Notícias http://www.saude.mg.gov.br Mon, 14 Oct 2019 17:43:19 +0000 Joomla! - Open Source Content Management pt-br Dia do Deficiente Físico relembra avanços e busca por igualdade desta parcela da população http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/11640-dia-do-deficiente-fisico-relembra-avancos-e-busca-por-igualdade-desta-parcela-da-populacao http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/11640-dia-do-deficiente-fisico-relembra-avancos-e-busca-por-igualdade-desta-parcela-da-populacao

Celebrado nesta sexta-feira (11/10), o Dia do Deficiente Físico marca as reivindicações de cidadania e igualdade de direitos para essa parcela da população. Estima-se que há 1.240.000 pessoas com algum tipo de deficiência em Minas Gerais e para prover saúde a um grupo tão numeroso, o Estado conta com 272 pontos de atenção, quatro oficinas ortopédicas fixas e uma oficina ortopédica itinerante no âmbitoda Rede de Cuidados à Pessoa com Deficiência (RCPD), que está estruturada de forma regionalizada.Além de consolidar os serviços estabelecidos, o Estado também tem buscado ampliar a RCPD. “Atualmente temos cinco serviços de reabilitação intelectual em fase de implantação”, aponta o coordenador da Rede de Atenção à Pessoa com Deficiência, Mauro Souza Ribeiro.

Crédito: Pixaby

No âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS), a inclusão da pessoa com deficiência é garantida a partir da universalidade, integralidade e equidade, princípios que regem o SUS. Desde as Unidades Básicas de Saúde (UBS) e nas Equipes de Saúde da Família, usuárias e usuários do SUS têm direito à consulta médica, tratamento odontológico, exames básicos, medicamentos distribuídos gratuitamente, além do acesso aos Serviços de Reabilitação física, intelectual, auditiva e visual.

Os serviços de reabilitação são executados em unidades especializadas de abrangência regional, qualificadas para atender às pessoas com deficiência. “As equipes são formadas por profissionais como médicos, fisioterapeutas, fonoaudiólogos, terapeuta ocupacional, nutricionistas, enfermeiros, psicólogos e assistentes sociais”, afirma Mauro Ribeiro.

Desde a Constituição de 1988, que assegurou direitos como acesso ao mercado de trabalho, uma série de atos normativos buscaram ampliar a inclusão das pessoas com deficiência, entre os quais se destacam a incorporação da Convenção Internacional sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência (2008), com equivalência à uma Emenda Constitucional e o Estatuto da Pessoa com Deficiência de 2015, também conhecida como Lei Brasileira da Inclusão.

De acordo com Mauro Ribeiro, a produção desses atos legislativos também trouxe para os serviços de saúde uma preocupação cada vez maior com a garantia de autonomia, conforme o que preceitua a legislação. “Em Minas Gerais, podemos citar a instituição das juntas reguladoras na RCPD, formada por representantes da Saúde, Educação e Assistência Social, com vistas a garantir maior interlocução dos serviços, informações das necessidades das pessoas com deficiência e proposição de ações que melhorem a qualidade de vida dessas pessoas”.

Entre as atribuições das juntas reguladoras, estão atividades que visam realizar visitas às unidades que compõem a Rede de Cuidados à Pessoa com Deficiência para acompanhamento e monitoramento dos serviços realizados; expedir relatório quando solicitado pela SES-MG ou gestor municipal de saúde; realizar o trabalho em equipe favorecendo a interlocução entre seus membros; auxiliar na garantia do acesso dos usuários aos pontos de atenção da Rede de Cuidados a Pessoa com Deficiência de seu município; regular, controlar, avaliar e acompanhar tecnicamente a execução dos pontos de atenção da Rede de Cuidados a Pessoa com Deficiência de seu município; articular com os municípios de forma a garantir a reabilitação dos usuários o mais próximo possível da sua residência.

“A construção da Rede de Cuidados à Pessoa com Deficiência é, provavelmente, o principal avanço em relação à qualificação da assistência à saúde e, consequentemente, à garantia de direitos. Busca organizar o cuidado à pessoa com deficiência em uma Rede integral e integrativa, garantindo acesso aos serviços da atenção primária, secundária e terciária de forma articulada, por meio das juntas reguladoras, no âmbito da estratégia de regulação da RCPD-MG publicada na Deliberação CIB-SUS-MG n° 2003/2014”, avaliou o coordenador estadual.

Estrutura da Rede

A rede de assistência é composta pelas chamadas “Atenções Especializadas”, que se desmembram em: Atenção Especializada em Reabilitação Auditiva, Atenção Especializada em Reabilitação Física/Ostomia, Atenção Especializada em Reabilitação Visual e Atenção Especializada em Reabilitação Intelectual. Para qualquer acesso à Rede de Cuidados no SUS-MG, a usuária ou usuário deve se dirigir à Secretaria Municipal de Saúde (SMS) da localidade de sua residência, munido do pedido médico, documentos pessoais, cartão SUS e comprovante de endereço. A Secretaria Municipal irá providenciar, então, a marcação no serviço de referência, estando sob sua responsabilidade a condução do usuário ao serviço na data e horário agendado.

A SES-MG possui o hotsite www.saude.mg.gov.br/deficiencia disponível para que usuários, profissionais de saúde e gestores possam obter dados sobre os serviços de referência da Rede e diversas outras informações.

]]>
Banco de notícias Fri, 11 Oct 2019 10:15:01 +0000
Outubro Rosa destaca importância do cuidado integral à saúde da mulher http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/11631-outubro-rosa-destaca-importancia-do-cuidado-integral-a-saude-da-mulher http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/11631-outubro-rosa-destaca-importancia-do-cuidado-integral-a-saude-da-mulher

A Campanha Outubro Rosa, criada em 1990, em Nova Iorque, surgiu com o objetivo de fomentar a conscientização quanto à prevenção e ao controle do câncer de mama. Indo além desse conceito, a Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) adota a perspectiva de cuidado integral e completo, em que os profissionais de saúde considerem as singularidades das mulheres, como suas histórias, hábitos e contextos familiares. “Para a campanha deste ano, apresentamos uma visão integral sobre a saúde da mulher, estimulando o autocuidado e recomendando a mudança de hábitos. A finalidade é que controlando alguns fatores de risco, a mulher possa ter um estilo de vida mais saudável”, explica Daiana de Carvalho Souza, Coordenadora de Atenção à Saúde das Mulheres e Crianças da SES-MG. A campanha publicitária desenvolvida pela SES-MG encontra-se em fase de finalização e será amplamente divulgada no site e nas redes sociais da Secretaria, nos próximos dias.

Em Minas Gerais, foram diagnosticados pelo SUS, em 2018, 4.922 casos de câncer de mama. Até setembro de 2019, esse número é de 1.868. Para o ano de 2019, o Instituto Nacional do Câncer (INCA) estima a ocorrência de 5.360 novos casos de câncer de mama, com a taxa bruta de 50,15 casos novos por 100 mil mulheres mineiras.

Já no caso do câncer de colo do útero, a doença é a terceira causa de morte por câncer em mulheres no Brasil, com exceção do câncer de pele.

A coordenadora, Daiana de Carvalho Souza, explica que o câncer de mama e o de colo de útero estão fortemente associados a fatores de risco tais como: alimentação não saudável, sedentarismo, obesidade, tabagismo e o consumo de bebida alcoólica.

Prevenção

A Diretora da Promoção à Saúde, Daniela Campos, destaca que pequenas atitudes contribuem na prevenção ao câncer de mama. “É importante basear a alimentação em alimentos obtidos diretamente das plantas, em animais adquiridos para o consumo sem que tenham sofrido qualquer alteração, além da ingestão de água, manutenção do peso saudável e a prática regular de atividade física. Ainda de acordo com Daniela, as usuárias do SUS podem procurar a equipe de saúde da família ou a Unidade Básica de Saúde para tirar as dúvidas e se informar sobre as ações de promoção da saúde que são ofertadas.

Créditos: Marcus Ferreira

Já no caso do câncer de colo do útero, a primeira forma de prevenção está relacionada à diminuição do contágio pelo Papiloma Vírus Humano (HPV). A infecção por HPV é a infecção sexualmente transmissível mais comum em todo o mundo, e sua transmissão ocorre principalmente por via sexual, mas pode ocorrer por qualquer contato direto com a pele ou mucosa infectada.

São medidas de prevenção: fazer uso de preservativo em todas as relações sexuais, cuidar da higiene íntima, conhecer o próprio corpo, estando atenta a alterações e realizar o exame preventivo do câncer de colo do útero, para detecção de lesões ainda em fase inicial. O exame é ofertado pelo SUS nas Unidades Básicas de Saúde e é a estratégia mais adotada para detecção da doença em mulheres de 25 a 64 anos, que já tiveram algum tipo de atividade sexual.

Vacina contra HPV

A vacina oferecida pelo SUS confere proteção para quatro tipos de HPV e está disponível para meninas de 9 a 14 anos, meninos de 11 a 14 anos e para pessoas de 9 a 26 anos, vivendo com HIV, transplantados ou em tratamento de câncer.

Atualmente, a cobertura vacinal entre as meninas, está em 48,59%. Já entre meninos, esse número cai para 27,59%. A meta estabelecida pelo Ministério da Saúde é de 80%.

Mamografia

No SUS, a mamografia é recomendada para mulheres de 50 a 69 anos, de 2 em 2 anos, ou em intervalos menores dependendo do resultado do exame anterior. Em mulheres fora dessa faixa etária, com elevado risco para câncer de mama (histórico familiar e/ou histórico pessoal de câncer de mama) é necessário avaliação e acompanhamento individualizado.

Vale destacar que a solicitação da mamografia deve ser realizada pelo profissional da unidade, durante a consulta ou em estratégias de busca ativa de mulheres, como visita domiciliar. Daiana de Carvalho Souza explica que, durante as consultas, o profissional deve realizar o exame clínico das mamas para detectar lesões palpáveis. Além de solicitar o exame, cabe realizar orientações sobre a forma como o exame é feito, bem como a sua importância para fortalecer a aderência da usuária à sua realização.

Segundo o Ministério da Saúde e a Sociedade Brasileira de Mastologia (SBM), o autoexame das mamas já deixou de ser indicado para identificar e prevenir o câncer de mama, isso porque o método, que já foi bastante preconizado, ajuda a conhecer o próprio corpo, mas não substitui o exame clínico das mamas.

Daiana de Carvalho Souza explica, ainda, que a mulher deve ser estimulada a conhecer o que é normal em suas mamas e a perceber alterações suspeitas de câncer, por meio da observação e palpação ocasionais de suas mamas, em situações do cotidiano, sem periodicidade e técnica padronizadas como acontecia com o método de autoexame.

Projeto contínuo da qualidade da mamografia

Em 2004, foi criado o Projeto contínuo da qualidade das mamografias, como resultado de uma parceria entre a Superintendência de Vigilância Sanitária do Estado de Minas Gerais e o Centro de Desenvolvimento da Tecnologia Nuclear (CDTN), unidade de pesquisa da Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN). Inicialmente com o objetivo de monitorar os mamógrafos localizados em estabelecimentos de saúde em Belo Horizonte, o programa foi reformulado no ano de 2017 e passou a monitorar todos os equipamentos de mamografia do estado.

A referência técnica da Diretoria de Vigilância em Serviços de Saúde da SES-MG, Flávia Reis, explica que “o PECQMamo é uma importante ferramenta de gerenciamento da qualidade da mamografia, auxiliando no diagnóstico precoce do câncer de mama, por meio do monitoramento da qualidade técnica dos mamógrafos instalados nos serviços de mamografia públicos e privados do estado de Minas Gerais, por meio da avaliação da imagem radiográfica de um simulador de mama”. O estado de Minas Gerais possui, segundo dados do CNES, atualizados em setembro de 2019, 327 mamógrafos.

A Coordenadora de Atenção Especializada Ambulatorial, Débora Cristina Lara Conrado, explica que para aumentar a frequência e adesão das mulheres aos exames, bem como para reforçar sinais e sintomas de alerta, que devem ser observados pelas usuárias, as ações de promoção à saúde devem ser vistas como uma estratégia importante. “Além de abordagens para grupos específicos de mulheres é fundamental que os processos educativos ocorram em todos os contatos da usuária com o serviço, estimulando-a a realizar os exames de acordo com a indicação”.

Ações da SES-MG

Pensando em ações que beneficiem diretamente os diagnósticos e tratamentos do câncer de mama e do câncer do colo do útero, a SES-MG desenvolveu as seguintes iniciativas focadas no fortalecimento da rede de oncologia no estado:

  • No final do ano de 2018, a Deliberação CIB-SUS-MG n° 2846 instituiu o Plano da Rede de Atenção em Oncologia que foi implantada em janeiro desde ano.
  • Reprogramação, através da Deliberação CIB-SUS-MG n° 2854, visando a ampliação do Serviço de Serviço de apoio a diagnóstico e terapia, no valor de R$ 45.884.762,00 (quarenta e cinco milhões, oitocentos e oitenta e quatro mil, setecentos e sessenta e dois reais) para os Hospitais de Oncologia, no tocante a serviços de apoio a diagnósticos e terapias otimizando assim o destino dos recursos;
  • Lançamento, em março de 2019 através de Deliberação CIB-SUS-MG n° 2290, do Protocolo de Auto Suspeição. Essa ação visa diminuir o tempo de intervenção e tratamento do câncer, uma vez que diante de uma suspeita por parte do profissional da saúde sobre o diagnóstico, ele já inicia alguns procedimentos de intervenção e encaminhamento.
  • Fomento da oferta de ações de promoção à saúde na Atenção Primária à Saúde.
]]>
Banco de notícias Tue, 08 Oct 2019 13:20:22 +0000
Saúde retoma investimentos no SAMU Leste http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/11629-saude-retoma-investimentos-no-samu-leste http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/11629-saude-retoma-investimentos-no-samu-leste

Mesmo diante da crise financeira enfrentada pelo Estado de Minas Gerais, que herdou um rombo de R$ 34,5 bilhões, sendo R$ 3,84 bilhões somente na Saúde, a Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) vem somando esforços para realizar os devidos repasses aos programas estaduais. Prova disso é a retomada de investimentos para viabilizar a implantação do SAMU Leste. No último dia 27 de setembro, a SES-MG liberou o valor de R$ 1,2 milhão para o Consórcio Intermunicipal de Saúde da Rede de Urgência e Emergência do Leste de Minas (Consurge).

Para o secretário de Estado de Saúde de Minas Gerais, Carlos Eduardo Amaral, o fato da secretaria ter investido esse montante e ainda assumir o compromisso de liberar R$ 400 mil por mês para o Consurge, até atingir a totalidade do convênio firmado, mostra o compromisso do Estado com a saúde dos mineiros. “Sabemos da importância dos serviços de urgência e emergência e, por isso, estamos direcionando nossos recursos financeiros para os programas prioritários. O SAMU Leste é um deles e, juntamente com o apoio de deputados da região, estamos retomando os investimentos a fim de garantir uma saúde de mais qualidade aos mais de 800 mil habitantes abrangidos pelo serviço regional”, ressaltou o secretário.

Créditos: Beto Oliveira

O convênio firmado entre o Estado e o Consurge totaliza R$ 5,4 milhões, sendo que já foram repassados R$ 3,9 milhões. O aporte restante, de R$ 1,5 milhão, será repassado por meio de parcelas mensais de R$ 400 mil. O convênio prevê, ainda, contrapartida municipal e, após entrar em funcionamento, o SAMU Leste poderá pleitear habilitação pelo Ministério da Saúde, passando a receber também recurso federal. O SAMU Leste já conta com sede implantada e 5 unidades móveis (Unidade de Suporte Avançado - USA).

Segundo o diretor executivo do Consurge, Narcélio Alves da Costa, foi realizado concurso para contratação da equipe e treinamento para 320 profissionais para o SAMU Leste. “Sabemos das dificuldades do Estado e, por isso, reconhecemos o empenho da SES-MG, tanto no nível central, quanto por meio da Regional de Saúde, para viabilizar a implantação do serviço o mais rápido possível”, disse. O secretário de Saúde, Carlos Eduardo Amaral, também enfatizou o respaldo político de deputados, que vêm se sensibilizando por meio das emendas parlamentares. Os deputados estaduais Agostinho Patrus (PV), Celise Laviola (MDB), Coronel Sandro (PSL) e João Magalhães (MDB), bem como os deputados federais Alê Silva (PSL), Hercílio Coelho Diniz (MDB) e Euclydes Pettersen (PSC) são alguns dos que contribuem para fomentar o desenvolvimento da região.

]]>
Banco de notícias Tue, 08 Oct 2019 09:33:31 +0000
Ministério da Saúde promove campanha nacional de Vacinação contra Sarampo http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/11570-ministerio-da-saude-promove-campanha-nacional-de-vacinacao-contra-sarampo http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/11570-ministerio-da-saude-promove-campanha-nacional-de-vacinacao-contra-sarampo

Seguindo orientações do Ministério da Saúde, a Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) realizará entre os dias 07/10 e 30/11 a Campanha de Vacinação contra o Sarampo no estado. Neste ano, a estratégia de vacinação será realizada em duas etapas, que contemplarão os grupos mais acometidos pela doença, com o objetivo de interromper a circulação do vírus do sarampo no Brasil.

Ao longo da primeira etapa, que irá de 07/10 a 25/10, será realizada vacinação das crianças de seis meses a menores de cinco anos de idade (4 anos, 11 meses e 29 dias) não vacinadas, sendo o Dia D de Mobilização em 19/10.

Já na segunda etapa, a ser realizada de 18/11 a 30/11, será o momento para os jovens adultos, com idade entre 20 e 29 anos, se vacinarem. Para essa fase, o Dia D de Mobilização está marcado para 30/11.

A coordenadora Estadual do Programa de Imunizações, Josianne Gusmão, reforça que no caso da chamada ‘dose zero’, disponibilizada a crianças de 6 meses a 11 meses de idade, a mesma não é considerada válida para o Calendário Nacional de Vacinação, havendo a necessidade da criança receber a vacina aos 12 meses e aos 15 meses de idade. “As crianças nessa faixa etária, entre 06 a 11 meses, são mais vulneráveis aos casos graves e óbitos causados pelo sarampo. Com base nisso, a medida se justifica, para que possamos ampliar a proteção a todos eles”, explicou a coordenadora Estadual do Programa de Imunizações, Josianne Dias Gusmão.

Créditos: Gil Leonardi/Imprensa MG

Josianne Gusmão ressalta, ainda, que a chamada ‘dose zero’ não substitui as doses programadas pelo calendário nacional de vacinação da criança. “Além dessa dose que está sendo aplicada agora, os pais e responsáveis devem levar os filhos para tomar a vacina tríplice viral (D1) aos 12 meses de idade, ou seja, com 01 ano de idade para a primeira dose e depois aos 15 meses (01 ano e 03 meses) para a segunda, quando tomarão a vacina tetra viral ou a tríplice viral com varicela", apontou.

A estimativa de não vacinados de crianças de 6 meses a 4 anos, 11 meses e 29 dias é de 770.545 crianças.

Cobertura vacinal em Minas

De acordo com a cobertura vacinal acumulada de 1997 a março de 2019, Minas Gerais apresenta cobertura de 73,67% em pessoas com uma dose da tríplice viral. Já com relação à segunda dose, esse número cai para 41,43%.

Desde o início do ano foram confirmados um total de 30 casos de sarampo em Minas Gerais e o estado está com surto ativo da enfermidade, segundo o Ministério da Saúde. Josianne Gusmão, reforça que a vacina é segura e eficaz na prevenção da doença. “A principal ação da SES-MG para impedir o avanço da doença é manter a população protegida por meio da vacinação, mobilizando esforços para garantia de altas coberturas vacinais”, explica Josianne Gusmão.

Mais informações sobre a doença estão disponíveis em: www.saude.mg.gov.br/sarampo

]]>
Banco de notícias Thu, 26 Sep 2019 12:33:52 +0000
Hospital Alberto Cavalcanti promove Outubro Rosa http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/11649-hospital-alberto-cavalcanti-promove-outubro-rosa http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/11649-hospital-alberto-cavalcanti-promove-outubro-rosa

Todos os anos, o Hospital Alberto Cavalcanti (HAC) se mobiliza para promover o Outubro Rosa, campanha mundial sobre a importância da prevenção ao câncer de mama. Neste ano, não poderia ser diferente: no dia 10, o Ambulatório de Especialidades mudou sua rotina e promoveu uma celebração de otimismo, superação, mas também de conscientização sobre o tema.

O HAC voltou a se dedicar exclusivamente à Oncologia no mês passado, quando encerrou as atividades do Pronto-Atendimento para urgências clínicas. Como explica o presidente da Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais (Fhemig), Fábio Baccheretti Vitor, “esse é um momento especial na história do Alberto Cavalcanti, que marca a consolidação da sua vocação assistencial, o atendimento ao paciente com câncer. Nossa expectativa é que consigamos atender cada vez um número maior, agilizando os tratamentos para essa doença que sensibiliza toda a sociedade. Nesse Outubro Rosa, esperamos mobilizar a atenção de todos com este bonito evento, onde funcionários, pacientes e familiares, parceiros e voluntários se reuniram em torno de uma causa tão relevante”.

Créditos: Ascom Fhemig

“São eventos como esse que reforçam a nossa missão, sobretudo agora que tivemos uma redefinição que nos permite voltar nossas energias para a atuação oncológica no município e no Estado”, concorda o diretor do HAC, Gustavo Marques Braga, que completa: “Campanhas como a do Outubro Rosa trazem à tona um problema social que é o combate ao câncer, enfrentando o preconceito e o receio de se discutir sobre essa doença. Câncer é passível de cura e esse trabalho é extremamente importante para conscientizar sobre isso. Além de assistir ao paciente, temos também o papel de educar, de orientar sobre prevenção, de promover a saúde”.

Rapidez para iniciar tratamento é essencial para a cura

O Hospital Alberto Cavalcanti é referência estadual na assistência oncológica pelo SUS, com uma equipe multidisciplinar que acompanha mensalmente cerca de 80 pacientes de câncer de mama na unidade. Entre os serviços disponibilizados estão consultas especializadas (mastologista, cirurgia plástica, oncologista clínico etc.), equipe multiprofissional (psicologia, terapia ocupacional, fisioterapia, serviço social e nutrição), exames diversos (mamografia, ultrassom, tomografia, agulhamento, biópsia), tratamentos (quimioterapia e hormonioterapia), cirurgias, reconstruções mamárias e internações.

O encaminhamento para o HAC é feito por meio da Comissão Municipal de Oncologia (CMO/PBH) que, por sua vez, recebe pacientes da Central de Internação. A paciente é agendada para atendimento no ambulatório de mastologia, onde é feita a investigação e a complementação diagnóstica, bem como o tratamento. “Tudo isso no menor espaço de tempo possível”, ressalta a mastologista Luciana Azevedo.

A médica explica que o tratamento é personalizado e depende de fatores relacionados à paciente e às características do tumor. O tratamento do câncer de mama é amplo e envolve diversas especialidades na área da saúde. “É importante criarmos uma rede de apoio ao paciente oncológico a fim de aumentar as chances de sucesso no tratamento”, lembra Luciana.

A prevenção do câncer de mama

A mastologista comenta que existem diversos mitos sobre o câncer de mama, mas “o que realmente podemos fazer para prevenir essa doença é a avaliação médica anual, a prática de atividade física, o controle da obesidade e fazer uma dieta saudável. Isso pode reduzir em até 25% o risco de ter câncer de mama”. Segundo ela, o principal método de rastreio do câncer de mama é a mamografia. Nenhum outro exame substitui a mamografia, os demais exames são complementares.

Nos homens, o câncer de mama corresponde a 1% dos casos. O tratamento é parecido com o do câncer nas mulheres, mas vai depender de cada caso – lembrando que os casos são tratados individualmente.

“Toda a equipe do Hospital Alberto Cavalcanti trabalha ativamente na atualização dos tratamentos, oferecendo sempre as melhores e mais atuais condutas no tratamento do câncer de mama, que são acessíveis no Sistema Único de Saúde (SUS)”, conclui Luciana Azevedo.

Exemplos de superação

A costureira Maria das Graças e Silva, 69 anos, enfrentou há 21 anos um câncer de mama e nunca mais saiu do Alberto Cavalcanti. “Encontrei uma equipe que sempre me acolheu com carinho, me curei totalmente e resolvi que iria ajudar no que pudesse. Tornei-me monitora na oficina de sutiãs da equipe de Terapia Ocupacional do hospital. Ajudo as mulheres a se tornarem bonitas mesmo diante de um momento difícil. A vaidade é importante neste caso. E nunca desistir, é claro”. Maria das Graças costura e ensina a fazer sutiãs com enchimento que disfarçam a mastectomia, sua maneira de se solidarizar com as mulheres que por ali passam.

Créditos: Ascom Fhemig

Avani Antônia de Souza Silva começou há três meses seu tratamento e se sentiu envolvida com o evento. “Estou adorando essa iniciativa, conseguiu ‘me jogar pra cima’, me lembrar que não somente eu passo por isso e que tenho pessoas pra me apoiar, além da família e dos amigos. Não me sinto sozinha. Mas o essencial é ter fé e buscar tratamento. Como devota de Nossa Senhora, sei que não vou perder essa”. Avani tem 56 anos e trabalha com turismo.

Parceiros do HAC

Várias organizações não-governamentais (ONG’s) compareceram para proporcionar momentos especiais aos convidados. Algumas estão presentes nas mais diversas ocasiões no hospital, como a “Um sorriso por uma foto”, da administradora e fotógrafa Janaína Moura. Há quatro anos, eles se envolvem em ações do HAC e oferecem apoio para os pacientes, ajudando no que precisam, de cestas básicas a orientação jurídica. No caso das fotos, o objetivo é resgatar a autoestima.

A autoestima também tem seu lugar no trabalho oferecido pela tatuadora Tatiana Michelle, do estúdio Polaris Tattoo Shop. Ela estava em um dos ambulatórios tatuando, ou melhor, fazendo micro pigmentação do mamilo de uma paciente que retirou um dos seios. Essas “tatuagens” são oferecidas gratuitamente pelo seu estúdio.

Também estavam presentes Glauco e Marconi, da ONG “Todos por uma boa causa”, que desenvolve um trabalho de buscar cabelos e confeccionar perucas que são doadas às pacientes que apresentam queda de cabelos, um dos possíveis efeitos colaterais dos tratamentos contra o câncer.

A programação da abertura do Outubro Rosa no HAC ainda contou com a participação do grupo de teatro Gamaliel, com a apresentação musical da aluna Ellen Cristina (Enfermagem Faseh) e com o show do comediante Thiago Carmona. O servidor Leonardo Hilário leu um texto de sua própria autoria no início das atividades.

Servidores das equipes multiprofissionais, como Fisioterapia, Fonoaudiologia e Nutrição, também montaram seus stands para participarem do evento. Destacando que as ações do Outubro Rosa no HAC vêm sendo produzidas pelo Ambulatório de Especialidades, coordenado por Cíntia Esteves Soares.

]]>
Banco de notícias Mon, 14 Oct 2019 08:48:21 +0000
Governador Romeu Zema visita Hemominas e ressalta nova certificação recebida pela instituição http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/11647-governador-romeu-zema-visita-hemominas-e-ressalta-nova-certificacao-recebida-pela-instituicao http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/11647-governador-romeu-zema-visita-hemominas-e-ressalta-nova-certificacao-recebida-pela-instituicao

O governador Romeu Zema visitou nesta sexta-feira (11/10) a sede da Hemominas, em Belo Horizonte. Além de conhecer e acompanhar os procedimentos para doação de sangue, ele também visitou os laboratórios de hemocomponentes e de sorologia, conversou com doadores e servidores.

Crédito: Gil Leonardi | Imprensa MG

O local é referência nacional na coleta e transfusão de sangue. Neste ano, a instituição recebeu certificado da Associação Brasileira de Hematologia, Hemoterapia e Terapia Celular (ABHH Accreditation), em parceria com a American Association of Blood Banks (AABB), como reconhecimento formal internacional da qualificação técnica e excelência em segurança transfusional pela comunidade técnico científica e sociedade em geral. O título é concedido mediante comprovação, por auditoria especializada, do atendimento de normas técnico-sanitárias, gerenciais e legislação em geral de padrões internacionais de transfusão.

Na prática, a AABB certifica que um paciente de um país onde a certificação é obrigatória pode receber um hemocomponente produzido pela Hemominas. No Brasil, cerca de oito instituições possuem a certificação em todos os processos.

Ao lado da presidente da Fundação Hemominas, Junia Cioffi, e do secretário de Estado de Saúde, Carlos Eduardo Amaral, o governador destacou o certificado recebido e o trabalho desenvolvido pela fundação. “Vocês fazem um trabalho extremamente útil. De fato, salvam vidas. Estamos fazendo o que está ao nosso alcance no Estado. Conte com o nosso apoio”, afirmou.

Crédito: Gil Leonardi | Imprensa MG

A presidente Junia Cioffi citou a intenção da Hemominas de ampliar sua atuação na área da Saúde e salientou a importância do certificado. “É um reconhecimento do nosso trabalho”, disse.

Doações

De janeiro a setembro deste ano, 266.700 pessoas se candidataram para doar sangue em Minas, uma média mensal de 29.634 candidatos. Com as doações é feito o fornecimento de sangue a cerca de 600 hospitais e clínicas em todo o estado, representando cerca de 94% da necessidade de hemocomponentes para atendimento SUS e setor. Atualmente, a maior demanda é pelo grupo ‘O’ e de Rh Negativos.

A Fundação Hemominas conta com 24 unidades próprias em todo o estado e, além da coleta de sangue, a instituição também faz atendimento de doenças relacionadas ao sangue.

]]>
Banco de notícias Fri, 11 Oct 2019 17:25:23 +0000
Regional de Montes Claros e Unimontes debatem sobre os desafios e perspectivas para o controle das leishmanioses http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/11646-regional-de-montes-claros-e-unimontes-debatem-sobre-os-desafios-e-perspectivas-para-o-controle-das-leishmanioses http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/11646-regional-de-montes-claros-e-unimontes-debatem-sobre-os-desafios-e-perspectivas-para-o-controle-das-leishmanioses

Com o objetivo de fazer uma análise simultânea da saúde humana, animal e ambiental, nesta quinta e sexta-feira (10 e 11/10), foi realizado em Montes Claros o Simpósio Leishmanioses: Desafios e Perspectivas. O evento, organizado pela Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes) teve como parceira a Secretaria de Estado da Saúde de Minas Gerais (SES-MG). A coordenadora do Núcleo de Vigilância Ambiental, Epidemiológica e de Saúde do Trabalhador (Nuveast) da Regional de Saúde de Montes Claros, Agna Soares da Silva Menezes participou de debates com outros profissionais de saúde, abordando as conquistas e os desafios que o controle das leishmanioses visceral e tegumentar ainda exige do poder público.

Crédito: Pedro Ricardo

Dirigido a um público multiprofissional, o simpósio reuniu no Centro de Ciências Biológicas e da Saúde, no Campus sede da Unimontes, algumas das principais referências nacionais no estudo das leishmanioses. Entre elas, esteve presente o professor Vítor Márcio Ribeiro, médico veterinário e pesquisador do grupo de estudo em leishmaniose animal, do qual é vice-presidente nacional; e o professor doutor Sílvio Fernandes Guimarães, médico infectologista, consultor do Ministério da Saúde e responsável pelo tratamento da leishmaniose visceral no Hospital Universitário Clemente de Faria (HUCF), sediado em Montes Claros.

A coordenadora do Nuveast, Agna Menezes, assinala que a realização do Simpósio proporciona a disseminação e o aprofundamento dos conhecimentos sobre as leishmanioses, a troca de experiências entre pesquisadores ligados a instituições de ensino superior com profissionais de várias outras áreas do conhecimento, inclusive atuantes em órgãos governamentais como a SES-MG. "A iniciativa possibilita o avanço dos estudos e o aprimoramento das ações voltadas ao atendimento de pacientes diagnosticados com algum dos tipos da leishmaniose”, conclui Agna Menezes.

A superintendente regional de saúde de Montes Claros, Dhyeime Thauanne Pereira Marques, reforça a importância da interação entre a SES-MG, Unimontes e profissionais de outras instituições voltadas para o aprofundamento das discussões sobre as leishmanioses. "Trata-se de um problema de saúde pública, cujo combate e controle precisa de forte articulação entre os serviços de saúde, as instituições de ensino que detêm conhecimento científico e profissionais de várias áreas do conhecimento, tendo em vista a importância de ser assegurada a devida assistência aos pacientes acometidos pela doença", salienta a superintendente.

Por sua vez a professora Thallyta Maria Vieira, organizadora do Simpósio, destaca a pluralidade do público participante. “Dentro da universidade, conseguimos reunir médicos, veterinários, enfermeiros, biólogos e outros profissionais que passam a dialogar com o mesmo olhar para a saúde única”, acrescenta.

Pontos críticos

Durante a palestra, o professor Vítor Ribeiro destacou os pontos mais críticos que fazem com que a Leishmaniose seja uma das prioridades de ações na saúde pública. “São dois tipos da doença e ambos são extremamente graves para os seres humanos. A leishmaniose visceral tem uma letalidade considerável e a leishmaniose tegumentar pode causar a deformação das pessoas, com tratamentos tóxicos e de evolução prolongada. Além do risco iminente à vida do paciente, o tratamento tem um valor financeiro elevado, com hospitalização, medicação e a pessoa para de produzir porque não tem como trabalhar”, enfatizou o professor.

Segundo Vítor Ribeiro, a melhor maneira de se combater a Leishmaniose é dar dignidade nas condições de vida, especialmente para a população mais carente, que vive em situação mais vulnerável aos riscos da doença. “A questão é mais séria do que se pensa porque envolve o contexto físico, cultural e o educacional. O Brasil ainda não aprendeu a cuidar melhor de seus ambientes e a cuidar melhor dos seus animais, para que esses agentes infecciosos sejam controlados”, pontuou. Sobre a iniciativa da realização do simpósio, o professor frisou a importância do debate na academia, aliado à busca de experiências com profissionais de diversas outras áreas do conhecimento.

Segundo a Unimontes, os simpósios serão realizados regularmente pelo Centro de Pesquisa em Doenças Infecciosas. A próxima temática estará associada à doença de Chagas que, como a Leishmaniose, tem grande incidência no Norte de Minas. Por isso, o incentivo ao debate e aos estudos em nível local e regional terá a participação de especialistas de renome nacional.

A doença

A Leishmaniose Visceral (LV) é uma doença infecciosa grave, sistêmica e fatal se não tratada, considerada de grande importância para a saúde pública. É causada pelo protozoário Leishmania chagasi, transmitida pelo vetor Lutzomia longipalpise que possui como principal reservatório na área urbana os cães. A ocorrência da LV é descrita em Minas Gerais na região Norte desde a década de 1940 e, no Vale do Rio Doce, desde 1960. A partir da década de 1980 a LV se expande para o ambiente urbano.

Os principais sintomas da doença são: febre de longa duração; aumento do fígado e baço, perda de peso, fraqueza, redução da força muscular e anemia. Apesar de grave, a leishmaniose visceral tem tratamento gratuito e está disponível na rede de serviços do Sistema Único de Saúde (SUS). 

Já a Leishmaniose Tegumentar (LT) é uma doença infecciosa, não contagiosa, que provoca úlceras na pele e mucosas. A doença é causada por protozoários do gênero Leishmania. A doença é transmitida ao ser humano pela picada das fêmeas de flebotomíneos (espécie de mosca) infectadas. Os insetos, dependendo da localização geográfica, são conhecidos como mosquito palha, tatuquira e birigui.

Os sintomas da Leishmaniose Tegumentar (LT) são lesões na pele e/ou mucosas. As lesões de pele podem ser única, múltiplas, disseminada ou difusa. Elas apresentam aspecto de úlceras, com bordas elevadas e fundo granuloso, geralmente indolor. O SUS oferece tratamento específico e gratuito para a Leishmaniose Tegumentar, com uso de medicamentos específicos, repouso e uma boa alimentação.

]]>
Banco de notícias Fri, 11 Oct 2019 17:23:06 +0000
Inspeção Farmacêutica em nível internacional poderá facilitar exportações da indústria mineira http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/11645-inspecao-farmaceutica-em-nivel-internacional-podera-facilitar-exportacoes-da-industria-mineira http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/11645-inspecao-farmaceutica-em-nivel-internacional-podera-facilitar-exportacoes-da-industria-mineira

O setor da indústria farmacêutica dotado de capacidade de exportação e instalado em Minas Gerais poderá se beneficiar do processo de adesão do Brasil ao Esquema de Cooperação em Inspeção Farmacêutica (Pharmaceutical Inspection Co-operation Scheme – PIC/S). Auditores estrangeiros estiveram em Brasília, no último dia 9/10, para uma visita à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) e, entre os dias 11 a 15 de outubro, farão inspeções em Minas. A primeira ocorre na Fundação Ezequiel Dias, na sexta, enquanto as outras avaliarão a Superintendência de Vigilância Sanitária da Secretaria de Estado de Saúde (VISA/MG), tanto no nível central, quanto o acompanhamento dos trabalhos de vistoria feitos pela VISA/MG, em Montes Claros.

“O PIC/S constitui uma pactuação de boas práticas farmacêuticas, de abrangência internacional. Com a adesão do Brasil, há um ganho da indústria nacional, que pode ter acesso a mercados importantes como Estados Unidos, União Europeia e Japão de forma mais facilitada, uma vez que nossos processos de auditoria estariam em conformidade com os marcos legais e as exigências desses mercados”, explica Alessandro de Souza Melo, diretor de Vigilância Sanitária em Medicamentos e Congêneres da SES-MG.

Minas Gerais é um dos destinos das auditorias, tendo em vista a parceria estabelecida nos últimos anos entre a Vigilância Sanitária da SES-MG e a Anvisa. Alessandro Melo aponta que além da possibilidade de fomento econômico, há benefícios também para o corpo técnico da VISA/MG. “Podemos aprimorar nossos sistemas, atualizar nossos atos normativos, adequar procedimentos e contar com inspetores qualificados em parâmetros internacionais”, afirma.

Créditos: Banco de Imagem PixaBay

Ainda segundo o diretor, todo esse esforço traz benefícios diretos para a população brasileira, que poderá contar com medicamentos de maior qualidade. “São quatro inspetores de origem estrangeira, de países já integrantes do PIC/S, que primeiro estiveram em Brasília. Além de visitas a Minas, São Paulo também receberá os inspetores”. Finalizados os trabalhos, a expectativa é que o Brasil possa se tornar membro do PIC/S, sendo o segundo país da América do Sul, além da Argentina, a integrá-lo.

Sobre o PIC/S

O Esquema de Cooperação em Inspeção Farmacêutica (PIC/S) é um acordo cooperativo internacional de caráter informal e não vinculativo entre autoridades reguladoras no campo de Boas Práticas de Fabricação (BPF) de medicamentos para uso humano ou veterinário. Está aberto a qualquer autoridade que possua um sistema de inspeção compatível. Atualmente, o PIC/S compreende 52 autoridades participantes de todo o mundo. Tem por objetivo harmonizar os procedimentos de inspeção farmacêutica em âmbito internacional, desenvolvendo padrões comuns no campo das BPF, além de ofertar oportunidades de treinamento aos inspetores. Busca, também, facilitar a cooperação e o trabalho em rede entre autoridades competentes, organizações regionais e internacionais, aumentando assim a confiança mútua.

]]>
Banco de notícias Fri, 11 Oct 2019 16:39:22 +0000
Regional de Saúde de Coronel Fabriciano realiza capacitação para profissionais da Atenção Primária http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/11644-regional-de-saude-de-coronel-fabriciano-realiza-capacitacao-para-profissionais-da-atencao-primaria http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/11644-regional-de-saude-de-coronel-fabriciano-realiza-capacitacao-para-profissionais-da-atencao-primaria

A Regional de Saúde Coronel Fabriciano, realizou nesta quarta-feita (10/10), em seu auditório, reunião técnica sobre a Política Estadual de Promoção da Saúde. O evento foi direcionado aos coordenadores de Atenção Primária e dos Núcleos de Apoio à Saúde da Família dos municípios que compõem as microrregiões de saúde de Caratinga, Ipatinga e Coronel Fabriciano-Timóteo.

20191010 105652

A Referência Técnica da Regional de Saúde, Aline Eliane dos Santos, que coordenou os trabalhos, informou que a reunião teve como objetivo orientar sobre a execução dos indicadores da Política Estadual de Promoção da Saúde e esclarecer dúvidas destes profissionais sobre outros programas como o Saúde na Escola e Programa Crescer Saudável.

“Nesta capacitação os cinco indicadores (Atividade Física, Ações de Educação em Saúde, Saúde na Escola, Registro do Consumo Alimentar e Bolsa Família), foram discutidos com os profissionais, que aproveitaram para pontuar as dúvidas e dificuldades. Sabemos da rotatividade destes profissionais nos municípios, por isso é necessária uma atualização constante, a fim de apoiar tecnicamente todos os profissionais da atenção primária”, esclareceu Aline.

A Política Estadual de Promoção da Saúde foi instituída em abril de 2016, resultado de um movimento de apropriação e ativação da Política Nacional de Promoção da Saúde (PNPS). “Entre seus objetivos, a política busca principalmente a articulação intersetorial, com intervenções individuais, coletivas e ambientais sobre os determinantes sociais da saúde e a redução da vulnerabilidade e das desigualdades”, finalizou Aline.

]]>
Banco de notícias Fri, 11 Oct 2019 16:16:29 +0000
Regional de Saúde de Pirapora realiza reunião sobre Outubro Rosa http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/11643-regional-de-saude-de-pirapora-realiza-reuniao-sobre-outubro-rosa http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/11643-regional-de-saude-de-pirapora-realiza-reuniao-sobre-outubro-rosa

A Regional de Saúde de Pirapora realizou na manhã de quinta-feira (10/10) um momento para Reflexão sobre o Outubro Rosa. Participaram da reunião técnicos da Regional e técnicos dos municípios e Estado que estavam realizando a Força Tarefa no município de Pirapora. O objetivo do encontro foi promover a conscientização e alerta aos participantes sobre a importância da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer de mama e mais recentemente sobre o câncer de colo do útero.

Crédito: Lillian Morais

A diretora da Regional de Saúde, Adriana Katia Emiliano Souza, falou sobre a importância do envolvimento de todos. “A saúde da mulher deve ser discutida entre todos, inclusive homens, uma vez que podem alertar seus familiares como filhas, irmãs, mães e esposas, além de abordar os hábitos de vida saudáveis, para a manutenção da saúde”. A diretora reforça sua fala dizendo que a Regional de Saúde possui um papel de destaque na saúde das mulheres da microrregião de Pirapora, devendo acompanhar os Municípios na educação permanente dos profissionais da saúde no intuito de disseminar informações à toda a população.

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), é recomendado que as pessoas adotem níveis adequados de atividade física ao longo de toda a vida, para a manutenção da saúde e qualidade de vida.

A Referência Técnica em Educação Permanente da Regional de Saúde, Lillian Morais Silva Tararam, ressalta que “a conscientização quanto às formas preventivas de doenças é de extrema importância para evitar o adoecimento das mulheres, em especial no que se refere ao câncer de mama, uma vez que prática de hábitos saudáveis, está diretamente associada ao menor risco de desenvolver o supracitado câncer”.

Durante a reunião houve também um momento de orientações e a realização de uma ginástica laboral, com o intuito de promover uma das formas de estimular o autocuidado entre os participantes.  A reunião foi finalizada com um café compartilhado e interação entre os membros presentes.

Outubro Rosa

Anualmente é realizada uma campanha no mês de outubro denominada Outubro Rosa com o fim de alertar a sociedade sobre o diagnóstico precoce do câncer de mama, ressaltando a importância da prevenção, bem como disseminando informações aceca de uma vida saudável.

Segundo o Instituto Nacional de Câncer – INCA – o câncer de mama encontra-se em segundo lugar quanto ao tipo que mais acomete as mulheres brasileiras, representando cerca de 25% (cinte e cinco) por cento de todos os cânceres que afetam o sexo feminino.

É importante ressaltar que as mulheres com idade entre 50 a 69 anos de idade, além observarem o próprio corpo, devem realizar o exame de mamografia a cada dois anos, pois este exame ajuda na identificação do câncer antes do aparecimento dos sintomas.

]]>
Banco de notícias Fri, 11 Oct 2019 12:29:14 +0000
Unidades da Hemominas não abrem no feriado de 12 de outubro http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/11641-unidades-da-hemominas-nao-abrem-no-feriado-de-12-de-outubro http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/11641-unidades-da-hemominas-nao-abrem-no-feriado-de-12-de-outubro

A Fundação Hemominas informa que, neste sábado, 12 de outubro, feriado de Nossa Senhora Aparecida (Padroeira do Brasil), não haverá atendimento aos candidatos à doação de sangue nas unidades, tanto da capital como do interior do estado.

]]>
Banco de notícias Fri, 11 Oct 2019 10:55:29 +0000
Regional de Pouso Alegre promove capacitação sobre tabagismo http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/11642-regional-de-pouso-alegre-promove-capacitacao-sobre-tabagismo http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/11642-regional-de-pouso-alegre-promove-capacitacao-sobre-tabagismo

A fim de capacitar um maior número de profissionais da Atenção Primária à Saúde para ofertar nos territórios ações de prevenção ao uso do tabaco, assim como ao tratamento dos tabagistas, o Núcleo de Atenção Primária à Saúde da Regional de Saúde de Pouso Alegre realizou nesta quinta (10/10), mais uma capacitação do Programa Nacional de Controle do Tabagismo. O público era composto por médicos, enfermeiros e psicólogos responsáveis pela condução dos grupos.

O evento organizado pela referência técnica do referido programa na Regional, Ana Carolina Seabra Silveira, contou com apoio e participação do médico Flávio Aparecido Pereira, da enfermeira Thaís Rodrigues de Souza, ambos do município de Extrema, e das referências técnicas do Núcleo de Atenção Primária à Saúde da Regional de Pouso Alegre, Izabella Rocha Veloso Sousa e Patrícia Fonseca.

11.10 otavio

Na ocasião, foram abordados os temas: controle de tabagismo no Brasil, abordagem cognitivo-comportamental, tratamento medicamentoso, novas formas de consumo do tabaco, alimentação e nutrição e tabagismo, ações de promoção à saúde e práticas integrativas no apoio ao tratamento e cessação do uso do tabaco, bem como registro no e-SUS das ações voltadas ao tema em questão.

Como o consumo do tabaco em suas diferentes formas contribui diretamente para o desenvolvimento de diversos agravos à saúde e se configura hoje como a principal causa evitável de morte no Brasil e no mundo. Para a referência do Núcleo de Atenção Primária à Saúde (NAPRIS) da Regional de Pouso Alegre, Ana Carolina Seabra Silveira, é importante que um maior número de profissionais estejam capacitados e sensibilizados a trabalhar esse tema e ofertar o tratamento disponibilizado pelo Ministério da Saúde em seus municípios. "O tratamento deve ser feito de forma contínua e descentralizada, para informar a população dos malefícios do uso do tabaco, prevenir a iniciação e experimentação e facilitar o acesso do usuário que deseja parar de fumar”, frisou.

]]>
Banco de notícias Fri, 11 Oct 2019 10:19:11 +0000
Regional de Saúde de Leopoldina realiza Oficinas em Saúde Coletiva http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/11639-regional-de-saude-de-leopoldina-realiza-oficinas-em-saude-coletiva http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/11639-regional-de-saude-de-leopoldina-realiza-oficinas-em-saude-coletiva

A Gerência Regional de Saúde de Leopoldina, através do Núcleo de Assistência Farmacêutica, realizou nesta quinta-feira (10/10) o evento Oficinas em Saúde Coletiva: Políticas e Práticas de Assistência Farmacêutica no Sistema Único de Saúde (SUS).

Saúde Coletiva

Trata-se de um projeto desenvolvido pela Superintendência de Assistência Farmacêutica da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SAF/SES-MG), em parceria com o Conselho Regional de Farmácia do Estado de Minas Gerais (CRF/MG) e o apoio do Conselho de Secretarias Municipais de Saúde de Minas Gerais (COSEMS-MG).

O tema desenvolvido foi a “Qualificação do Processo de Seleção de Medicamentos no Sistema Único de Saúde” e teve como objetivo desenvolver as habilidades dos farmacêuticos municipais inseridos no SUS-MG, através da qualificação do profissional nos processos envolvidos na seleção adequada de medicamentos do sistema.

O encontro foi realizado no auditório da Regional de Saúde de Leopoldina e contou com a presença de integrantes do CRF/MG, farmacêuticos municipais e profissionais de saúde da região.

Maria Luisa Minelli, Coordenadora do Núcleo de Assistência Farmacêutica, destacou: “Foi um evento de relevância, uma vez que, além da proposta de atualização, houve grande troca de experiências entre os profissionais, o que reflete em melhor qualidade do serviço ofertado”.

]]>
Banco de notícias Thu, 10 Oct 2019 17:46:30 +0000
Regional de Saúde de Manhumirim aborda Rede de Atenção Psicossocial http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/11638-regional-de-saude-de-manhumirim-aborda-rede-de-atencao-psicossocial http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/11638-regional-de-saude-de-manhumirim-aborda-rede-de-atencao-psicossocial

Em comemoração ao Dia Internacional da Saúde Mental, a Regional de Saúde de Manhumirim, em parceria com a Faculdade Univértix, de Matipó-MG, promoveu, nesta quinta-feira (10/10), palestra sobre a Rede de Atenção Psicossocial (RAPS).

IMG 0022

O público foi composto por alunos do 3º ao 8º período de psicologia da instituição e a escolha do tema foi propor uma discussão de como evoluíram as relações, atendimentos e principalmente a assistência nos municípios mineiros que compõem a Regional de Saúde de Manhumirim.

“Mostrar e discutir a atuação dos profissionais de saúde e falar da importância de se tratar do tema estava entre os nossos objetivos hoje nessa palestra, e por isso não foi por acaso que escolhemos o dia 10 de outubro para realizar essa atividade”, destacou o palestrante Marcos Alexandre de Faria Moreira, referência técnica em Saúde Mental da Regional.

Segundo Marcos, a ideia foi abrir espaço para tratar do assunto, traçando uma linha de evolução do atendimento psicossocial, com foco em Minas Gerais, que hoje é referência para todo Brasil.

A docente do curso de psicologia, Poliana Brandão Gomes, falou da importância da visita técnica e do contato dos alunos com a temática. “Ter essa experiência com a vivência é muito válido. Todos saíram satisfeitos com o conhecimento compartilhado pelo palestrante e referência técnica”, finalizou a docente.

“É extremamente importante relacionar o conhecimento acadêmico com a prática. Trazer os alunos para essa discussão é fundamental e a Regional de Manhumirim está de portas abertas para parcerias e iniciativas semelhantes”, destacou o diretor regional de saúde, Juliano Estanislau Lacerda.

Dia Mundial da Saúde Mental

Dia 10 de outubro é o Dia Mundial da Saúde Mental e foi instituído em 1992 pela Federação Mundial de Saúde Mental. O Brasil atualmente registra números alarmantes de indivíduos com depressão e transtornos de ansiedade.

]]>
Banco de notícias Thu, 10 Oct 2019 17:22:44 +0000
Municípios do Norte de Minas são habilitados para contratar 26 gerentes para Unidades de Saúde da Família http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/11637-municipios-do-norte-de-minas-sao-habilitados-para-contratar-26-gerentes-para-unidades-de-saude-da-familia http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/11637-municipios-do-norte-de-minas-sao-habilitados-para-contratar-26-gerentes-para-unidades-de-saude-da-familia

Quatro municípios integrantes da área de atuação da Regional de Saúde de Montes Claros: Bocaiúva, Coração de Jesus, Mamonas e Montes Claros estão entre os 15 primeiros de Minas Gerais autorizados a contratar gerentes para as Unidades de Saúde da Família (USF). A Portaria 2.581, publicada no dia 1º de outubro pelo Ministério da Saúde, credenciou 239 municípios, em 17 estados, para a contratação de 1.266 gerentes.

PRONTUARIO ELETRONICO 1

Em Minas Gerais, além dos municípios norte-mineiros, estão autorizados a procederem a contratação de 45 gerentes as secretarias de saúde de Belo Oriente, Carandaí, Caruaçu, Dom Joaquim, Ervália, Ibertioga, Itajubá, Itambacuri, Piranguinho, Poços de Caldas e Sacramento. Para o Norte de Minas, está aprovada a contratação de 26 gerentes distribuídos da seguinte forma: Montes Claros (19); Coração de Jesus (5); Mamonas e Bocaiúva (um gerente para cada localidade).

A atenção primária à saúde, onde os gerentes vão atuar, é a base do Sistema Único de Saúde (SUS) e que possui as doenças mais frequentes para acompanhamento, como diabetes, hipertensão e tuberculose; além da oferta de exames laboratoriais; testes de rastreamento para Infecções Sexualmente Transmissíveis (ISTs); triagem neonatal; aplicação de vacinas; acompanhamento pré-natal; entre outros procedimentos. Nos serviços de atenção primária, conforme estudos científicos, é possível resolver cerca de 80% dos problemas de saúde da população sem a necessidade de encaminhamento de pacientes para unidades de emergências, como Unidades de Pronto Atendimento (UPA 24h) ou hospitais.

A superintendente regional de saúde de Montes Claros, Dhyeime Thauanne Pereira Marques, avalia que “a adesão dos municípios à estratégia de contratação de gerentes para as Unidades de Saúde da Família possibilita o incremento dos serviços prestados pelos municípios, que passam a contar com profissionais qualificados para a implementação de tais atividades. Isso possibilitará que os demais integrantes das equipes das unidades de saúde se dediquem exclusivamente às ações voltadas para a agilização do atendimento das demandas de saúde da população”, acrescenta a superintendente.

Na mesma linha de raciocínio, o coordenador do Núcleo de Atenção Primária à Saúde, da Regional de Saúde de Montes Claros, João Alves Pereira, observa que, “de acordo com as orientações do Ministério da Saúde, os gerentes vão administrar as unidades garantindo maior organização do serviço e, com isso, maior acesso e qualificação do atendimento dos usuários do SUS”. Ele explica que, até então, a direção de cada unidade ficava a cargo de enfermeiros ou médicos, que eram deslocados do atendimento aos usuários do SUS para exercer atividades administrativas.

Para apoiar a contratação dos gerentes, o Ministério da Saúde vai repassar R$ 4,4 milhões, ainda neste ano, aos municípios que já aderiram à iniciativa. Em 2020 a projeção é de que o repasse de recursos aos municípios chegue a R$ 21,5 milhões.

Qualificação

A função do gerente da atenção primária é se dedicar, exclusivamente, à administração e planejamento do dia a dia das unidades de saúde, garantindo a gestão e organização de todo o processo de trabalho das equipes, otimizando os fluxos de atendimento à população. Além disso, também cabe à gerência a coordenação das ações e a integração da unidade em que atua com outros serviços da rede de saúde local, como UPA 24h e a rede hospitalar.

A gerência deverá ser exercida por profissional qualificado, com nível superior e, preferencialmente, com experiência em atenção primária à saúde. O profissional não pode ser integrante das equipes vinculadas às Unidades de Saúde da Família e deverá cumprir carga horária de 40 horas semanais.

O gerente também deve conhecer o funcionamento de toda a rede de atenção à saúde e organizar o fluxo das pessoas dentro da unidade, incluindo o horário de atendimento à população. Ele também deverá apoiar a articulação entre equipes que atuam na atenção primária e nos diferentes pontos de atenção, garantindo o encaminhamento de pacientes a outros serviços da rede, se necessário.

O Ministério da Saúde irá repassar mensalmente aos gestores municipais um incentivo financeiro assim que os profissionais começarem a atuar nas Unidades de Saúde da Família. O valor previsto de custeio por profissional é de R$713,00 em municípios que possuem apenas uma equipe de Saúde da Família. Já os municípios que contam com mais de uma equipe receberão R$ 1.426 por gerente cadastrado, sendo que os profissionais deverão atuar em unidade de saúde com duas ou mais equipes, ou ainda em duas unidades de saúde com uma equipe de saúde da família cada.

]]>
Banco de notícias Thu, 10 Oct 2019 16:49:04 +0000
Discussão sobre Plano de Contingência reúne municípios na Regional de Saúde Varginha http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/11636-discussao-sobre-plano-de-contingencia-reune-municipios-na-regional-de-saude-varginha http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/11636-discussao-sobre-plano-de-contingencia-reune-municipios-na-regional-de-saude-varginha

A Regional de Saúde de Varginha promoveu, nos dias 8 e 10 de outubro, Reunião para Elaboração do Plano Municipal de Contingência das doenças transmitidas pelo aedes Aegypti, vigência 2019-2020. Os 50 municípios que compõem a Regional foram divididos em dois dias, a fim de serem orientados na elaboração do plano pelo Comitê Regional de Arboviroses. A iniciativa partiu da necessidade de se considerar a aproximação do período epidêmico de arboviroses e das circunstâncias epidemiológicas do estado de Minas Gerais, que indicam a necessidade de estratégias eficazes de controle. Coordenadores Municipais de Vigilância em Saúde, de Epidemiologia e Ambiental, Atenção Primária, representante da Atenção Farmacêutica e da Assistência Hospitalar foram convidados para a reunião.

WhatsApp Image 2019-10-10 at 15.42.02

Na reunião foi frisada a importância de todos os municípios elaborarem um Plano de Contingência para enfrentamento às arboviroses que contemple a multidisciplinaridade e integralidade das ações, observando sempre os eixos norteadores, que são Vigilância Epidemiológica e Ambiental, Atenção Primária à Saúde, Rede de Urgência e Emergência, Assistência Farmacêutica e Mobilização Social. As fases do plano, bem como as particularidades de cada eixo, rotinas e fluxos foram passados aos presentes.

“O município necessita elaborar em conjunto com toda a equipe um plano efetivo para prevenir e controlar os surtos e epidemias, bem como evitar óbitos pelas doenças transmitidas pelo aedes”, ressaltou a Coordenadora de Vigilância em Saúde da SRS Varginha, Aline Ribeiro.

]]>
Banco de notícias Thu, 10 Oct 2019 15:54:48 +0000
Regional de Saúde de Ituiutaba acompanha visita de monitoramento e avaliação do Programa Estadual de Controle da Tuberculose http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/11635-regional-de-saude-de-ituiutaba-acompanha-visita-de-monitoramento-e-avaliacao-do-programa-estadual-de-controle-da-tuberculose http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/11635-regional-de-saude-de-ituiutaba-acompanha-visita-de-monitoramento-e-avaliacao-do-programa-estadual-de-controle-da-tuberculose

A Regional de Ituiutaba, em parceria com as secretarias municipais de saúde Microrregião de Ituiutaba, participaram do monitoramento e avaliação do Programa Estadual de Controle da Tuberculose da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG), nos dias 08 e 09 de outubro.

O evento contou com a participação dos municípios de Campina Verde, Canápolis, Capinópolis, Gurinhatã, Ipiaçu, Ituiutaba e Santa Vitória, bem como o diretor da Regional de Saúde de Ituiutaba, Rafael Mendes Ferreira Luz. Também estiveram presentes a coordenadora de Vigilância em Saúde, Cinthia Ferreira de Freitas, coordenadora de Atenção Primária à Saúde, Lívia Custódio, coordenadora da Assistência Farmacêutica, Gislaine Siqueira, e da coordenadora da Vigilância Epidemiológica, Valdimary Santos.

Créditos: Elizeth Adad Guimarães

Foram discutidas informações sobre o cenário do estado e ainda realizadas apresentações de dados da Regional em relação ao agravo. Segundo a técnica da SES-MG, Renata Rocha, “a visita teve por objetivo propor ações para aumentar a efetividade dos resultados epidemiológicos referentes ao controle da tuberculose, bem como realizar discussões ampliadas com as áreas envolvidas, baseadas no novo Plano Nacional pelo Fim da Tuberculose como Problema de Saúde Pública”, apontou.

Segundo Valdimary Santos a “visita das técnicas trouxe atualização sobre as ações desenvolvidas através do Plano Estadual de Controle da Tuberculose, troca de experiências entre as referências técnicas municipais, objetivando o aumento dos resultados epidemiológicos para melhoria dos indicadores propostos em consonância com o Plano Nacional e Estadual”.

A tuberculose é uma doença que possui tratamento ofertado pelo SUS e, obtendo adesão adequada do paciente, promove cura da enfermidade.

]]>
Banco de notícias Thu, 10 Oct 2019 14:57:59 +0000
Regional de Saúde de Uberaba realiza palestra de prevenção ao câncer de mama e de colo do útero http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/11634-regional-de-saude-de-uberaba-realiza-palestra-de-prevencao-ao-cancer-de-mama-e-de-colo-do-utero http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/11634-regional-de-saude-de-uberaba-realiza-palestra-de-prevencao-ao-cancer-de-mama-e-de-colo-do-utero

Visando alertar sobre a importância do autocuidado na prevenção ao câncer de mama e de colo do útero, referências técnicas em saúde da mulher da Regional de Uberaba, Viviane Pereira e Jéssica Scandiuzzi, realizaram nesta quarta (9/10), evento com funcionários em alusão ao Outubro Rosa, mês em que se intensificam ações de cuidado à saúde da mulher. A palestra aconteceu na Sala de Reuniões da Superintendência e contou com palestrante convidada do Centro de Atendimento à Saúde Integral da Mulher (CAISM), a enfermeira Pollyane Lima.

Pollyane falou sobre estatísticas, exames e aspectos alterados das mamas. Segundo a enfermeira, “o câncer de mama é o mais frequente do mundo em mulheres, com uma incidência de 56 casos para cada 100 mil habitantes, no Brasil. A previsão é de quase 60 mil novos casos no país em 2019, de acordo com dados do Instituto Nacional do Câncer (INCA). Esses números são alarmantes, por isso a importância dos alertas de prevenção” conclui.

Jessica Scandiuzzi lembrou que, “de acordo com a Lei 12.732/2012, do Ministério da Saúde, o paciente com neoplasia maligna tem direito de se submeter ao primeiro tratamento no Sistema Único de Saúde (SUS), no prazo de até 60 dias contados a partir do dia em que for firmado o diagnóstico em laudo patológico ou em prazo menor, conforme a necessidade terapêutica do caso registrada em prontuário único.”

Já Viviane Pereira frisou que exames clínicos das mamas, com profissionais médicos e enfermeiros, assim como Papanicolau, para prevenção do câncer de colo de útero, devem ser realizados anualmente. Além disso, a mamografia deve ser realizada a cada dois anos, em mulheres da faixa etária entre 50 e 69 anos, ou de acordo com recomendação médica específica”.

O evento também contou com um momento de interação, na qual os participantes receberam frases afirmativas sobre o câncer, e tiveram que interpretá-las como verdadeiras ou falsas, inserindo-as depois em dois quadros diferentes. Além dos exames de rotina, cuidados como alimentação balanceada, exercícios físicos, controle da obesidade, cessação do tabagismo e álcool e redução do estresse previnem todos os tipos de câncer.

]]>
Banco de notícias Wed, 09 Oct 2019 17:35:15 +0000
Regional de Saúde de Patos de Minas realiza reunião sobre Inspeção em Unidade Básica de Saúde http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/11633-regional-de-saude-de-patos-de-minas-realiza-reuniao-sobre-inspecao-em-unidade-basica-de-saude http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/11633-regional-de-saude-de-patos-de-minas-realiza-reuniao-sobre-inspecao-em-unidade-basica-de-saude

Com o objetivo de capacitar os técnicos das Vigilâncias Sanitárias municipais, a Regional de Saúde de Patos de Minas realizou, nesta sexta-feira, uma reunião técnica sobre Inspeção em Unidade Básica de Saúde (UBS). O encontro contou com participação de 38 pessoas, representantes de 19 municípios da região.

Durante o encontro os fiscais sanitários municipais de inspeção sanitária em Unidades Básicas de Saúde foram orientados e tiveram a oportunidade de tirar suas dúvidas sobre os procedimentos de trabalho. Também foi apresentado o roteiro de inspeção que deve ser seguido durante o processo, baseado na legislação sanitária vigente.

Devido ao fato de que muitas das Vigilâncias Sanitárias dos municípios representados ainda não realizavam a inspeção nas unidades, as instruções foram passadas de forma clara e detalhada. A expectativa é de que após a capacitação, tais inspeções sejam realizadas de forma contínua e eficaz, de acordo com a legislação sanitária vigente.

Créditos: Lorraine Lemos

Para a coordenadora do Núcleo de Vigilância Sanitária da Regional de Saúde de Patos de Minas, Ivany Brito, embasar os profissionais das Vigilâncias Sanitárias municipais na execução das inspeções sanitárias é indispensável. “Através das capacitações haverá uma atuação mais eficiente dos profissionais contribuindo assim para a oferta de serviço de saúde com maior qualidade e redução dos riscos sanitários” destacou.

A enfermeira e referência técnica em Vigilância Sanitária, Ingridy Rodrigues, foi quem direcionou a reunião. Ela destaca que a rotatividade dos profissionais das vigilâncias sanitárias municipais é muito grande e é importante que todos sejam capacitados. “É necessário que as equipes de trabalho estejam atentas às atualizações nas legislações. Somado a isso, acredito que a busca pela melhoria dos serviços prestados à população deve ser contínua e progressiva, o que demanda uma busca incessante por aprimoramento dos profissionais envolvidos” completou.

]]>
Banco de notícias Wed, 09 Oct 2019 13:00:48 +0000
Boletim Epidemiológico do Sarampo (09/10) http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/11632-boletim-epidemiologico-do-sarampo-09-10 http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/11632-boletim-epidemiologico-do-sarampo-09-10

O Sarampo é uma doença viral, infecciosa aguda, grave, transmissível, altamente contagiosa e comum na infância. A doença começa inicialmente com febre, exantema (manchas avermelhadas que se distribuem de forma homogênea pelo corpo), sintomas respiratórios e oculares.

No quadro clínico clássico, as manifestações incluem tosse, coriza, rinorréia (rinite aguda), conjuntivite (olhos avermelhados), fotofobia (aversão à luz) e manchas de koplik (pequenos pontos esbranquiçados presentes na mucosa oral). A evolução da doença pode originar complicações infecciosas com amigdalites (mais comum em adultos), otites (mais comum em crianças), sinusites, encefalites e pneumonia, que podem levar à óbito. As complicações frequentemente acometem crianças desnutridas e menores de um ano de idade.

A transmissão ocorre de pessoa a pessoa por meio de secreções (ou aerossóis) presentes na fala, tosse, espirros ou até mesmo respiração. Na presença de pessoas não imunizadas ou que nunca apresentaram sarampo, a doença pode se manter em níveis endêmicos, produzindo epidemias recorrentes.

Desde o início do ano foram confirmados 41 casos de sarampo. Quatro destes ocorreram no primeiro trimestre e a cadeia de transmissão foi contida. A partir de junho de 2019 (SE 23 a 40) o número de casos suspeitos aumentou, totalizando 1.420 notificações provenientes de 215 municípios no estado. Destes, 733 (51,6%) foram descartados, 650 (45,8%) estão em investigação e 37 (2,6%) casos foram confirmados, sendo detectados novos casos e cadeias de transmissão

Os 04 casos confirmados no primeiro trimestre foram de residentes dos municípios de Belo Horizonte, Contagem e Betim, tendo esta cadeia, como caso índice, um viajante da proveniente da Europa (Mais detalhes nos boletins anteriores).

A maioria dos 37 casos confirmados está relacionada à importação do vírus de doentes que estiveram no estado de São Paulo ou por contato direto com quatro doentes paulistas provenientes das cidades de São Paulo-SP (1), Jundiaí-SP (1) São Bernardo do Campo (1) e Araras-SP (1). A exceção deste tipo de vínculo foi para os casos das cidades de Betim, Ribeirão das Neves, Unaí, onde não foram identificadas as origens de contato dos doentes.

Mais detalhes no Boletim.

Ações da SES-MG

  • Construção e divulgação do “Plano de Contingência para Resposta às Emergências em Saúde Pública: Sarampo”;
  • Atendimento pelo CIEVS MG, em esquema de plantão, referente a notificações imediatas de sarampo pelas vigilâncias epidemiológicas locais;
  • Participação ativa no CME com presença de outras áreas interna da SES-MG e parceiros externos;
  • Instalação da Sala de Situação/Centro de Operações de Emergência em Saúde (COES) Estadual, com o objetivo de gerar informação de qualidade e em tempo oportuno, bem como fornecer respostas rápidas de forma intersetorial.
  • Operacionalização de uma sala de vacinação no Aeroporto de Confins, realizando vacinação seletiva durante 15 dias;
  • Vacinação seletiva na Cidade Administrativa do Estado de Minas Gerais (CAMG);
  • Publicação da Resolução SES/MG N. 6783, de 17 de julho de 2019, que institui incentivo financeiro para ações de intensificação da vacina tríplice viral nos municípios do Estado;
  • Emissão de inúmeros Alertas para os profissionais de saúde sobre a doença e locais com surtos ativos;
  • Atualização do hotsite pela Assessoria de Comunicação Social (disponível em: www.saude.mg.gov.br/sarampo)
  • Elaboração de Boletim Epidemiológico semanal;
  • Elaboração de documento com orientações sobre intensificação vacinal principalmente nas Regionais de Saúde que fazem divisa com o estado de São Paulo.
  • Elaboração de Memorando com orientações sobre a conduta vacinal em menores de 1 ano;
  • Realização de videoconferências com as Unidades Regionais de Saúde;
  • Intensificação de mídia e ações de mobilização social;
  • Interface direta com a Fundação Ezequiel Dias (FUNED-MG), iniciando a realização do exame PCR em tempo real (exames laboratoriais mais sensíveis, específicos e rápidos);
  • Elaboração e divulgação do “Fluxograma de Atendimento aos Casos Suspeitos de Sarampo”;
  • Definição de serviços de saúde referência no Estado para pediatria e adultos.
  • Atendimento a demandas de imprensa com divulgação de informações relacionadas a doença e vacinação por intermédio da Assessoria de Comunicação Social;
  • Disponibilização de vitamina A em hospitais de referência macrorregional para dispensação durante assistência de casos potencialmente graves.

Clique aqui e acesse o Boletim Epidemiológico do Sarampo.

]]>
Banco de notícias Wed, 09 Oct 2019 08:12:58 +0000