma fábrica com condição de entregar um produto de alta performance e qualidade, de acordo com o que buscava, que era saúde e beleza. E o processo seguinte, após os ajustes necessários para o desenvolvimento da linha, foi fazer um laudo com todas as especificidades apresentadas pelo produto para que a Anvisa pudesse validar”, detalha Mabel Garcia.

Foto: Carol Souza/SES-MG

Para respaldar a população quanto à segurança dos produtos, a coordenadora de Cosméticos e Saneantes da SES-MG destaca que a Anvisa disponibiliza em seu portal a consulta de produtos cosméticos, de higiene pessoal e perfumes registrados e regularizados.

A ferramenta de consulta permite a busca pelo nome do produto, CNPJ da empresa e número do processo”, explica Renata Stehling.

O acesso à Consulta de Produtos Cosméticos é feito por meios dos endereços https://consultas.anvisa.gov.br/#/cosmeticos/registrados e https://consultas.anvisa.gov.br/#/cosmeticos/regularizados/.

E se o produto estiver irregular?

Renata Stehling explica que, em caso de irregularidades, as denúncias dos consumidores em relação aos produtos cosméticos, de higiene pessoal e perfumes devem ser feitas pelo Disque-Ouvidoria 162 ou pela internet, no site www.ouvidoriageral.mg.gov.br.

No site da Anvisa, também é possível verificar a listagem dos produtos comprovadamente irregulares: https://consultas.anvisa.gov.br/#/dossie/.

A coordenadora reforça, ainda, que produtos de fabricação caseira ou irregulares não devem ser adquiridos, já que não possuem controle de qualidade nem comprovação de eficácia, podendo causar efeitos indesejáveis.

Foto: Carol Souza/SES-MG

Reações adversas

Ainda de acordo com Renata Stehling, reações adversas em decorrências do uso de cosméticos, produtos de higiene pessoal e perfumes podem variar em gravidade, desde irritações leves na pele até reações alérgicas graves que necessitam de atenção médica imediata.

Ela pontua que nesses casos é preciso fazer o registro junto à Anvisa. “É importante que os consumidores e profissionais de saúde registrem quaisquer reações adversas decorrentes do uso de produtos cosméticos diretamente nos canais oficiais da Anvisa. Essa notificação é fundamental para que a Agência possa tomar as medidas necessárias para garantir a segurança dos produtos disponíveis no mercado brasileiro”, afirma.

Os registros dos relatos de reações adversas à saúde podem ser feitos por meio dos seguintes canais:

Controle de qualidade

A fiscalização de cosméticos, produtos de higiene e perfumes está no escopo de atuação da Vigilância Sanitária do Estado de Minas Gerais, responsável também por verificar a qualidade de medicamentos, saneantes (produtos usados na limpeza e conservação de ambientes) e produtos para saúde disponibilizados no estado, no âmbito do Programa de Monitoramento da Qualidade dos Medicamentos e Congêneres (Progmec).

De acordo com a coordenadora de Pós Comercialização da Diretoria de Vigilância em Medicamentos e Congêneres da SES-MG, Fernanda de Oliveira, o programa é um efetivo instrumento para verificação da qualidade dos produtos sujeitos a controle sanitário pós-comercialização, ou seja, quando já estão disponíveis ao consumidor e não sofrerão mais nenhum processo pelo fabricante.

“O Progmec é pioneiro no país e se tornou referência nacional, sendo o maior programa de monitoramento pós comércio do Brasil”, destaca Fernanda de Oliveira.

“Um exemplo da importância desse monitoramento foram as análises de álcool líquido e gel 70% durante a pandemia de covid-19, uma vez que houve um aumento significativo do uso desses produtos pela população”, aponta.

O Programa de Monitoramento da Qualidade foi desenvolvido em parceria com Núcleos de Vigilância Sanitária (Nuvisa) das Unidades Regionais de Saúde (URS), vigilância sanitária dos municípios, Fundação Ezequiel Dias (Funed) e Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Com base nos fluxos do Progmec, as Vigilâncias Sanitárias estadual e municipais realizam coletas de produtos pré-selecionados em estabelecimentos aleatórios nos municípios mineiros, que depois serão encaminhadas para a realização de análise fiscal na Funed.

Após a análise fiscal, o resultado do laudo emitido é compartilhado com a empresa fabricante do produto, com o estabelecimento em que a coleta foi feita, com a Anvisa e, nos casos de fabricantes localizados em outros estados, com a respectiva vigilância sanitária estadual.

Para os laudos insatisfatórios, as ações sanitárias implementadas pelo Sistema Nacional de Vigilância Sanitária (SNVS), nos níveis municipal, estadual e federal, dependerão do risco sanitário inerente ao desvio que levou ao resultado.

Segundo Fernanda de Oliveira, com base no risco sanitário, podem ser adotadas ações como a interdição cautelar e recolhimento do produto, retirando do mercado aqueles com potencial risco de causar agravos à saúde. 

“Esse gerenciamento de risco é feito pela Vigilância Sanitária Estadual, substanciada pela Anvisa. Nos casos em que seja necessário interditar o uso de determinado produto, essa interdição é publicada no Diário Oficial do Estado de Minas Gerais”, informa ela. 

Após a finalização de todas as coletas e as análises, é elaborado um relatório anual constando os dados do programa, como o número de amostras pactuado e coletado e os respectivos resultados encontrados.

Em 2022, foram coletadas 129 amostras de produtos e, em 2023, um total de 177.

]]>
Banco de notícias Sun, 14 Jul 2024 10:21:00 +0000
Vacinação infantil: vamos proteger o futuro https://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/20150-vacinacao-infantil-vamos-proteger-o-futuro https://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/20150-vacinacao-infantil-vamos-proteger-o-futuro

“Peguei sarampo quando era criança. Na minha casa, éramos oito filhos e cinco tiveram a doença. Tivemos febre alta, falta de apetite e passamos um aperto muito grande, já que não existia vacina naquela época”, conta Ana Dalva de Almeida Corrêa, de 70 anos.

Crédito: Ricardo Maciel

A costureira Pautila Belmira Caetano, de 85 anos, também se lembra da experiência da sua família com o sarampo. “Meus cinco filhos tiveram sarampo e ficaram mal, com muita febre, olhos vermelhos e muita disenteria. Hoje nem ouvimos falar porque tem vacina disponível para todo mundo”, comemora.

Minas Gerais não registra casos autóctones (com transmissão no território) de sarampo desde o ano de 2020, quando 22 casos foram confirmados. A imunização em massa também foi fundamental para o Brasil zerar o registro de casos de outras doenças de impacto na saúde pública, como a varíola, erradicada no país em 1973, e a poliomielite, eliminada em 1994.

Para evitar a volta dessas doenças, é fundamental ampliar o acesso à vacinação durante todo o ano e alcançar a meta de cobertura vacinal de 95%, preconizada pelo Programa Nacional de Imunizações (PNI), de forma homogênea nos municípios mineiros.

Por isso, o Governo de Minas, por meio da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG), trabalha continuamente para aumentar e diversificar as oportunidades de acesso às vacinas do calendário de rotina, que protegem contra doenças que preocupam pelo potencial de transmissibilidade de pessoa a pessoa.

“Com o Programa Vacina Mais, Minas, estamos atuando em duas frentes. A primeira estratégia é o incentivo à vacinação extramuros. Já investimos, desde 2023, R$165 milhões para que os municípios realizem a vacinação fora das salas de vacina, como no ambiente escolar, e, assim, aumentem a cobertura vacinal”, destaca o subsecretário de Vigilância em Saúde da SES-MG, Eduardo Prosdocimi.

Segundo ele, a segunda linha de ação dentro do programa são os vacimóveis, veículos equipados para funcionar como unidades itinerantes de vacinação. Com investimentos de mais de R$100 milhões do Governo de Minas, 77 municípios mineiros foram contemplados e receberam recursos para aquisição do veículo. Os demais municípios do estado serão atendidos por meio de 51 Consórcios Intermunicipais de Saúde.

“As vacinas de rotina estão disponíveis em todas as Unidades Básicas de Saúde (UBS), que costumam funcionar de segunda a sexta-feira. Mas sabemos que muitos responsáveis trabalham nesse mesmo período, o que torna inviável levar as crianças para vacinar”, pontua.

“Por isso, é tão importante contarmos com o vacimóvel em locais como praças e rodoviárias, onde realmente a população circula. Os veículos já foram adquiridos, estão em fase de adaptação pela montadora e logo estarão rodando”, detalha.

Alerta

Entre janeiro e julho de 2024, foram registrados, em Minas, 144 casos de catapora (varicela) e um óbito entre crianças menores de 10 anos. Em 2023 não houve registro de óbito nesse mesmo grupo etário, mas foram 587 casos da doença.

Quanto à meningite, foram 100 casos e 11 óbitos de janeiro a julho de 2024, entre os menores de 10 anos.

A médica infectologista do Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde de Minas Gerais (Cievs Minas), Daniela Caldas, explica que a vacinação segue sendo a estratégia mais eficaz para o controle dessas e de outras doenças.

“Identificar rapidamente um caso confirmado de doença infecciosa, fazer o tratamento adequado e isolar o paciente quando necessário também ajuda no controle da transmissão do vírus, mas até essa confirmação acontecer, outras pessoas já foram expostas àquela doença. Por isso, a imunização é primordial. Ou seja, mesmo que a pessoa seja exposta ao vírus, se ela estiver adequadamente vacinada, não vai adoecer, ou ainda, não de forma mais grave”, ressalta.

Daniela Caldas pontua que a atenção dos responsáveis com a caderneta de vacinas da criança precisa se manter inclusive após a primeira infância.

“Orientamos que pais, mães e responsáveis busquem a Unidade Básica de Saúde mais próxima, para que um profissional possa avaliar a caderneta de vacinas da criança e administrar as doses oportunas e necessárias”, recomenda.

A médica infectologista comenta ainda que a dose de reforço é importante para a proteção da criança, conforme esquema previsto para alguns imunizantes no calendário nacional de rotina.

“É muito importante garantir que as crianças tenham o esquema vacinal completo, inclusive respeitando os prazos indicados para cada dose de reforço. Isso ajuda a aumentar a imunidade e otimizar a resposta imunológica dos pequenos”, explica a Daniela Caldas.

Davi Lucas Alcântara, de 11 anos, morador do município de Couto de Magalhães de Minas, no Vale do Jequitinhonha, já sabe: "A picadinha da vacina é uma picadinha de amor, não tem por que ter medo", diz ele, que foi até a Unidades Básica de Saúde se vacinar contra a influenza.

A coordenadora de Imunização de Couto de Magalhães de Minas, Bárbara Maria Freitas Gomes, destaca que o pequeno município atingiu a meta da cobertura vacinal em grande parte das vacinas do PNI. Para ela, o resultado obtido na vacinação do público infantil é reflexo do comprometimento da equipe na busca ativa, bem como do trabalho de comunicação e mobilização social na sensibilização da população.

“Graças a Deus estamos com uma cobertura bem elevada, conquistada por meio das nossas buscas com carros de som nas ruas, nas redes sociais e pelas agentes de saúde. Vacinar é um ato de amor e de cura”, declara.

A mãe do pequeno Davi, Linamara Alcântara, ressalta a responsabilidade e o compromisso que tem com a saúde dos filhos, mantendo as cadernetas sempre atualizadas.

"Tenho três filhos e os cartões de vacina deles estão todos em dia. Hoje vim trazer o Davi para tomar a vacina da gripe. A vacina é muito importante e salva vidas", conclui.

Confira o Calendário Nacional de Vacinação da Criança.

Mobilização

O município de Passos, no sudoeste de Minas, já se mobiliza para promover a vacinação em praças, creches, escolas e empresas. A coordenadora de Vigilância Epidemiológica da Regional de Saúde de Passos, Paula Fabiana Tavares, explica que, além de facilitar o acesso às vacinas, as equipes de saúde também estão focadas em conscientizar a população sobre a importância da vacinação.

“Precisamos sensibilizar pais, responsáveis, adultos e idosos sobre a importância de se imunizar contra doenças que são preveníveis”, afirma.

Na Unidade Básica de Saúde (UBS) Compartilhada da Estratégia de Saúde da Família Coimbras I e Coimbras II, no Jardim Califórnia, a enfermeira Marcela de Ávila Bueno atua como vacinadora há seis anos. Ela reforça a importância da mobilização e comunicação para que os pais entendam a segurança e eficácia das vacinas de rotina.

“Essas vacinas protegem contra doenças que podem deixar sérias sequelas nas crianças e até causar morte, como a poliomielite, catapora e meningites. Então, venham, tragam as crianças aqui, com toda segurança e dedicação de todos nós”, convoca.

Mãe de dois filhos, uma jovem de 23 anos e um menino de dez, a enfermeira Míriam Lemos de Oliveira conta que sempre foi muito rigorosa com a vacinação deles, mesmo antes de trabalhar na área da saúde. Na última semana, Míriam levou o pequeno David para tomar uma dose da vacina contra a dengue, mas o seu cartão de vacinas está em dia com a vacinação de rotina.

“Eu sempre tive o comprometimento com o cartão vacinal, assim como a minha mãe também sempre me vacinou. Ela me falava muito, por exemplo, da poliomielite, das sequelas da doença, por causa daquelas mães que não levavam as crianças para se vacinarem. Então, eu sempre tive isso em mente”, finaliza.

 

]]>
Banco de notícias Fri, 12 Jul 2024 08:33:37 +0000
Governo de Minas amplia número de tomografias computadorizadas realizadas no estado https://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/20143-governo-de-minas-amplia-numero-de-tomografias-computadorizadas-realizadas-no-estado https://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/20143-governo-de-minas-amplia-numero-de-tomografias-computadorizadas-realizadas-no-estado

Governo de Minas está trabalhando para ampliar e fortalecer as ações assistenciais de saúde no estado. Por meio da Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG) foram investidos cerca de R$ 160 milhões para adquirir 104 tomógrafos para instituições e unidades de saúde mineiras. Até o momento, 84 instituições adquiriram o equipamento e 59 destes já estão em funcionamento.

Nesta quinta-feira (11/7), o vice-governador de Minas Gerais, Professor Mateus, participou de ação na Santa Casa BH que celebra a realização de 3 mil exames de tomografia computadorizada no equipamento adquirido em março de 2024, com recurso repassado pela SES-MG, no valor de R$ 1,5 milhão.

Foto: Dirceu Aurélio/Imprensa MG

De acordo com o vice-governador, o investimento em tecnologia na saúde feito em Minas, como é o caso da aquisição de equipamentos de tomografia computadorizada, colabora para o aumento da velocidade no diagnóstico, agilidade e qualidade do atendimento médico para a população .

"Tomógrafos como este da Santa Casa de Belo Horizonte mudam a nossa condição de assistência, seja em hospitais que já têm o serviço de tomografia e que ganham velocidade e qualidade na realização dos exames, ampliando a sua capacidade de atendimento, seja na cobertura de vazios assistenciais", explicou Professor Mateus.

Aumento nos exames

A Santa Casa de Belo Horizonte foi uma das instituições contempladas por meio da Resolução SES/MG nº 7.874, de 22/11/2021, que dispõe sobre o repasse de recursos destinados à aquisição de equipamentos para exames de tomografia computadorizada no âmbito da Política de Atenção Hospitalar de Minas Gerais, o Valora Minas.

Houve aumento expressivo no número de exames realizados desde março e a instituição espera que cerca de 1,3 mil tomografias sejam feitas, mensalmente, com o novo equipamento, o que vai reduzir o tempo de espera e permitir um diagnóstico mais rápido.

Para o provedor da Santa Casa de Belo Horizonte, Roberto Otto Augusto de Lima, o novo equipamento quase que dobrou a velocidade de realização de exames de imagens do hospital melhorando assim o diagnóstico e diminuindo o tempo de internação dos pacientes.

“Nós estamos conseguindo fazer 85% dos exames de tomografia em menos de 24 horas do pedido. Isso significa maior acesso à população, aos leitos da Santa Casa, porque a gente consegue girar os leitos de forma mais rápida” contou.

O secretário de Estado de Saúde, Fábio Baccheretti, reconheceu o papel da Santa Casa na saúde de Minas Gerais e destacou a importância do tomógrafo para tratamentos em que o hospital é referência.

“Um tomógrafo para a Santa Casa vale muito. É aqui que se faz a maior parte dos transplantes do estado, é aqui que se faz o maior número de cirurgias e neurocirurgias, e é aqui que se faz as maiores cirurgias cardíacas do estado. Este hospital é muito nobre, por isso o nosso papel como gestores é que o nosso recurso chegue onde, de fato, vai fazer a diferença” disse.

Investimentos na Santa Casa de BH

Além de atender pacientes de Belo Horizonte e região, o hospital recebe transferências de todo o estado. Para fortalecer sua atuação, o Governo de Minas repassou para a instituição, desde novembro de 2021, mais de R$ 127,9 milhões referentes ao módulo Valor em Saúde, da Política Valora Minas.

Durante a pandemia de covid-19, também foram doados ao hospital cerca de R$ 4 milhões em equipamentos.

Além disso, o Governo de Minas repassou ao município de Belo Horizonte um total de R$ 4,8 milhões desde outubro de 2023, para quitação da dívida do Pro-Hosp (extinto programa de fortalecimento de hospitais prestadores de serviços ao SUS em Minas Gerais) com a Santa Casa BH.

Governo de Minas está trabalhando para ampliar e fortalecer as ações assistenciais de saúde no estado. Por meio da Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG) foram investidos cerca de R$ 160 milhões para adquirir 104 tomógrafos para instituições e unidades de saúde mineiras. Até o momento, 84 instituições adquiriram o equipamento e 59 destes já estão em funcionamento.

Nesta quinta-feira (11/7), o vice-governador de Minas Gerais, Professor Mateus, participou de ação na Santa Casa BH que celebra a realização de 3 mil exames de tomografia computadorizada no equipamento adquirido em março de 2024, com recurso repassado pela SES-MG, no valor de R$ 1,5 milhão.

De acordo com o vice-governador, o investimento em tecnologia na saúde feito em Minas, como é o caso da aquisição de equipamentos de tomografia computadorizada, colabora para o aumento da velocidade no diagnóstico, agilidade e qualidade do atendimento médico para a população . 
 

 

"Tomógrafos como este da Santa Casa de Belo Horizonte mudam a nossa condição de assistência, seja em hospitais que já têm o serviço de tomografia e que ganham velocidade e qualidade na realização dos exames, ampliando a sua capacidade de atendimento, seja na cobertura de vazios assistenciais", explicou Professor Mateus. 

 
   
   


Aumento nos exames

A Santa Casa de Belo Horizonte foi uma das instituições contempladas por meio da Resolução SES/MG nº 7.874, de 22/11/2021, que dispõe sobre o repasse de recursos destinados à aquisição de equipamentos para exames de tomografia computadorizada no âmbito da Política de Atenção Hospitalar de Minas Gerais, o Valora Minas.

Houve aumento expressivo no número de exames realizados desde março e a instituição espera que cerca de 1,3 mil tomografias sejam feitas, mensalmente, com o novo equipamento, o que vai reduzir o tempo de espera e permitir um diagnóstico mais rápido.

Para o provedor da Santa Casa de Belo Horizonte, Roberto Otto Augusto de Lima, o novo equipamento quase que dobrou a velocidade de realização de exames de imagens do hospital melhorando assim o diagnóstico e diminuindo o tempo de internação dos pacientes.

“Nós estamos conseguindo fazer 85% dos exames de tomografia em menos de 24 horas do pedido. Isso significa maior acesso à população, aos leitos da Santa Casa, porque a gente consegue girar os leitos de forma mais rápida” contou.

O secretário de Estado de Saúde, Fábio Baccheretti, reconheceu o papel da Santa Casa na saúde de Minas Gerais e destacou a importância do tomógrafo para tratamentos em que o hospital é referência.

“Um tomógrafo para a Santa Casa vale muito. É aqui que se faz a maior parte dos transplantes do estado, é aqui que se faz o maior número de cirurgias e neurocirurgias, e é aqui que se faz as maiores cirurgias cardíacas do estado. Este hospital é muito nobre, por isso o nosso papel como gestores é que o nosso recurso chegue onde, de fato, vai fazer a diferença” disse.

Investimentos na Santa Casa de BH

Além de atender pacientes de Belo Horizonte e região, o hospital recebe transferências de todo o estado. Para fortalecer sua atuação, o Governo de Minas repassou para a instituição, desde novembro de 2021, mais de R$ 127,9 milhões referentes ao módulo Valor em Saúde, da Política Valora Minas.

Durante a pandemia de covid-19, também foram doados ao hospital cerca de R$ 4 milhões em equipamentos.

Além disso, o Governo de Minas repassou ao município de Belo Horizonte um total de R$ 4,8 milhões desde outubro de 2023, para quitação da dívida do Pro-Hosp (extinto programa de fortalecimento de hospitais prestadores de serviços ao SUS em Minas Gerais) com a Santa Casa BH.

]]>
Banco de notícias Thu, 11 Jul 2024 14:35:03 +0000
Norte de Minas inicia a elaboração do Plano de Ação Regional do Programa Mais Acesso a Especialistas https://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/20180-norte-de-minas-inicia-a-elaboracao-do-plano-de-acao-regional-do-programa-mais-acesso-a-especialistas https://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/20180-norte-de-minas-inicia-a-elaboracao-do-plano-de-acao-regional-do-programa-mais-acesso-a-especialistas

Com a participação de gestores de 86 municípios que compõem a macrorregião de Saúde Norte, a Superintendência Regional de Saúde (SRS) de Montes Claros e as Gerências Regionais de Saúde (GRS) de Januária e Pirapora realizaram, nesta sexta-feira (19/7), uma reunião preparatória para a elaboração do Plano de Ação Regional (PAR) do Programa Mais Acesso a Especialistas (PMAE). O programa foi instituído pelo Ministério da Saúde (MS) por meio da Portaria 3.492, publicada no dia 8 de abril deste ano.

Entre os objetivos do PMAE está a ampliação e agilização do acesso da população a consultas e exames especializados; a elevação do grau da integralidade do cuidado; a integração dos serviços especializados com a atenção primária à saúde e o aprimoramento da governança da Rede de Assistência à Saúde (RAS).

19.07.2024-Programa Mais Acesso 1-Pedro Ricardo

Nesta etapa inicial o PMAE terá como foco a agilização dos atendimentos de demandas de saúde da população nas áreas de ortopedia, cardiologia, oncologia, otorrinolaringologia e oftalmologia.

“O Programa Mais Acesso a Especialistas chega num momento importante pois o atendimento da população nos serviços especializados constitui um dos principais gargalos enfrentados pelos gestores de saúde. A elaboração do Plano de Ação Regional, voltado especificamente para a melhoria do acesso da população a serviços médicos especializados, se torna uma oportunidade importante para o fortalecimento da rede de assistência à saúde no Norte de Minas”, destacou a superintendente regional de Saúde de Montes Claros, Dhyeime Thauanne Pereira Marques, na abertura da reunião.

A secretária municipal de Saúde de Montes Claros e presidente regional do Conselho de Secretarias Municipais de Saúde de Minas Gerais (Cosems), Dulce Pimenta, reforçou que o Programa Mais Acesso possibilita aos municípios o preenchimento de um vazio nos serviços de atenção primária e especializada. A elaboração do Plano de Ação Regional e, posteriormente, o aprimoramento das ações a serem implementadas na região possibilitarão aos municípios melhorar o acesso e a integralidade dos serviços prestados à população”, prevê a secretária.

19.07.2024-Programa Mais Acesso 2-Pedro Ricardo

Etapas
Entre os dias 22 e 26 de julho as unidades regionais da SES-MG no Norte de Minas realizarão reuniões microrregionais com os gestores municipais para o detalhamento de propostas para elaboração do Plano de Ação Regional. No dia 2 de agosto o Plano será submetido a pactuação em reunião da Comissão Intergestores Bipartite do Sistema Único de Saúde (CIB-SUS).

João Alves Pereira, coordenador de Redes de Atenção à Saúde na SRS Montes Claros, explica que a adesão dos municípios ao PMAE é individual. “Ao aderir, o município assume o compromisso de disponibilizar a sua rede de serviços, quando couber, para as localidades que compõem a sua região de saúde”.

No Plano de Ação Regional os gestores deverão incluir a descrição da Rede de Assistência à Saúde e as prioridades que serão enfrentadas, entre elas as condições crônicas de saúde que exigem acompanhamento longitudinal ou agravos específicos de rápida solução. Além disso, deverão ser inseridas no Plano o elenco das Ofertas de Cuidados Integrados (OCIs) de acordo com os maiores problemas de acesso da população a serviços especializados e filas prioritárias existentes na região.

Incentivo
Durante a reunião desta sexta-feira, Mariana Machado, coordenadora de Redes de Atenção à Saúde na GRS de Pirapora, explicou que, para viabilizar a implementação do eixo gestão dos serviços de atenção especializada, a Portaria 3.492 define que as regiões de saúde deverão criar Núcleos de Gestão do Cuidado com equipes multiprofissionais.

Entre outras atribuições, os núcleos deverão acompanhar e fazer a gestão da conclusão das ofertas de cuidados integrados no tempo recomendado, com o máximo de qualidade e buscando assegurar a transição do cuidado aos serviços de atenção primária. Além disso, os núcleos deverão fazer a gestão das filas de pacientes e promover a corresponsabilização dos profissionais pela ampliação do acesso e cogestão dos tempos e filas de espera.

Para execução das ações e estratégias do Plano de Ação Regional, como contratação e capacitação de pessoal e implantação do Núcleo de Gestão do Cuidado, o Ministério da Saúde repassará incentivo financeiro às regiões de saúde com base no seguinte critério: R$ 1,2 milhão para os planos de ação regional com abrangência de mais de um milhão de habitantes; R$ 600 mil para regiões com mais de 500 mil pessoas e R$ 360 mil para regiões com menos de 500 mil habitantes.

O programa
O PMAE é uma estratégia da Política Nacional de Atenção Especializada em Saúde (PNAES) e tem como foco tornar o acesso de usuários do SUS às consultas e a exames especializados o mais rápido possível e com menos burocracia, a partir do encaminhamento realizado pelas equipes de atenção primária.

A proposta é que, quando uma pessoa precisar de mais de uma consulta ou exame especializado, não será colocada em várias filas para atendimento. O paciente será encaminhado a um serviço de saúde que atenda todas as demandas, ou a maioria das consultas e exames.

As secretarias municipais de saúde serão as responsáveis por supervisionar o serviço para garantir que tudo seja realizado em, no máximo, entre 30 e 60 dias, a depender da situação do paciente, que ao ser incluído numa única fila terá agendamento específico e garantia de retorno para o serviço de atenção primária que acompanha o caso.

Dentro do Programa Mais Acesso a Especialistas o serviço de telessaúde se constituirá ferramenta estratégica para a ampliação do atendimento especializado, por possibilitar a oferta de consultas com especialistas e determinados exames.

Minas Gerais
Em nota informativa enviada em junho às unidades regionais e municípios, a Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) observa que a atenção ambulatorial do estado vem sendo consolidada, em especial, “pela política dos Centros Estaduais de Atenção Especializada (CEAEs) e pela política que define as diretrizes, parâmetros, regras de financiamento, monitoramento para estruturação dos serviços especializados ambulatoriais e fomento às linhas de cuidado prioritárias com a ampliação da média complexidade”.

Por outro lado, continua a nota da SES-MG, “a estruturação da atenção especializada em linhas temáticas específicas também vem sendo consolidada pelo fortalecimento das redes temáticas, como exemplos a Rede de Cuidados à Saúde da Pessoa com Deficiência; a Rede de Atenção Psicossocial; a Rede de Atenção à Saúde Bucal, dentre outras. A expectativa do grupo condutor da Política Nacional de Atenção Especializada em Saúde (PNAES) é que o Programa Mais Acesso a Especialistas venha fortalecer e qualificar as políticas e ações estaduais existentes e que não seja uma política conflitante, concorrente, que desestruture ou enfraqueça os êxitos já alcançados pelos territórios”, pontua a SES-MG.

]]>
Banco de notícias Fri, 19 Jul 2024 16:19:41 +0000
Proagri Saúde incentiva o fortalecimento da agricultura familiar nos municípios da Regional de Saúde de Belo Horizonte https://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/20179-proagri-saude-incentiva-o-fortalecimento-da-agricultura-familiar-nos-municipios-da-regional-de-saude-de-belo-horizonte https://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/20179-proagri-saude-incentiva-o-fortalecimento-da-agricultura-familiar-nos-municipios-da-regional-de-saude-de-belo-horizonte

Hortaliças, quitandas e doces são produtos deliciosos e de origem de pequenos produtores mineiros. Vendidos em várias feiras pelo país, estes produtos, assim como seus produtores, merecem uma atenção especial e incentivo para realizarem o seu trabalho.

Com este propósito, a Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG), com a atuação da Superintendência Regional de Saúde de Belo Horizonte (SRS-BH), desde o final de junho e início de julho, começou uma série de capacitações para fortalecer a agricultura familiar e incentivar a inclusão produtiva.

Por meio do Projeto de Integração das Ações de Vigilância em Saúde para Agricultura Familiar (Proagri Saúde), 34 municípios, incluindo os que compõem a região metropolitana de Belo Horizonte, participam de uma série de capacitações para estimular a qualificação profissional no campo e consequentemente promover a alimentação saudável.

No auditório do Ministério da Saúde, representantes de diversos municípios foram apresentados ao Proagri Saúde

O Proagri Saúde tem como objetivo fortalecer as ações estratégicas de Vigilância em Saúde, no contexto da agricultura familiar, visando o desenvolvimento, o crescimento e a qualidade de vida dos pequenos produtores e agricultores mineiros dos municípios participantes.

O projeto envolve o repasse de incentivo financeiro para a execução de ações integradas de Vigilância em Saúde, voltadas para o fortalecimento da agricultura familiar. Ele também possui foco na regularização sanitária dessas atividades e nas ações de promoção à saúde para o desenvolvimento e crescimento deste tipo de agricultura.

Para a coordenadora do Núcleo de Vigilância Sanitária da SRS-BH, Michele Cássia Lima dos Santos, o Proagri Saúde é um programa de grande relevância porque dá visibilidade aos pequenos produtores, permitindo que eles sejam inseridos no mercado formal.

Profissionais de Vigilância Sanitária e da Emater-MG participaram da Oficina de Capacitação em Ações de Inclusão Produtiva

“Minas Gerais é o segundo estado com maior número de agricultores familiares do país e os alimentos produzidos por eles estão diariamente nas nossas mesas. A Vigilância Sanitária tem um papel importantíssimo nesse processo, realizando um trabalho educativo, visando a regulamentação desses empreendimentos.”, afirmou Michele.

Também é importante destacar que o Proagri Saúde é o primeiro projeto que estende as ações de agricultura familiar para dentro da Vigilância em Saúde.

Para sua execução, as atividades envolvem as diferentes áreas da Vigilância, proporcionando uma maior integração entre elas e também entre as esferas municipal e estadual.

A legislação e habilitação sanitária para empreendimentos familiares rurais de pequeno porte é um dos assuntos do Proagri Saúde

Dentro da Vigilância em Saúde estão incluídas as áreas de Vigilância Sanitária, Vigilância Epidemiológica, Vigilância do Trabalhador, Vigilância de Doenças Transmissíveis Agudas, Vigilância das Zoonoses, Vigilância em Saúde Ambiental, além da Vigilância em Alimentos e Nutricional.

Entre outras regiões do estado, as cidades que compõem a Regional de Saúde de Belo Horizonte e que aderiram ao projeto são: Belo Vale, Betim, Bonfim, Caeté, Confins, Contagem, Crucilândia, Esmeraldas, Florestal, Ibirité, Igarapé, Itabirito, Jaboticatubas, Juatuba, Lagoa Santa, Mário Campos, Mateus Leme, Matozinhos, Moeda, Nova União, Pedro Leopoldo, Piedade dos Gerais, Raposos, Ribeirão das Neves, Rio Acima, Rio Manso, Sabará, Santa Luzia, Santana do Riacho, São Joaquim de Bicas, São José da Lapa, Sarzedo, Taquaraçu de Minas e Vespasiano.

A partir do momento da liberação dos recursos financeiros, os municípios participantes poderão utilizá-los na execução das ações e na estruturação da Vigilância em Saúde, fortalecendo e atendendo de forma eficaz o público especificamente voltado para a agricultura familiar.

Apresentação do projeto
Em Belo Horizonte, a atuação começou com uma apresentação realizada no final do mês de junho, no auditório do Ministério da Saúde (MS). Participaram os gestores das Secretarias Municipais de Saúde e coordenadores das áreas de Vigilância Sanitária e Vigilância Epidemiológica dos municípios que compõem a SRS-BH.

Neste momento, foram apresentados os objetivos do programa de Integração das Ações de Vigilância em Saúde para Agricultura Familiar (Proagri Saúde) que incluem:

- Fomentar a capacidade das instituições municipais de Vigilância para a implementação de ações integradas de Vigilância em Saúde voltadas para a agricultura familiar;

- Estruturar as equipes da Vigilância Sanitária municipal para a regularização sanitária dos empreendimentos da agricultura familiar;

- Fortalecer as ações estratégicas de Vigilância em Saúde voltadas à proteção e promoção à saúde e qualidade de vida dos agricultores familiares dos municípios beneficiados.

A coordenadora do Núcleo de Vigilância Epidemiológica da SRS-BH, Talita Leal Chamone, destacou a importância das ações de Vigilância em Saúde do Proagri.
“Todo o projeto também é importante para melhoria da saúde das populações envolvidas. Serão realizadas ações para também aumentar o conhecimento nas áreas de zoonoses e doenças transmitidas por alimentos e animais peçonhentos, visando a prevenção e redução da ocorrência desses agravos.”, informou.

Oficina de Capacitação em Ações de Inclusão Produtiva
Já em um segundo momento, realizado da Escola de Saúde Pública de Minas Gerais (ESP-MG), no início de Julho, profissionais da Vigilância Sanitária municipais e da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural de Minas Gerais (Emater-MG) participaram de uma Oficina de Capacitação em Ações de Inclusão Produtiva.

Durante o evento, foram apresentadas informações sobre a legislação e habilitação sanitárias para empreendimentos familiares de pequeno porte de produtos alimentares, além da apresentação pela Emater-MG da plataforma edocampo.com.br para comercialização on-line de produtos rurais.

Ao final do evento, também ocorreu uma discussão e a apresentação do planejamento municipal das ações de Vigilância Sanitária para a continuidade das próximas etapas do Proagri Saúde.

A coordenadora de Vigilância em Saúde e Epidemiológica do município de Vespasiano, Larissa do Carmo Faria Simões, destacou a importância do projeto para o seu município. “O Proagri é uma boa iniciativa do estado para dar apoio, orientação e fortalecer cada vez mais a agricultura familiar do nosso município e de muitos outros", afirmou.

Agora, para a continuidade e implementação do Proagri Saúde nos municípios que compõem a Regional de Saúde de Belo Horizonte, as ações foram sistematizadas em três etapas distintas.

A primeira etapa compreende o levantamento de informações relacionadas à agricultura familiar, a segunda etapa envolve visitas e eventos realizados com os agricultores e a terceira etapa envolve o desenvolvimento e a implementação das ações na rotina produtiva.

Todas essas etapas são acompanhadas pelas referências técnicas da Superintendência Regional de Saúde de Belo Horizonte, assim como da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais.

]]>
Banco de notícias Fri, 19 Jul 2024 15:32:22 +0000
Centro Colaborador: Laboratório Macrorregional do Norte de Minas capacita profissionais da UFVJM https://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/20178-centro-colaborador-laboratorio-macrorregional-do-norte-de-minas-capacita-profissionais-da-ufvjm https://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/20178-centro-colaborador-laboratorio-macrorregional-do-norte-de-minas-capacita-profissionais-da-ufvjm

O Laboratório Macrorregional do Norte de Minas, administrado pela Superintendência Regional de Saúde (SRS) de Montes Claros, concluiu nesta sexta-feira (19/7), treinamento das professoras da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM), Ana Paula Rodrigues e Helen Rodrigues Martins, com foco na realização de exames parasitológicos para o diagnóstico das leishmanioses tegumentar e visceral. A capacitação, conduzida pela referência técnica Núbia Pereira da Silva, foi solicitada pela Universidade que está se preparando para colocar em funcionamento o Centro Colaborador da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG).

Os centros colaboradores instituídos pela SES-MG são unidades laboratoriais especializadas e estão inseridos em secretarias municipais de saúde; universidades estaduais ou federais; centros de pesquisas ou em entidades filantrópicas. Devem apresentar instalações físicas, equipamentos, protocolos técnicos e profissionais aptos para desenvolver atividades relacionadas à vigilância laboratorial em amostras biológicas.

19.07.2024-Laboratório Macrorregional do Norte de Minas - SRS Montes Claros

Na Tipologia A, o laboratório da UFVJM atenderá demandas de municípios do Vale do Jequitinhonha para a realização de análises clínicas para o diagnóstico de doença de Chagas, malária, leishmanioses tegumentar e visceral pelos métodos: Gota espessa; Método de Strout e creme leucocitário; parasitológico direto; Imunocromatografia; Enzimaimunoensaio; e de Tuberculose pelos métodos: IGRA, teste rápido molecular, baciloscopia, cultura e teste de sensibilidade.

“Contribuir com a capacitação de profissionais de outras instituições, visando a ampliação da rede laboratorial no estado é gratificante e reforça a importância e o reconhecimento do trabalho desempenhado ao longo de muitos anos pelo Laboratório Macrorregional do Norte de Minas”, destaca a referência técnica Núbia Pereira.
Para viabilizar a descentralização da vigilância laboratorial, a SES-MG disponibilizou R$ 52,3 milhões para que as instituições sediadas no estado possam, por meio da técnica de biologia molecular, atuar na investigação de doenças de notificação compulsória. Para o Norte de Minas estão sendo disponibilizados mais de R$ 3,5 milhões.

Salinas
Como Centro Colaborador da SES-MG, em abril deste ano o Laboratório de Entomologia do Instituto Federal do Norte de Minas Gerais (IFNMG), sediado em Salinas, iniciou a realização de análises laboratoriais para o diagnóstico da doença de Chagas, malária, leishmanioses tegumentar e visceral, vetores da febre maculosa, dengue, febre chikungunya, zika vírus e da febre amarela.

Durante reunião da CIB-SUS realizada em abril, quando apresentou o Laboratório de Entomologia como Centro Colaborador da SES-MG, o professor Filipe Vieira Santos de Abreu informou aos gestores de saúde que a unidade tem capacidade para realizar cinco mil análises por ano, com liberação de resultados dos exames até 72 horas após o recebimento das amostras.

Além disso, observa o professor, com o envolvimento de profissionais com titulação de doutorado e mestrado em parasitologia e apoio de universitários, o Instituto Federal tem condições de realizar três treinamentos anuais envolvendo profissionais de saúde dos municípios.

Montes Claros
Já neste mês de julho, a Secretaria Municipal de Saúde de Montes Claros anunciou, durante a reunião da CIB-SUS, a entrada em operação do Centro Colaborador no município com a realização de análises de qualidade da água, por meio do Programa de Vigilância da Qualidade da Água para Consumo Humano (Vigiágua). Inicialmente estão sendo atendidas demandas de 32 municípios que integram as áreas de atuação das Gerências Regionais de Saúde (GRS) de Januária e Pirapora.

Para o atendimento de 54 municípios que integram a área de atuação da SRS Montes Claros está em fase de definição o fluxo do encaminhamento das amostras. O Centro Colaborador está instalado na Praça da Tecnologia, número 77, bairro Alto São João (antiga sede da Escola Técnica de Montes Claros).

Agna Soares da Silva Menezes, coordenadora de Vigilância em Saúde na SRS Montes Claros, “avalia que a expansão da rede de vigilância laboratorial trará resultados positivos na agilização do atendimento de demandas de saúde da população norte-mineira, além de ampliar o envolvimento de profissionais qualificados e atuantes em outras instituições públicas”.

]]>
Banco de notícias Fri, 19 Jul 2024 13:06:06 +0000
Norte de Minas: CIB-SUS aprova solicitação de recursos ao Ministério da Saúde para a média e alta complexidade https://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/20177-norte-de-minas-cib-sus-aprova-solicitacao-de-recursos-ao-ministerio-da-saude-para-a-media-e-alta-complexidade https://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/20177-norte-de-minas-cib-sus-aprova-solicitacao-de-recursos-ao-ministerio-da-saude-para-a-media-e-alta-complexidade

Por meio das deliberações 4.777, 4.778, 4.780, 4.782, 4.783 e 4.784, publicadas no dia 16 de julho, a Comissão Intergestores Bipartite do Sistema Único de Saúde (CIB-SUS) aprovou o encaminhamento de solicitações ao Ministério da Saúde (MS) de incorporação de recursos superiores a R$ 3,3 milhões ao teto financeiro de serviços de Média e Alta Complexidade (Teto MAC) dos municípios norte-mineiros de Lassance, São João das Missões, Campo Azul, Várzea da Palma, Santa Fé de Minas e Buritizeiro. As localidades integram as áreas de atuação das Gerências Regionais de Saúde (GRS) de Januária e Pirapora.

As solicitações contemplam os seguintes municípios: Várzea da Palma (R$ 1,4 milhão); Buritizeiro (R$ 1,2 milhão); Santa Fé de Minas (R$ 212,7 mil); Campo Azul (R$ 173,7 mil); São João das Missões (R$ 167,6 mil) e Lassance (R$ 125,4 mil).

18.07.2024-Divulgação Hospital de Pirapora

As decisões foram tomadas em junho, quando os gestores também aprovaram a publicação de outras sete deliberações solicitando ao Ministério da Saúde aporte superior a R$ 9,3 milhões contemplando municípios que integram as áreas de jurisdição da Superintendência Regional de Saúde (SRS) de Montes Claros e da GRS de Januária. Os valores estão distribuídos da seguinte forma: Janaúba (R$ 6,3 milhões); Januária (R$ 1,5 milhão); São João da Ponte (R$ 1 milhão); Ibiaí (R$ 187,1 mil); Ponto Chique (187 mil); Engenheiro Navarro (R$ 88,3 mil) e Juramento (R$ 34,6 mil).

O coordenador de Redes de Atenção à Saúde da SRS de Montes Claros, João Alves Pereira, explica que “as solicitações levam em conta estudos técnicos realizados pelos municípios. Os recursos são destinados ao custeio do atendimento de usuários do Sistema Único de Saúde (SUS) e o investimento será importante para o fortalecimento técnico e operacional da assistência à saúde da população”.

]]>
Banco de notícias Thu, 18 Jul 2024 15:41:04 +0000
Regional de Ubá implanta projeto para atualizar o Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde https://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/20175-regional-de-uba-implanta-projeto-para-atualizar-o-cadastro-nacional-de-estabelecimentos-de-saude https://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/20175-regional-de-uba-implanta-projeto-para-atualizar-o-cadastro-nacional-de-estabelecimentos-de-saude

O Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES) é o sistema nacional que inscreve todos os estabelecimentos de saúde, sendo eles integrados ou não ao Sistema Único de Saúde (SUS), tanto na esfera municipal, estadual ou nacional. Mantê-lo atualizado possibilita promover uma gestão estratégica dos serviços de Saúde ofertados à população, auxiliando no planejamento para atender aos vazios assistenciais e na execução de recursos que acolham as demandas que mais se apresentam em cada localidade.

Atendendo à orientação da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) em realizar projetos estratégicos, a Gerência Regional de Saúde (GRS) de Ubá iniciou as visitas técnicas aos prestadores de serviços hospitalares das microrregiões Saúde de Ubá e Muriaé para instruir quanto à atualização do CNES. A medida é necessária porque, atualmente, há inconsistências significativas nas informações cadastradas, afetando a capacidade de análise e planejamento da macrorregião de Saúde Sudeste, onde a GRS Ubá está inserida.

18.08.2024-CNES-Divulgação GRS Ubá

No dia 16 de junho, o Hospital Municipal Santo Antônio, em Presidente Bernardes, se tornou a primeira instituição a receber a equipe da GRS Ubá para efetivar o início do projeto regional. A visita teve como foco o diagnóstico inicial detalhado das informações cadastradas no CNES, conduzido para validar e corrigir dados sobre estrutura física, recursos humanos, leitos, habilitações, equipamentos e serviços assistenciais. Esta visita, bem como em todas as que ainda serão feitas, teve o acompanhamento dos gestores municipais, participando do processo no qual são responsáveis.

O CNES desatualizado pode acarretar em prejuízos no funcionamento do SUS, tanto para usuários como para os prestadores. Por exemplo, a impossibilidade de registrar os atendimentos do SUS e, por conseguinte, os recebimentos. “Esta atualização deve ser feita sempre que alguma informação for alterada na realidade dos serviços de saúde, mas o cotidiano agitado dos hospitais e das Secretarias Municipais de Saúde (SMSs) pode escantear esse procedimento. Então, nosso trabalho visa qualificá-los para manter essas informações o mais inteirada possível”, disse Franklin Leandro Neto, diretor da GRS Ubá.

As visitas seguem o roteiro do instrumento padrão, um manual detalhado contendo orientações e respostas às dúvidas frequentes sobre o CNES, para uso por gestores municipais e prestadores hospitalares. “Quem realiza as atualizações do CNES são as Secretarias Municipais de Saúde, por isso essas equipes são nossas parceiras essenciais nesse projeto. Queremos revisar informações como recursos humanos, equipamentos, habilitações, entre outras, pois esse conjunto de dados reflete a realidade dos territórios”, informou Fabiana Érica de Souza, coordenadora de Acesso aos Serviços de Saúde da GRS Ubá.

A GRS Ubá emitirá relatórios mensais de monitoramento, que serão apresentados em reuniões com os gestores, bem como apresentará um relatório final com o diagnóstico atualizado, garantindo dados precisos para um planejamento estratégico de saúde eficiente.

]]>
Banco de notícias Thu, 18 Jul 2024 10:16:49 +0000
Melhor em Casa: programa amplia investimento anual no Norte de Minas para mais de R$ 14,2 milhões https://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/20174-melhor-em-casa-programa-amplia-investimento-anual-no-norte-de-minas-para-mais-de-r-14-2-milhoes https://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/20174-melhor-em-casa-programa-amplia-investimento-anual-no-norte-de-minas-para-mais-de-r-14-2-milhoes

Os dezessete municípios que integram as áreas de atuação da Superintendência Regional de Saúde (SRS) de Montes Claros e a Gerência Regional de Saúde (GRS) de Pirapora estão sendo contemplados, por meio do Programa Melhor em Casa, com o aumento de 30% para a manutenção dos serviços de atenção domiciliar. A Portaria 3.949, publicada no dia 18 de junho pelo Ministério da Saúde, prevê para todo o país investimento de R$ 358 milhões. Para 90 municípios de Minas Gerais o investimento anual passará de R$ 87,3 milhões para R$ 113,5 milhões.

Nos municípios do Norte de Minas que participam do Programa Melhor em Casa, o investimento anual, que até então estava fixado em R$ 10,9 milhões, teve acrescimento superior a R$ 3,2 milhões. Com isso, a manutenção dos atendimentos de pacientes em suas residências passa a ter um aporte anual de R$ 14,2 milhões. Com o reajuste retroativo a setembro de 2023, os municípios receberão, em parcela única, valores que variam entre R$ 247,2 mil a R$ 40,8 mil.

Em Janaúba, assistência hospitalar a pacientes ganha reforço do Programa Melhor em Casa

Na área de jurisdição da SRS Montes Claros os valores anuais a serem repassados em parcelas aos municípios estão fixados em R$ 12,1 milhões, divididos da seguinte forma: Montes Claros (R$ 3,2 milhões); Bocaiuva, Rio Pardo de Minas, Salinas (R$ 873,6 mil para cada município); Janaúba (R$ 780 mil); Monte Azul (R$ 530,4 mil); Coração de Jesus, Espinosa, Francisco Sá, Grão Mogol, Jaíba, Porteirinha, São João do Paraíso e Taiobeiras (R$ 624 mil para cada localidade).

Em três municípios da Gerência Regional de Saúde de Pirapora o Programa Melhor em Casa tem previsão de investimento anual de R$ 2,1 milhões nas seguintes localidades: Pirapora (R$ 873,6 mil); Várzea da Palma e Buritizeiro (R$ 624 mil para cada município).

O programa
O coordenador de Redes de Atenção à Saúde na SRS Montes Claros, João Alves Pereira, explica que o serviço de atendimento domiciliar é executado por profissionais de diversas especialidades, com foco nas pessoas que necessitam de cuidados de saúde mais intensivos. O acesso ao serviço geralmente é feito por uma equipe hospitalar quando o usuário se encontra internado ou por solicitação da equipe de Saúde da Família ou da Unidade de Pronto Atendimento (UPA). Os serviços são coordenados pelas secretarias municipais de saúde.

“Trata-se de atenção à saúde oferecida na moradia do paciente, caracterizada por um conjunto de ações de promoção à saúde, prevenção, tratamento de doenças e reabilitação, com garantia da continuidade do cuidado integrado à Rede de Atenção à Saúde”, explica o coordenador.

De acordo com a necessidade do paciente, o atendimento em casa pode ser realizado por diferentes equipes. A partir do momento que a pessoa precisa ser visitada com menos frequência e já está mais estável, o atendimento pode ser realizado pela equipe de Saúde da Família. Já os casos de maior complexidade são acompanhados pelas Equipes Multiprofissionais de Atenção Domiciliar (Emad) e de Apoio (Emap), do Serviço de Atenção Domiciliar (SAD) do Programa Melhor em Casa.

]]>
Banco de notícias Wed, 17 Jul 2024 15:57:59 +0000
Regional de Unaí realiza 2º Seminário de Vigilância Sanitária https://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/20173-grs-unai-realiza-2-seminario-de-vigilancia-sanitaria https://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/20173-grs-unai-realiza-2-seminario-de-vigilancia-sanitaria

A Gerência Regional de Saúde (GRS) de Unaí, promoveu, nos dias 8 e 9/7, o 2º Seminário de Vigilância Sanitária (Visa). O evento foi realizado no auditório da GRS Unaí e teve como objetivo fortalecer as ações estratégicas de Vigilância Sanitária, incluindo a qualificação, alinhamento e compreensão das especificidades de cada procedimento junto às Visas municipais da área de abrangência da GRS Unaí.

Durante o seminário foi possível construir, de forma conjunta, uma articulação para a estruturação das políticas atualmente em exercício. Esse trabalho colaborativo levou em consideração o papel fundamental da Vigilância Sanitária no processo de fiscalização, regulação e monitoramento para garantir produtos e serviços mais seguros para a população.

GRS Unaí realiza 2º Seminário de Vigilância Sanitária

A construção de um alinhamento estratégico entre as diferentes Visas municipais objetiva assegurar a eficácia e a uniformidade das ações de Vigilância Sanitária na microrregião.

O seminário contou com a participação de diversos profissionais da área, que contribuíram para a construção de um panorama abrangente das atividades de Vigilância Sanitária, abordando desde questões técnicas até aspectos regulatórios e operacionais. A colaboração e o intercâmbio de informações entre os municípios presentes é importante para fortalecer as ações de fiscalização e garantir a segurança dos serviços oferecidos à população.

Para a coordenadora da Vigilância Sanitária da GRS Unaí, Larissa de Castro Rafael, oportunidades como esta reafirmam o compromisso com a construção de novos conhecimentos e também a atuação junto com diversos setores da sociedade para que o trabalho se estruture de forma mais adequada. “A Vigilância Sanitária possui o papel social de avaliar e intervir em riscos a que a população possa estar exposta e executar estratégias e ações de educação e fiscalização para prevenir, minimizar e eliminar riscos à saúde, bem como estabelecer normas para os comportamentos relacionados aos bens de consumo e serviços sob vigilância sanitária", ressaltou a coordenadora.

]]>
Banco de notícias Wed, 17 Jul 2024 11:04:33 +0000
Governo de Minas já investiu R$75 milhões para a compra de mamógrafos digitais em 46 municípios https://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/20172-governo-de-minas-ja-investiu-r-75-milhoes-para-a-compra-de-mamografos-digitais-em-46-municipios https://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/20172-governo-de-minas-ja-investiu-r-75-milhoes-para-a-compra-de-mamografos-digitais-em-46-municipios

O secretário de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG), Fábio Baccheretti, apresentou, nesta terça-feira (16/7), em audiência da Comissão de Saúde da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), as ações relacionadas ao diagnóstico do câncer de mama e a assistência às pacientes no estado.

Crédito: Henrique Chendes

“Temos que garantir do início ao fim a experiência da paciente dentro da rede de assistência. Para isso, renovamos os mamógrafos analógicos para digitais no estado inteiro, com investimentos de R$75 milhões para 46 municípios, o que é um avanço enorme no diagnóstico. Além disso, estamos criando na nossa linha, nos critérios de rastreio, que a mulher na faixa etária elegível tenha acesso anualmente à mamografia”, afirmou.

Segundo o secretário, por meio do laudo de rastreio, será verificada a indicação do ultrassom complementar, de uma consulta e da biópsia, caso necessário. “A mulher será olhada do início ao fim e, para que isso aconteça, o Estado irá beneficiar os municípios e prestadores com valores destinados por eixos e prazos cumpridos”, explicou.

Fábio Baccheretti também informou que os procedimentos oncológicos serão incluídos no programa estadual Opera Mais na próxima revisão. “É mais um passo importante para que acelere a execução desses procedimentos e a conclusão do tratamento da paciente”, ressaltou.

O secretário também informou que está em andamento o projeto para a criação de um aplicativo para se somar às iniciativas. “Vamos disponibilizar em breve, na palma da mão da mulher, a opção de marcação da mamografia, da consulta e que ela acompanhe todo o processo”, anunciou.

Crédito: Marcus Ferreira

Segundo o secretário, a nova tecnologia, além de facilitar o processo de agendamento, também vai permitir o envio do diagnóstico para a equipe da atenção primária do município de residência da paciente e ao Centro de Assistência de Alta Complexidade em Oncologia (Cacon) e Unidade de Assistência de Alta Complexidade em Oncologia (Unacon) para dar início ao tratamento.

O presidente da Comissão de Saúde da ALMG, deputado Arlen Santiago, apresentou os dados do câncer de mama que, de acordo com o Instituto Nacional do Câncer (Inca), é o segundo tumor mais comum entre as mulheres.

“É de suma importância elaborar estratégias de mudança e aperfeiçoamento do SUS e também de acesso às mamografias, exame de prevenção ao câncer de mama, que apresenta 29,7% de incidência de novos casos e fica atrás apenas do câncer de pele”, disse o parlamentar.

O presidente do Conselho de Secretários Municipais de Saúde de Minas Gerais (Cosems), Edivaldo farias da Silva Filho, reiterou os avanços no diagnóstico e tratamento do câncer de mama no estado nos últimos anos. “Ano passado anunciamos os investimentos para a aquisição dos mamógrafos e já temos visto muitos deles, chegando na ponta, nos hospitais. Além disso, a inclusão das cirurgias oncológicas no programa Opera Mais, vai melhorar o fluxo para a oncologia em todo o estado”, destacou.

Para o Promotor de Justiça do Ministério Público de Minas Gerais, Luciano Moreira de Oliveira, é primordial pensar na promoção e prevenção à saúde e na integralidade do cuidado. “É bastante esperançoso para nós ver essa política pública já rodando, e com novas ações a serem implementadas, já que os dados falam por si só, quando mostram a importância do câncer como uma das principais causas de mortalidade no mundo”, concluiu.

Outras ações

As ações em andamento no estado contemplam a política de ampliação da média complexidade, que prevê repasses de aproximadamente R$100 milhões para execução de diversas linhas, entre elas a carteira de propedêutica de câncer de mama.

Há também a programação de recursos de mais de R$50 milhões para execução do Serviço de Apoio Diagnóstico e Terapêutico (SADT) de oncologia. Minas Gerais conta com 40 serviços de alta complexidade em oncologia, distribuídos pelas macrorregiões do estado, com a possibilidade de oito novas habilitações nas regiões Norte (1), Oeste (1), Centro (2), Jequitinhonha (1), Nordeste (1) e Vale do Aço (1).

]]>
Banco de notícias Wed, 17 Jul 2024 10:50:42 +0000
Regional de Belo Horizonte incentiva a vacinação antirrábica https://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/20171-regional-de-belo-horizonte-incentiva-a-vacinacao-antirrabica https://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/20171-regional-de-belo-horizonte-incentiva-a-vacinacao-antirrabica

Proteger cães, gatos e quem convive com eles. Esse é o objetivo da campanha de vacinação antirrábica. Com a meta de vacinar pelo menos 80% das populações canina e felina, a Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) iniciou em 1º de julho a campanha que ocorre até 30 de setembro em todo o estado. Na área de atuação da Superintendência Regional de Saúde de Belo Horizonte, composta por 39 municípios da região central, foram disponibilizadas 730.000 doses da vacina antirrábica animal.

A coordenadora do Núcleo de Vigilância Epidemiológica da SRS BH, Talita Chamone, esclarece que todos os municípios da área de abrangência da regional receberam seringas, agulhas e a doses de vacina contra raiva – insumos necessários para realização da campanha de vacinação antirrábica canina e felina. “A vacinação é muito importante e necessária para manter a doença sob controle e evitar a raiva nos cães e gatos e impedir que transmitam o vírus da raiva para os seres humanos”.

17.07.2024-Vacinação Antirrábica-Leandro Heringer

Nesse sentido, a médica veterinária e Assessora Técnica do Conselho Regional de Medicina Veterinária de Minas Gerais, Lorena Macedo, destaca a presença da raiva em mais de 150 países, sendo 95% dos casos na África e na Ásia. “Nesses países de maior incidência da doença, mais de 90% dos casos são devido às mordeduras de cães. Por causa da vacinação de animais domésticos no Brasil, essa estatística não ocorre no nosso país”.

Macedo aponta que a campanha de vacinação antirrábica no Brasil tem como meta 80% de cobertura, o que representa um percentual maior do que o preconizado pela Organização Mundial de Saúde (OMS). Para a assessora técnica, ter uma meta local maior é um bom indicativo de garantir o maior número possível de animais vacinados. “Apesar de a raiva ser uma doença totalmente evitável, cerca de 60.000 pessoas são vítimas da sua ira todos os anos. Vacinar os animais domésticos, especialmente cães e gatos, é de extrema importância para manter os animais saudáveis e, consequentemente, as pessoas seguras da doença”, esclarece.

A preocupação com a saúde e a prevenção à doença leva a farmacêutica, contadora e moradora de Belo Horizonte, Denise Santos de Pontes, tutora de 6 cães, a vaciná-los periodicamente como um ato de amor e proteção. “A vacinação contra a raiva deve ser feita anualmente, não podemos vacilar. Quem ama, cuida!”.

Tutora de duas cadelas, Amora e Mel, a técnica administrativa Cristiane Cândido, 43, concorda com Denise sobre a importância de levar os pets para vacinar. “É muito importante estar em dia com a vacinação dos bichinhos pois é um cuidado com eles, conosco e para com os outros também”, disse.

O papel da comunicação é fundamental, de acordo com o médico veterinário e assessor técnico do Conselho Regional de Medicina Veterinária (CRMV-MG), Messias Lobo. “O Conselho entende que a comunicação, associada às ações continuadas de educação em saúde, é de fundamental importância para que a sociedade possa ser esclarecida e ter uma melhor percepção do que são as zoonoses e venha a entender a importância da adoção de medidas preventivas”, destaca.

Lobo salienta que, segundo dados da OMS, mais de 60% das doenças infecciosas são zoonoses. “Diante desse dado, o que percebemos é que a sociedade possui pouca ou nenhuma informação sobre estas doenças. E a consequência disso é a baixa efetividade de muitas das ações de enfrentamento desse tipo de enfermidade”, analisa.

Dados regionais
Em 2023, nos 39 municípios da Regional BH, na região central de Minas Gerais, foram vacinados 525.285 cães (68% de cobertura vacinal) e 90152 gatos (114% de cobertura vacinal).

Ocorrência histórica
No passado, o Brasil apresentou um número razoavelmente alto de casos de raiva humana. Em 1990, por exemplo, foram 73 casos da doença no país. Os casos em Minas Gerais e no Distrito Federal, em 2022, acendem o sinal de alerta para agir, informando a população sobre a gravidade da doença, gerando acesso às medidas de controle e vacinação na pré e pós-exposição, para evitar o surgimento de novos casos e mortes.

Segundo o Manual do Vacinador da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais, os sintomas da raiva animal são: o animal modifica o comportamento, normalmente para de comer; esconde-se em locais mais escuros e tenta beber água, mas não consegue engolir.

O animal também pode procurar fugir de onde está preso e morde tudo que vê pela frente (objetos, animais e pessoas). Um dos sintomas mais conhecidos é babar e o latido ficar rouco e prolongado, parecendo um uivo.

Transmissão
É por isso que a vacinação contra a raiva é essencial não só para cães e gatos, como também para seres humanos que tenham contato com animais de qualquer tipo. A vacinação é a melhor forma de prevenir a difusão da raiva e os animais domésticos devem ser vacinados pelo menos uma vez por ano.

Sintomas
A raiva também pode ser chamada de hidrofobia e é uma doença de caráter infeccioso que é causada por um vírus do gênero Lyssavirus. Esse vírus é capaz de comprometer gravemente o sistema nervoso central, causando grande inchaço no cérebro e, por isso, a raiva é considerada uma doença grave, com um alto nível de letalidade.

O inchaço no cérebro e a inflamação no sistema nervoso central são as principais características da raiva, causando os sintomas da doença.

Entre os principais sintomas de raiva, destacam-se: confusão mental; excitabilidade excessiva; agressividade; alucinações; espasmos musculares; febre; convulsão; babar em excesso; dor onde a mordida ou lambida aconteceu; dificuldade para engolir; mal-estar; febre; dor de garganta; náuseas; perda do apetite; perda de sensibilidade em um dos lados do corpo; sensações de agitação, irritabilidade, angústia e ansiedade.

Esses sintomas são progressivos e evoluem por cerca de uma semana, conforme o vírus se instala no cérebro. Os espasmos musculares acabam fazendo com que o paciente fique paralizado e deixe de, entre outras atividades, comer, excretar e respirar, o que é capaz de levá-lo ao óbito.

Tratamento
A raiva não tem cura para praticamente 100% dos casos e sua evolução é muito rápida. Entre o começo dos sintomas e o estado de paralisia, podem se passar apenas sete dias. É por conta disso que, assim que um indivíduo é mordido, lambido ou arranhado por um animal (urbano ou silvestre), é preciso lavar o local com água e sabão e procurar atendimento médico o mais rápido possível.

A vacina e o soro são capazes de impedir que o vírus avance até o sistema nervoso central, mas, uma vez que a doença se instala, é impossível contê-la, por isso a importância do atendimento médico para avaliação.

]]>
Banco de notícias Tue, 16 Jul 2024 17:40:20 +0000
GRS Unaí realiza reunião técnica sobre a Estratégia Amamenta e Alimenta Brasil https://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/20169-grs-unai-realiza-reuniao-tecnica-sobre-a-estrategia-amamenta-e-alimenta-brasil https://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/20169-grs-unai-realiza-reuniao-tecnica-sobre-a-estrategia-amamenta-e-alimenta-brasil

A Estratégia Amamenta e Alimenta Brasil (EAAB), uma iniciativa do Ministério da Saúde lançada em 2012, tem o objetivo de qualificar o trabalho dos profissionais da atenção básica para reforçar e incentivar a promoção do aleitamento materno

A Gerência Regional de Saúde (GRS) de Unaí realizou, no dia 12/7, uma reunião técnica sobre a Estratégia Amamenta e Alimenta Brasil (EAAB), que promove a amamentação exclusiva até os seis meses de idade. Esta estratégia promove também a continuação da amamentação até os dois anos ou mais, juntamente com a introdução de alimentos complementares e a alimentação saudável para crianças menores de dois anos no Sistema Único de Saúde (SUS), assegurando uma alimentação variada e nutritiva.

GRS Unaí realiza reunião técnica sobre a Estratégia Amamenta e Alimenta Brasil (EAAB)

A EAAB desempenha um papel importante na melhoria da saúde infantil, na redução da mortalidade e na prevenção de doenças. Promove o desenvolvimento adequado, apoiando o crescimento saudável das crianças, e oferece orientação e suporte contínuo às famílias sobre práticas alimentares saudáveis. A alimentação adequada é fundamental em todas as etapas da vida, especialmente nos primeiros anos, decisivos para o crescimento, formação de hábitos e manutenção da saúde.

Os componentes da EAAB incluem a formação e a atualização contínua dos profissionais de saúde da atenção básica para práticas adequadas de amamentação e alimentação complementar, o fortalecimento das ações de apoio, a promoção do aleitamento materno e o desenvolvimento de práticas e orientações para uma alimentação complementar saudável.

GRS Unaí realiza reunião técnica sobre a Estratégia Amamenta e Alimenta Brasil (EAAB)

Durante a reunião a coordenadora de Vigilância Sanitária da GRS Unaí, Larissa de Castro Rafael, esclareceu a implementação da Norma Brasileira de Comercialização de Alimentos para Lactentes e Crianças de Primeira Infância, Bicos, Chupetas e Mamadeiras (NBCAL) e suas legislações, explicando as formas corretas de comercialização e disposição desses produtos no comércio.

Para a referência técnica Coordenação de Redes de Atenção à Saúde (Cras) da GRS Unaí, Ana Paula Cabral F. Oliveira, a reunião foi muito importante para estabelecer a busca por melhores condições de vida para as nossas crianças. Implantar a Estratégia Amamenta e Alimenta Brasil vai além de promover uma boa alimentação. “Trata-se também de reduzir a ocorrência de morbidade e principalmente de mortalidade das nossas crianças. É o fortalecimento do vínculo entre familiares e equipes de saúde”.

O evento contou com a presença de todos os tutores municipais e discutiu as estratégias para replicar a oficina nos municípios. Foi um momento de troca de conhecimento, com discussões sobre estratégias e experiências exitosas importantes para a disseminação dessas práticas em todo o território. Haverá uma segunda etapa da oficina para a continuidade das discussões e conclusão do tema. 

]]>
Banco de notícias Tue, 16 Jul 2024 16:01:44 +0000
SJUD realiza projeto de capacitação em judicialização da saúde https://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/20168-sjud-realiza-projeto-de-capacitacao-em-judicializacao-da-saude https://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/20168-sjud-realiza-projeto-de-capacitacao-em-judicializacao-da-saude

A Superintendência de Judicialização da Saúde inicia nesta quarta-feira (17), o seu programa de capacitação. Voltado para o público interno, a ação tem como objetivo melhorar o atendimento ao usuário através da capacitação dos principais atores envolvidos no cumprimento das demandas judiciais em saúde.

O projeto é dividido em três módulos anuais, que são divididos no Nível Central - SJUD, Regionais e Fornecedores. Durante a capacitação, serão abordados tópicos como a padronização de práticas em face do decreto 48.601/2023 e publicação de manuais de procedimento atualizados.

O primeiro módulo acontece nos dias 17, 24 e 31 de julho, e será voltado para os profissionais do Nível Central - SJUD. O Módulo Regionais acontece nos dias 21 e 28 de agosto e 4 e 11 de setembro. O Módulo Fornecedores está programado para o dia 16 de outubro.

As informações detalhadas a respeito do programa serão encaminhadas por e-mail aos convidados.

 

]]>
Banco de notícias Tue, 16 Jul 2024 14:41:10 +0000
Boletim Epidemiológico de Monitoramento dos casos de Dengue, Chikungunya e Zika (15/7). https://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/20167-boletim-epidemiologico-de-monitoramento-dos-casos-de-dengue-chikungunya-e-zika-15-7 https://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/20167-boletim-epidemiologico-de-monitoramento-dos-casos-de-dengue-chikungunya-e-zika-15-7

Até 15/7, Minas Gerais registrou 1.680.034 casos prováveis (casos notificados, exceto os descartados) de dengue. Desse total, 1.034.488 casos foram confirmados para a doença. Até o momento, há 821 óbitos confirmados por dengue no estado e 669 estão em investigação.

Em relação à febre Chikungunya, foram registrados 151.480 casos prováveis da doença, dos quais 118.424 foram confirmados. Até o momento, 86 óbitos foram confirmados por Chikungunya em Minas Gerais e 33 estão em investigação.

Quanto ao vírus Zika, até o momento, foram registrados 251 casos prováveis. Foram confirmados 42 casos da doença. Não há óbitos confirmados ou em investigação por Zika em Minas Gerais.

» Clique aqui e confira o Boletim Epidemiológico de Monitoramento dos casos de Dengue, Chikungunya e Zika Vírus da SES-MG (atualizado em 15/7/2024).

]]>
Banco de notícias Mon, 15 Jul 2024 18:30:40 +0000
Atualização sobre o Programa Valora Minas objetiva otimizar recursos para hospitais da Regional de Ubá https://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/20166-atualizacao-sobre-o-programa-valora-minas-objetiva-otimizar-recursos-para-hospitais-da-regional-de-uba https://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/20166-atualizacao-sobre-o-programa-valora-minas-objetiva-otimizar-recursos-para-hospitais-da-regional-de-uba

Em evento com cerca de 40 pessoas, a Gerência Regional de Saúde de Ubá reuniu representantes dos prestadores de serviço hospitalares e gestores de Saúde do município sede para discutirem a atual política de Atenção Hospitalar do Estado, Valora Minas. O encontro, realizado no dia 5/7, permitiu o aprofundamento na tipologia das instituições e a compreensão dos recursos a serem recebidos, conforme entregas e metas pactuadas de acordo com a proposta de financiamento do Estado.

As microrregiões de Saúde de Ubá e Muriaé contam com uma rede de Atenção Hospitalar composta por treze unidades que ofertam serviços de média e alta complexidade, unidos a 165 equipes de Saúde da Família, que somadas atendem a aproximadamente 500 mil usuários. Destas equipes, 98 estão na microrregião de Saúde de Ubá e 67 na microrregião de Saúde de Muriaé. Tendo em vista estes dados, o alinhamento se torna essencial para o fortalecimento da rede assistencial visando a contínua evolução do sistema de saúde na região.

15.07.2024-Valora Minas - Divulgação GRS Ubá

No evento, foram apresentados os regramentos da política, além de discussões e esclarecimentos que ajudarão a aprimorar o atendimento de saúde ofertado aos 31 municípios da GRS Ubá. A motivação principal para o evento residia na necessidade de manter todos os gestores atualizados sobre os indicadores e respectivas metas monitoradas na política, de acordo com as tipologias dos beneficiários, e a forma como os resultados alcançados podem impactar no financiamento atrelado.

“Também discutimos o módulo de eletivas - Opera Mais e o rol de procedimentos elencados, para que os prestadores de serviço pudessem entender o cálculo das parcelas de pagamento (antecipação e ajuste), a metodologia de avaliação do indicador, associado ao bônus, bem como o cronograma de monitoramento e pagamento. Tudo isso influencia na boa gestão dos recursos financeiros investidos pelo Estado e no resultado entregue e sentido pela população”, explicou Paloma Regina Inocêncio, referência técnica regional do Valora Minas.

A abordagem buscou refletir o compromisso assumido pelas instituições e os desafios enfrentados, objetivando apoiar os prestadores hospitalares a explorar as oportunidades para proporcionar um cuidado integral e de qualidade a todos os usuários da região.

Rita Pereira, administradora do Hospital Paulo em Muriaé, destacou a relevância do evento, enfatizando que é crucial para as entidades prestadoras de serviço estarem preparadas para as mudanças. “Com o alinhamento referente às diretrizes do Estado, queremos garantir o alcance de metas que beneficiem à população dos municípios para os quais somos referência, com excelência no atendimento”, destacou.

Programa Valora Minas
O programa Valora Minas representa a Política de Atenção Hospitalar de Minas Gerais com a finalidade de incorporar as particularidades de diversas regiões. Essa política tem como foco os usuários do Sistema Único de Saúde (SUS) e busca aprimorar a qualidade da assistência, expandir o acesso e atender à população. Tudo isso por meio do vocacionamento dos prestadores de serviços, da otimização na alocação dos recursos oriundos de múltiplos programas estaduais e, sobretudo, através da elaboração de uma política que combine o perfil da população e suas demandas de saúde.

O programa possui vários módulos, dentre eles: Valor em Saúde, Hospitais de Pequeno Porte, Opera Mais e Otimiza SUS. O módulo Opera Mais é dedicado às cirurgias eletivas, de modo a aumentar o acesso da população a esse tipo de procedimento. Já o módulo Valor em Saúde é focado nos hospitais que possuem uma oferta de serviços mais robusta, sendo referência para as microrregiões, macrorregiões de saúde e para o estado como um todo.

]]>
Banco de notícias Mon, 15 Jul 2024 14:31:35 +0000
Hepatite B e C: municípios da Regional de Saúde de Uberlândia aumentam a testagem rápida em 50% https://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/20165-hepatite-b-e-c-municipios-da-regional-de-saude-de-uberlandia-aumentam-a-testagem-rapida-em-50 https://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/20165-hepatite-b-e-c-municipios-da-regional-de-saude-de-uberlandia-aumentam-a-testagem-rapida-em-50

Imagine fazer a tatuagem que tanto queria, colocar aquele piercing e, após isso, ir doar sangue ou descobrir em um dos exames de rotina que contraiu hepatite. Mas como isso seria possível se nunca sentiu mudanças no corpo, sintomas e sempre foi muito atento à higiene e cuidados pessoais? Este cenário acontece devido às hepatites B e C que podem ou não manifestar sinais, ou seja, os sintomas da doença podem se assemelhar a outros surtos virais, como por exemplo virose e intoxicação alimentar. Essas hepatites causam maior preocupação, pois podem evoluir para cirrose e até câncer no fígado, além de não apresentarem sintomas, o que faz com que a doença possa evoluir por décadas sem o devido diagnóstico.

No Brasil, a Lei nº 13.802/2019 instituiu o Julho Amarelo, que marca uma série de ações de conscientização e combate às hepatites virais. O Dia Mundial das Hepatites Virais é comemorado no dia 28 de julho, em homenagem à data de nascimento do cientista Baruch Blumberg. Ganhador do Prêmio Nobel, o pesquisador descobriu o vírus da hepatite B e desenvolveu um teste de diagnóstico e a vacina.

15.07.2024-Teste Rápido Hepatite A e B Lilian Cunha

Prevenção, vacinação, testagem e tratamento
Além das medidas preventivas, evitar o compartilhamento de materiais de uso pessoal, usar preservativo nas relações sexuais e manter a vacinação em dia, a utilização dos testes rápidos para triagem das hepatites virais está sendo ampliado nos municípios da Superintendência Regional de Saúde (SRS) de Uberlândia para o rastreio das hepatites B e C.

A referência técnica regional da Vigilância Epidemiológica, Mariana Bernardes, ressalta onde, quais situações a população pode ter acesso aos testes rápidos e como é o diagnóstico e tratamento. “As secretarias municipais de saúde devem seguir os protocolos federal e estadual. Os testes são ofertados nas maternidades, unidades de saúde referência de violência sexual, nos serviços de referência de atendimento a acidentes com exposição a material biológico e nas Unidades Básicas de Saúde (UBSs), desde que tenha profissional treinado. Os pacientes passam por um acolhimento e triagem para verificar a exposição aos riscos e, sendo reagente (positivo), encaminha para o teste sorológico e acompanhamento médico”, explicou Bernardes.

A logística de distribuição e o treinamento para a aplicação do teste de triagem das doenças são importantes para o rastreio das doenças. “Todos os 18 municípios da região solicitam e recebem rotineiramente os testes rápidos para detecção das hepatites B e C. Fazemos esta articulação e controle para que não haja desabastecimento. Além desta disponibilidade dos testes, é importante que os profissionais de saúde façam os treinamentos e atualizações para a correta abordagem e aplicação dos testes”, destaca a referência técnica em testes rápidos da SRS Uberlândia, Patrícia Nishioka.

Em 2023 foram realizados mais de 32 mil testes rápidos para Hepatite B e C. Em 2024 foram mais de 48 mil e, até o momento (janeiro a junho de 2024), foram 26.021. Já há um teste rápido específico que detecta a hepatite B e outro para detecção da hepatite C. Veja abaixo a evolução na triagem pelo teste rápido na região.

15.07.2024-Testes Rápidos - Hepatite B e C - SRS Uberlândia Vitoria Caregnato

Em 2022, os municípios que pertencem à SRS Uberlândia confirmaram 57 casos de hepatites virais. Em 2023 foram 85 casos e, em 2024 (até 13/6), foram 19 casos.

Hepatites B e C
A hepatite B pode ser evitada com a vacinação que está disponível pelo Sistema Único de Saúde (SUS) para todas as pessoas não vacinadas, independentemente da idade, e é uma doença que não tem cura. Enquanto a hepatite C não tem vacina, mas 95% dos tratamentos medicamentosos levam à cura. Veja a distinção detalhada abaixo.

Hepatite

Transmissão

Prevenção

Tratamento e/ou cura

Hepatite B

Compartilhar com materiais de higiene pessoal  contaminados e materiais hospitalares; instrumento de tatuagem e piercing não esterilizados e relações sexuais desprotegidas.

Vacinação; não compartilhar objetos de higiene pessoal; não reutilizar instrumentos de tatuagem e piercing; uso de preservativos em relações sexuais.

Acompanhamento médico que visa reduzir as complicações e avanços da doença, em que os medicamentos estão disponíveis pelo SUS. Hepatite B não tem cura.

Hepatite C

Compartilhar materiais de higiene pessoal  contaminados e materiais hospitalares; instrumento de tatuagem e piercing não esterilizados; relações sexuais desprotegidas; transmissão vertical (durante a gravidez e parto).

Não existe vacina como prevenção. Para não contrair a doença é preciso não compartilhar objetos de higiene pessoal; não reutilizar instrumentos de tatuagem e piercing; uso de preservativos em relações sexuais.

Tratamento medicamentoso, e em 95% dos casos acontece a cura durante o acompanhamento médico.

Saiba mais em: https://www.saude.mg.gov.br/hepatites

]]>
Banco de notícias Mon, 15 Jul 2024 11:43:00 +0000
SRS Pouso Alegre promove treinamento para fiscais de Vigilância Sanitária sobre inspeções em serviços de estética https://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/20164-srs-pouso-alegre-promove-treinamento-para-fiscais-de-vigilancia-sanitaria-sobre-inspecoes-em-servicos-de-estetica https://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/20164-srs-pouso-alegre-promove-treinamento-para-fiscais-de-vigilancia-sanitaria-sobre-inspecoes-em-servicos-de-estetica

A Superintendência Regional de Saúde (SRS) de Pouso Alegre, por meio do Núcleo de Vigilância Sanitária (Nuvisa), promoveu, no dia 11/7, um treinamento teórico com o tema Inspeções em Serviços de Estética. Foram apresentadas aos fiscais de Vigilância Sanitária dos municípios da área de abrangência da Regional as legislações utilizadas neste tipo de inspeção visando a segurança e melhoria da qualidade dos serviços.

O foco do treinamento foi a prestação de esclarecimentos sobre os serviços de estética e atendimento às normas sanitárias aplicáveis a esses serviços e estabelecimentos que envolvem atividades classificadas como de interesse para a saúde ou como serviços de saúde.

15.07.2024-Treinamento Visa2-Otávio Coutinho

Segundo a nota técnica nº 2/2024/SEI/GGTES/DIRE3ANVISA, os serviços de interesse para saúde envolvem atividades nas quais há a prestação de assistência ao indivíduo ou à população humana e que podem alterar o seu estado de saúde, mas que não exigem a realização ou supervisão por profissionais de saúde. Os serviço de saúde envolvem atividades em que há prestação de assistência ao indivíduo ou à população humana e que podem alterar o seu estado de saúde, com vistas à prevenção e ao diagnóstico de doenças, ao tratamento, à recuperação, à estética ou à reabilitação e estas atividades são realizadas obrigatoriamente por profissional de saúde ou sob sua supervisão.

De acordo com a referência técnica do Nuvisa, Bárbara Karina Vieira, “o treinamento foi uma oportunidade de promover orientações aos fiscais sanitários municipais acerca das legislações aplicáveis aos serviços de estética classificados como serviços de interesse para a saúde e aos serviços de estética classificados como serviços de saúde. O encontro possibilitou o compartilhamento de experiências entre os participantes, visando a segurança e melhoria da qualidade desses serviços”, concluiu Bárbara Vieira.

15.07.2024-Treinamento Visa3-Otávio Coutinho

Para Daniele Cristina Braz dos Santos Pinto, fiscal sanitária do município de Maria da Fé, o treinamento teórico sobre inspeção em Serviços de Estética foi muito produtivo e esclarecedor devido a grande demanda nessa área e por conta das alterações nas legislações.

Foram ainda discutidas as boas práticas de funcionamento de serviços de interesse à saúde e serviços de saúde; segurança do paciente; prevenção e controle de infecção; processamento de produtos para saúde; gerenciamento de tecnologia; infraestrutura física; gerenciamento de resíduos; gestão de produtos; medicamentos e cosméticos.

]]>
Banco de notícias Mon, 15 Jul 2024 11:14:38 +0000
Inscrição abertas para Especialização em direito sanitário da ESP-MG https://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/20163-inscricao-abertas-para-especializacao-em-direito-sanitario-da-esp-mg https://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/20163-inscricao-abertas-para-especializacao-em-direito-sanitario-da-esp-mg

A Escola de Saúde Pública do Estado de Minas Gerais (ESP-MG) abre inscrições para a seleção de alunas e alunos para a XI turma do Curso de Pós-Graduação lato sensu – nível Especialização em Direito Sanitário. As inscrições devem ser realizadas de 15 de julho a 5 de agosto de 2024, por meio de envio de ficha de inscrição e documentação via correios ou entregue pessoalmente.

Serão ofertadas 6 vagas para uma turma de 40 discentes e o público-alvo são trabalhadores do executivo que atuam em municípios de Minas Gerais, que tenham diploma de nível superior e contato direto com as demandas judiciais relacionadas ao direito à saúde e/ou que atuem em atividades que envolvam a interface saúde-justiça e membros ou trabalhadores de Conselhos Municipais de Saúde de Minas Gerais, com diploma de nível superior.

As demais vagas (36), previstas para o curso, serão preenchidas por meio de processo seletivo interno realizado pelas instituições signatárias do Acordo de Cooperação Técnica nº 01/2024.

A especialização acontece em regime presencial e o objetivo do curso é desenvolver e estimular, no campo do direito sanitário, competências em nível de pós-graduação Lato Sensu, para que os profissionais compreendam os fundamentos da saúde coletiva, bem como a legislação, a jurisprudência e a doutrina do Direito Sanitário.

>Para ter acesso edital com todas as informações sobre o processo seletivo, clique aqui.
Previsão de divulgação do resultado da seleção no site da ESP-MG: 13 de setembro de 2024, com divulgação das pessoas classificadas e convocação de matrícula. Previsão de início das aulas: 26 de setembro de 2024.

Sobre o curso

O Curso de Pós-Graduação – Nível Especialização Lato Sensu em Direito Sanitário tem carga horária total de 400 horas, sendo 360 horas de atividades teórico-práticas e 40 horas de orientação para elaboração de Trabalho de Conclusão de Curso (TCC). A especialização está organizada por 3 módulos sequenciais e integrados, constituídos de temas interdependentes, sendo esses elementos indispensáveis ao desenvolvimento do aporte teórico.

Cronograma

O Curso tem a duração de 22 meses, incluindo atividades letivas e defesas de TCC. A cada três semanas, serão realizadas, de forma presencial, 5 aulas com Carga Horária de 04 horas, totalizando 20 horas. As aulas serão ministradas às quintas e sextas-feiras, das 8h30 às 12h30 e das 13h30 às 17h30 e aos sábados de 8h30 às 12h30

As atividades presenciais do curso serão realizadas nas dependências da ESP-MG, situada à Avenida Augusto de Lima, nº 2.061, bairro Barro Preto, no município de Belo Horizonte (MG).

>Clique aqui para acessar ao edital
Dúvidas e outras Informações: (31) 3295-5360 ramal 3013 ou pelo e-mail direitosanitario.espmg@gmail.com

Documentos

>Clique aqui para acessar o Edital completo
>Clique aqui para acessar o Anexo A termo de dispensa e liberação
>Clique aqui para acessar o Anexo B declaração de disponibilidade
>Clique aqui para acessar o Anexo C autorização para utilização de dados pessoais
>Clique aqui para acessar o Anexo D ficha de inscrição
>Clique aqui para acessar o Cronograma
>Clique aqui para acessar a Matriz curricular

]]>
Banco de notícias Mon, 15 Jul 2024 10:27:41 +0000