Notícias http://www.saude.mg.gov.br Thu, 22 Jun 2017 18:30:18 +0000 Joomla! - Open Source Content Management pt-br SES-MG reforça importância de prevenção à gripe http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/9525-ses-mg-reforca-importancia-de-prevencao-a-gripe http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/9525-ses-mg-reforca-importancia-de-prevencao-a-gripe

A Campanha de Vacinação contra a Gripe foi encerrada no último dia 09 de junho e Minas Gerais, até o momento, vacinou 88,94% do público prioritário, composto por gestantes, idosos, crianças, doentes crônicos e pessoas privadas de liberdade. No entanto, quem não faz parte desse grupo e, por esse motivo, não recebeu a vacina, também pode evitar o contágio da doença pela adoção de alguns hábitos de prevenção, como evitar locais fechados, lavar sempre as mãos e praticar a etiqueta da tosse.

Os resfriados e a gripe são as doenças mais comuns no período do inverno, período em que as temperaturas ficam mais baixas e o ar mais seco. No entanto, vale destacar que estar gripado não é o mesmo que contrair um resfriado. “O resfriado caracteriza-se pela presença de sintomas relacionados ao comprometimento das vias áreas superiores, como entupimento do nariz, tosse, rouquidão, febre variável, mal-estar, dor no corpo e de cabeça. Já a gripe, inicia-se com instalação abrupta de febre, acima de 38ºC, seguida de dor no corpo, garganta, prostração, dor de cabeça e tosse seca. A febre é o sintoma mais importante e dura em torno de três dias”, afirma Janaína Fonseca Almeida, Diretora de Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG).

Arte: Maycon Portugal

As formas de contágio dessas doenças são similares e ocorrem por meio de secreções liberadas pela pessoa infectada ao tossir, falar ou espirrar. Hábitos como realizar a higiene frequente das mãos, evitar grandes aglomerações e espaços fechados, ajudam a prevenir o contágio. “Utilizar a parte interna do braço para tossir ou espirrar, lavar frequentemente as mãos com água corrente e sabonete e evitar locais que não haja circulação do ar são fundamentais para prevenir tais doenças”, analisa Janaína Almeida.

  • Clique aqui e confira no Blog da Saúde MG sobre as formas de se prevenir contra a Gripe.

Tosse

Tossir é um reflexo natural do aparelho respiratório que surge como consequência de um processo irritativo e é um sinal de que algo não vai bem. O corpo tenta expulsar qualquer elemento que esteja causando uma possível inflamação ou irritação das vias aéreas com a função de proteger o pulmão. Pode ser aguda, que é passageira e dura até três semanas; e pode ser persistente, quando dura mais de três semanas. Nesse caso, é preciso procurar um médico.

A tosse também auxilia o médico a detectar doenças que vão desde uma gripe, a problemas mais sérios como pneumonia, asma, bronquite, tuberculose e câncer. Outra função é expelir o catarro, secreção que pode contar microrganismos, tais como bactérias e vírus. Portanto, não se deve inibir a tosse, pois catarro alojado nos pulmões propicia a multiplicação de bactérias e pode transformar uma simples gripe em uma doença mais grave. “A pessoa deve ficar atenta aos sinais de complicação e procurar um médico imediatamente caso haja persistência ou aumento da febre e dos sintomas”, afirma Janaína Almeida.

Etiqueta da tosse

Cobrir a boca com a parte interna do braço impede a contaminação das mãos, que é um dos principais propagadores de bactérias e vírus. Confira abaixo como usar a etiqueta da tosse no dia a dia.

Arte: Deise Meireles

]]>
Banco de notícias Wed, 21 Jun 2017 13:26:53 +0000
Hemominas realiza programação especial para reforçar a importância do Doador de Sangue http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/9520-hemominas-realiza-programacao-especial-para-reforcar-a-importancia-do-doador-de-sangue http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/9520-hemominas-realiza-programacao-especial-para-reforcar-a-importancia-do-doador-de-sangue

A Fundação Hemominas organizou uma programação especial na última semana em função do Dia Mundial do Doador de Sangue (14/06) com o objetivo de mobilizar a população sobre a importância da doação de sangue voluntária, por meio do Sistema Único de Saúde (SUS), que ajuda a salvar vidas. No Hemocentro de Belo Horizonte, as festividades começaram com as músicas do Grupo Sonoro Acordes.

O grupo que costuma realizar trabalhos voluntários foi convidado pela empresa Quality Med. Para Maria Rosa da Silva, uma das vocais integrantes da equipe, é muito importante reconhecer a importância do doador. “Fiquei emocionada e achei tudo muito bom. A doação é muito importante, pois salvamos vidas doando sangue”, disse a vocalista.

Crédito: Adair Gomez.

Ainda pela manhã o Grupo Folclórico Pé Rachado, contemplou os doadores com uma apresentação de quadrilha. Os doadores presentes foram convidados a dançar e pular no ritmo da quadrilha. Luiz Carlos, líder do grupo, falou sobre a apresentação voluntária em homenagem aos doadores. “Achei ótimo, pois é importante servir ao próximo. Para nós é uma alegria”, disse. O grupo, que já possui 41 anos de existência, também costuma realizar trabalhos em voluntários em creches e asilos.

Segundo a captadora do Hemocentro de Belo Horizonte, Paola Souza, esses eventos são de grande importância para chamar os doadores de sangue. Servidora da Hemominas há um ano, Paola diz que este foi seu terceiro evento no HBH. “É importante para chamar o doador para que eles vejam a importância que eles possuem tanto para a Fundação quanto para os pacientes”, concluiu.

A temática da comemoração foi de festa junina, com pipoca, canjica, algodão doce e cachorro quente. Vilma Lúcia Cardoso dos Santos, de 44 anos, veio homenagear os doadores servindo cachorro-quente. Para ela, participar do evento é uma forma de colaborar para a valorização do doador voluntário de sangue. “O evento está muito bem organizado e toda a programação está muito boa. Fico muito feliz em poder contribuir com esta festa para o doador", disse.

Os doadores também ficaram muito satisfeitos com a surpresa. Carlos Mendes do Santos, de 33 anos, realiza doação voluntária desde 2012 e tirou o dia para fazer novamente esse gesto de solidariedade. “A doação de sangue para mim é muito importante. Além disso, uma única doação pode salvar até quatro vidas”, afirmou o doador. Eduardo Nascimento Soares, de 45 anos, também esteve no hemocentro e doou sangue pela primeira vez. “Quem doa sangue, doa vida e ajuda a salvar o próximo", disse. "Esta doação é a primeira de muitas e sempre que puder irei doar" concluiu.

Interior

Os Hemocentros do interior do Estado também fizeram questão de mobilizar as pessoas sobre a importância da doação de sangue. No Hemonúcleo de Divinópolis, a comemoração começou com um café da manhã especial e com a distribuição de lembranças alusivas à data. Artistas do grupo Grupo SintoniArt – multiinstrumentalsistas- se presentearam os doadores com uma apresentação. Doador fidelizado da Hemominas, Eliesio José das Graças, disse que sempre incentiva outras pessoas na sua comunidade e família a realizar a doação. "Doar sangue é um ato simples que salva vidas”, afirmou. Eliesio é da cidade de Nova Serrana e doador há 05 anos, já recebeu os diplomas azul e bronze pelas doações efetuadas.

A unidade também recebeu um grupo muito especial de alunos da Escola Estadual Padre Alberto Fuger em Campo Belo. Mobilizados pela aluna Wanessa Almeida, do 3º ano do ensino médio, o Projeto “Jovens pela vida” levou mais de vinte jovens para doar sangue nesta quarta-feira, Dia Mundial do Doador Voluntário de Sangue. O Projeto foi idealizado pela estudante com apoio da coelga Lorraine Stefany e demais alunos da instituição, bem como da Direção da Escola e da Agência Hemoterápica da Santa Casa de Campo Belo. A jovem realizou o esclarecimento sobre as condições necessárias para a doação de sangue, conscientização e mobilização para doação. Segundo Wanessa, já um novo grupo de alunos que participam do projeto já estão agendados para doação no dia 29/06.

O Hemocentro Regional de Governador Valadares também celebrou a data e recebeu os doadores em clima de Festa Junina. Para homenagear e parabenizar as pessoas que compareceram para doar neste dia também foram distribuídas lembranças alusivas a data. No Hemocentro regional de Juiz de Fora os doadores receberam a presença do Coral ASCOMCERT compostos por pacientes e ex-pacientes do Hospital ASCOMCER. Fundado em 2014, o grupo teve como regente a Sra. Glaucia Ladislau. Durante todo o evento também foram distribuídos lembranças alusivas à data.

 

]]>
Banco de notícias Mon, 19 Jun 2017 12:34:09 +0000
SES-MG reforça importância da imunização contra o sarampo http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/9519-ses-mg-reforca-importancia-da-imunizacao-contra-o-sarampo http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/9519-ses-mg-reforca-importancia-da-imunizacao-contra-o-sarampo

A circulação do sarampo no Brasil, desde o ano passado, foi considerada interrompida pela Organização Pan-Americana de Saúde/Organização Mundial da Saúde (Opas/OMS). Isso porque os últimos casos da doença no país foram registrados em julho de 2015, em um surto no Ceará. Contudo, diante do aumento de casos principalmente em países da Europa e da América do Norte e do registro de dois casos importados, agora em 2017, na Argentina, a eliminação do sarampo no Brasil encontra-se em risco.

Para a coordenadora de Imunização da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG), Eva Lídia Medeiros, é preciso estar atento à aproximação da temporada de férias, uma vez que a ocorrência de casos entre viajantes representa um maior risco de importação da doença para locais onde o controle foi estabelecido.

“Somente conseguimos eliminar o sarampo em nosso território devido às sucessivas ações de imunização. Portanto, aqueles que ainda não se vacinaram devem procurar uma unidade básica de saúde para atualizarem seu cartão”, afirmou. A coordenadora acrescentou ainda que o cartão de vacina é um documento que comprova a saúde vacinal da pessoa e, portanto, deve ser guardado com todo cuidado.

Crédito: Marcus Ferreira

Em Minas Gerais, os últimos casos autóctones confirmados de sarampo, ou seja, com transmissão dentro do território, ocorreram em 1999 (nove casos). Em 2011 e 2013, o estado identificou três casos importados, sendo um em 2011 e dois em 2013, que foram rapidamente controlados com bloqueio vacinal e vigilância das pessoas próximas, evitando assim um contágio secundário. “O viajante deve observar sua saúde pelo menos três semanas após o retorno. Diante dos primeiros sintomas da doença, que são manchas vermelhas pelo corpo e febre, é fundamental procurar a unidade de saúde”, reforçou Eva Lídia.

Vacinação

A vacina contra o sarampo é segura e eficaz na prevenção da doença e é garantida a toda população pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Tanto a tríplice viral, que protege contra o sarampo, a rubéola e a caxumba, quanto a tetra viral, que protege contra o sarampo, a rubéola, a caxumba e a varicela (catapora), estão disponíveis em todas as unidades de saúde do estado.

Toda pessoa com até 29 anos de idade, que tiver apenas uma dose da vacina tríplice viral, deve receber uma segunda dose, com intervalo mínimo de 30 dias entre elas. Já as pessoas na faixa etária de 30 a 49 anos de idade devem ter, pelo menos, uma dose da vacina comprovada ao longo da vida. Aos viajantes, recomenda-se a atualização das vacinas antes de viajar, preferencialmente com 15 dias de antecedência.

Para o assessor técnico da Diretoria de Vigilância Epidemiológica da SES-MG, Gilmar José Rodrigues, o risco de importação do sarampo continua alto, portanto a sensibilização dos profissionais de saúde deve fazer parte da rotina diária. “A vigilância deve ser ativa e constante, devendo os profissionais estarem em alerta para casos suspeitos de sarampo em pessoas com histórico de viagem ou em contato com viajantes. É preciso manter altas coberturas vacinais em todos os municípios e em todas as faixas etárias preconizadas”, ressaltou. Em Minas Gerais, no ano de 2016, a cobertura para a vacina tríplice viral para crianças de um ano foi de 98,93% com uma dose da vacina, número considerado adequado para primeira dose. No entanto, com a segunda dose, a partir dos 15 meses, a cobertura foi de 88,38%, abaixo da meta mínima de 95% recomendada.

Gilmar acrescentou, ainda, a importância de reforçar a vacinação não só entre aqueles que têm viagem marcada para o exterior como também para aqueles que trabalham com turismo, como em aeroportos, hotéis, transporte e agências. “Por estarem em contato direto com turistas, é preciso que esses profissionais verifiquem se estão com o cartão de vacinação em dia para se protegerem e também para não transmitirem a doença para seus familiares e pessoas próximas”, completou.

A doença

O sarampo é uma doença viral altamente contagiosa, podendo evoluir com complicações graves, incluindo encefalite, pneumonia e morte. Por ser transmitida por meio de gotículas do nariz, boca ou garganta de pessoas infectadas pelo vírus, cuidados com a higiene pessoal e do ambiente devem ser reforçados, principalmente durante o inverno, época em que os locais ficam mais fechados. No entanto, somente a vacina é capaz de imunizar a pessoa durante toda a vida.

Crédito: Agência Minas

Dicas para evitar doenças que se espalham rapidamente pelo ar:

  • Cobrir nariz e boca quando espirrar ou tossir, utilizando lenço descartável ou a parte interna do braço, NÃO as mãos.
  • Lavar as mãos com água e sabão regularmente, depois de tossir ou espirrar, de usar o banheiro e antes de comer, ou utilizar álcool em gel (caso não haja sujidade aparente).
  • Não compartilhar copos, talheres e alimentos.
  • Evitar tocar os olhos, nariz ou boca após contato com superfícies potencialmente contaminadas (ex: corrimãos de escadas, bancos e maçanetas de portas).
  • Sempre que possível, evitar aglomerações ou locais pouco arejados.
  • Manter os ambientes sempre limpos e ventilados.
  • Evitar contato próximo com pessoas doentes.

- Clique aqui e confira todas as informações sobre as vacinas oferecidas pelo SUS.

- Confira aqui a nota completa com o alerta de sarampo para viajantes.

]]>
Banco de notícias Mon, 19 Jun 2017 10:55:44 +0000
Regionalização da Assistência Farmacêutica no SUS é pactuada por todos os municípios mineiros http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/9456-regionalizacao-da-assistencia-farmaceutica-no-sus-e-pactuada-por-todos-os-municipios-mineiros http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/9456-regionalizacao-da-assistencia-farmaceutica-no-sus-e-pactuada-por-todos-os-municipios-mineiros

A Assistência Farmacêutica no Sistema Único de Saúde (SUS) pode ser definida como o conjunto de ações dirigidas à promoção, proteção e recuperação da saúde individual e coletiva, tendo o medicamento como insumo essencial e visando o acesso e também seu uso racional. Em Minas Gerais, até 2015, o estado era responsável pela aquisição e distribuição de medicamentos, de acordo com as demandas dos municípios. No entanto, quando a programação e solicitação de insumos, repassadas pelos municípios à Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG), não eram suficientes, problemas como desabastecimento ocorriam.

Para tornar a distribuição dos itens mais eficiente, em agosto de 2015, a SES-MG lançou o novo modelo de aquisição e distribuição de medicamentos, denominado Regionalização da Assistência Farmacêutica. De acordo com o Superintendente de Assistência Farmacêutica, Homero Filho, o modelo da Regionalização vem, justamente, para melhorar a logística de distribuição de medicamentos que, apesar dos esforços da SES-MG, vinha mostrando-se ineficiente.

Crédito: Marcus Ferreira / SES-MG.

“Os modelos que estavam colocados nos anos anteriores favoreciam o desabastecimento. Esse novo modelo vem enfrentar essa realidade, primeiramente aumentando o elenco de medicamentos que os municípios podem obter do estado, que antes era de 145 itens e agora está sendo ampliado para 340”, explica Homero Filho.

A gestora do município de Divisa Nova, Mirian Cristina Figueiredo, destaca que a Regionalização da Assistência Farmacêutica contribui também para a organização do fluxo. “Facilitou na organização e na entrega dos medicamentos. Isso porque o contato direto com os fornecedores possibilita maior autonomia ao município”, explica Mirian Cristina Figueiredo.

No primeiro momento de implantação, 261 municípios aderiram ao novo modelo, representando um ganho para cerca de 10 milhões de habitantes. Os farmacêuticos e responsáveis pelo setor financeiro desses municípios receberam capacitações sobre a operacionalização do programa. Já nessa primeira fase, no que se refere à questão financeira, as compras feitas diretamente pelos municípios apontaram uma economia de, pelo menos, R$ 17 milhões.

Ernane Quirino de Oliveira, farmacêutico do município de Cana Verde, destaca que o recebimento dos itens solicitados tornou-se mais ágil com o novo modelo. “Antes, alguns medicamentos levavam cerca de 2 ou 4 meses para chegar. Agora, com o contato direto com o fornecedor esse processo ficou muito mais rápido. E isso se reflete em benefício para a população, já que nós passamos a ter uma previsão mais real de quando o medicamento estará disponível”, ressalta Ernane Quirino de Oliveira.

Já o Secretário Municipal de Saúde de Timóteo, César Luz, destaca, ainda, outro benefício da Regionalização. “A ampliação na relação de medicamentos nos possibilita, discutir a incorporação de novos itens”, ressalta.

Pactuação da Regionalização da Assistência Farmacêutica

Na última reunião Comissão Intergestores Bipartite (CIB), que aconteceu no dia 17/05, em Belo Horizonte, foi pactuado entre o Conselho de Secretarias Municipais de Saúde de Minas Gerais (COSEMS-MG) e a Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG), a concretização do modelo daRegionalização da Assistência Farmacêutica para todos os municípios do estado.

Os 590 municípios que aderiram agora ao novo modelo passarão, ainda, por um processo de transição até que a Regionalização esteja totalmente implantada no estado. “Além de oferecer muitos benefícios, a Regionalização da Assistência Farmacêutica representa também o fortalecimento do estado como indutor da Política Estadual da Assistência Farmacêutica”, destaca Homero Filho.

 

]]>
Banco de notícias Tue, 30 May 2017 14:23:59 +0000
Norte de Minas já vacinou mais de 300 mil pessoas contra a Gripe http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/9530-norte-de-minas-ja-vacinou-mais-de-300-mil-pessoas-contra-a-gripe http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/9530-norte-de-minas-ja-vacinou-mais-de-300-mil-pessoas-contra-a-gripe

O inverno chegou e a Campanha de Vacinação Contra a Gripe continua em todos os municípios que ainda não atingiram o percentual mínimo de 90% de cobertura de imunização dos grupos prioritários definidos pelo Ministério da SaúdeÉ importante lembrar que a vacina contra a gripe é oferecida de forma gratuita, às pessoas que fazem parte do grupo prioritário, em todas as Unidades Básicas de Saúde do Sistema Único de Saúde (SUS).

Neste ano as prioridades de vacinação são para idosos, crianças, trabalhadores da saúde, gestantes, puérperas, indígenas, pessoas portadoras de doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas especiais; adolescentes e jovens de 12 a 21 anos de idade sob medidas socioeducativas, presidiários e os funcionários do sistema prisional. 

Crédito: Pedro Costa

De uma estimativa inicial de 334 mil 028 pessoas a serem vacinadas nos 86 municípios que compõem a região ampliada de saúde do Norte de Minas, as secretarias de saúde já conseguiram imunizar 301 mil 088 pessoas. Os dados foram computados até a manhã desta quinta-feira, 22, pelo Sistema de Informações do Programa Nacional de Imunizações (SIPNI), mantido pelo Ministério da Saúde.

É de responsabilidade dos municípios a atualização dos dados no SIPNI e, por isso, as informações mudam diariamente enquanto a Campanha de Vacinação tiver continuidade.

A coordenadora do Núcleo de Vigilância Epidemiológica, Ambiental e de Saúde do Trabalhador da Regional de Saúde de Montes Claros, Josianne Dias Gusmão explica que com os estoques de vacinas já entregues aos municípios as secretarias de saúde estão orientadas a darem continuidade à Campanha. Se depois de atingir a meta mínima de cobertura vacinal entre todos os grupos prioritários os municípios ainda tiverem vacinas em estoque, a Campanha poderá ser estendida para a população em geral até o término das doses disponíveis.

BALANÇO

Entre os 53 municípios que integram a área de atuação da Regional de Saúde de Montes Claros, 40 localidades já atingiram mais de 90% de cobertura vacinal. De uma estimativa inicial de 213 mil 670 pessoas a serem imunizadas, até a manhã desta quinta-feira a Campanha já havia atingido 193 mil 447 pessoas.

Para atingir o percentual mínimo de cobertura vacinal a Campanha está sendo intensificada em 13 municípios: Botumirim, Espinosa, Francisco Dumont, Fruta de Leite, Jaíba, Janaúba, Joaquim Felício, Josenópolis, Monte Azul, Montes Claros, Padre Carvalho, Santa Cruz de Salinas e Santo Antônio do Retiro.

Entre 26 municípios que integram a Regional de Saúde de Januária a cobertura vacinal já atingiu 90,11%. Vinte municípios já atingiram a meta de imunização. Entre os indígenas o percentual de cobertura atingiu 104,13%, pois o número de pessoas vacinadas foi superior ao inicialmente estimado que era de 8.683 pessoas.

Entre os idosos a cobertura vacinal na área de atuação da Regional de Saúde de Pirapora já atingiu 96,09%; entre puérperas (96,97%) e trabalhadores da saúde (92,02%). Por outro lado cinco dos sete municípios que integram a área de atuação da Regional de Saúde de Pirapora já atingiram a meta de vacinar mais de 90% do público prioritário de imunização contra a gripe. Com percentual inferior a 90% estão Ibiaí (74,22%) e Pirapora (74,06%).

INFLUENZA

A influenza é uma infecção viral aguda que afeta o sistema respiratório. É de elevada transmissibilidade e distribuição global, com tendência a se disseminar facilmente em epidemias sazonais e também podendo causar pandemias.

A transmissão da doença ocorre por meio de secreções das vias respiratórias da pessoa contaminada ao falar, tossir, espirrar ou pelas mãos, que após contato com superfícies recém‐contaminadas por secreções respiratórias pode levar o agente infeccioso direto à boca, aos olhos e ao nariz.

A vacinação é a medida mais eficaz para a prevenção da influenza grave e de suas complicações. Entre outras importantes medidas preventivas estão lavar as mãos, evitar locais fechados e muito cheios e buscar orientação médica em caso de início súbito de febre alta, tosse (geralmente seca), dores musculares, nas articulações, cabeça e garganta, desconforto grave e corrimento nasal.

Em 2016 o vírus influenza H1N1 matou 1.982 pessoas. Ao todo, 10.625 casos foram notificados. O balanço quase alcançou os números de 2009, quando o H1N1 se tornou uma pandemia e matou 2.060 brasileiros, de acordo com  levantamento realizado pelo Ministério da Saúde.

]]>
Banco de notícias Thu, 22 Jun 2017 11:56:54 +0000
Regional de Saúde de Pedra Azul participa de conferências sobre Vigilância em Saúde http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/9529-regional-de-saude-de-pedra-azul-participa-de-conferencias-sobre-vigilancia-em-saude http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/9529-regional-de-saude-de-pedra-azul-participa-de-conferencias-sobre-vigilancia-em-saude

A Regional de Saúde de Pedra Azul participou, nessa quarta-feira (21/06), no Centro de Pastoral Paroquial de Cachoeira de Pajeú, da 1ª Conferência Municipal de Vigilância em Saúde, com o tema ‘O papel da Vigilância em Saúde nas práticas de Atenção e Promoção de Saúde’; e da 6ª Conferência Municipal de Saúde, que teve o tema ‘Construindo os caminhos do SUS para um atendimento com equidade’.

O Coordenador de Assistência Farmacêutica da Regional de Saúde de Pedra Azul, Tales Veloso, palestrou sobre a Estratégia de Regionalização da Assistência Farmacêutica (ERAF), em que os municípios passam a gerenciar os recursos para a compra de medicamentos. “Até 2015, o Estado fazia o gerenciamento desse recurso para os 853 municípios. Com a dificuldade para operacionalizar todo o processo de compra dos medicamentos e envio para os municípios, o Estado propôs, por meio da deliberação 2164, três formas de gestão do componente básico, sendo um totalmente centralizado no Estado, um parcialmente descentralizado para o município e um totalmente centralizado no município. No início, na nossa região, só o município de Almenara havia adotado o novo modelo totalmente centralizado no município, mas com os resultados positivos, por meio da deliberação 2416, todos os municípios se tornaram responsáveis pela gestão do recurso do componente básico. Em julho de 2017, os recursos já serão transferidos diretamente para o Fundo Municipal de Saúde”, explicou Tales Veloso. 

Crédito: Allan Campos

A Coordenadora de Vigilância e Proteção à Saúde, Ambiental e Saúde do Trabalhador, Letícia Leite, explicou o conceito de Vigilância em Saúde, apresentou os 36 indicadores avaliados nos monitoramentos quadrimestrais que são realizados e destacou os bons resultados alcançados pelo município de Cachoeira de Pajeú. 

“Quando começamos o trabalho de Vigilância em Saúde na região, o município de Cachoeira de Pajeú havia alcançado apenas 47% das metas. Mas, posteriormente, foi o município que mais se destacou no trabalho de Vigilância em Saúde, chegando a atingir 100% das metas. Já na Regional, temos avançado com o diagnóstico local, que vai nos permitir identificar como está a realidade epidemiológica de cada município e o monitoramento quadrimestral, também, que tem sido muito positivo”, afirma Letícia Leite. 

O representante do prefeito Humberto Pereira (Gilão), o Secretário Municipal de Administração, Paulo César Marques, destacou que é necessário realizar um trabalho de mobilização para que a população procure os serviços de saúde para prevenir doenças e também defendeu o trabalho que vem sendo realizado pelo município. 

“Em um cenário político e econômico tão complicado quanto estamos passando em nosso país, com uma crise que afeta a todos os municípios, mais do que nunca é importante termos pessoas empenhadas para executar as ações com a máxima competência para atingirmos bons resultados. É o que percebo em nosso município, onde contamos com uma equipe de saúde qualificada, que tem se empenhado para atingir as metas propostas pelo estado, e, como consequência, podemos oferecer um serviço de qualidade para a população”, destaca Paulo César Marques. 

O Secretário Municipal de Saúde de Pedra Azul, Glaubert Souza, fez uma palestra sobre o E-SUS e destacou que as conferências e plenárias tem um caráter reflexivo, avaliativo e propositivo, sendo um processo político e mobilizador. Já a Secretária Municipal de Saúde de Cachoeira de Pajeú, Neile Lima, frisou que o município tem buscado cumprir as demandas da população. 

“Um dos princípios doutrinários do Sistema Único de Saúde (SUS) é a equidade que nada mais é do que diminuir as desigualdades porque, apesar de todas as pessoas possuírem direitos aos serviços de saúde, as pessoas não são iguais, e por isso, têm necessidades distintas. Em outras palavras, equidade significa tratar desigualmente os desiguais, investindo mais onde a carência é maior. Por isso, estamos reforçando na nossa gestão esse princípio, para estimar recursos e ações àquelas pessoas que mais precisam, levando em consideração a prioridade epidemiológica, e não o favorecimento pessoal”, ressalta Neile Lima

]]>
Banco de notícias Thu, 22 Jun 2017 11:44:32 +0000
Atenção à Saúde da Gestante é tema de capacitação na Regional de Saúde de Varginha http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/9528-atencao-a-saude-da-gestante-e-tema-de-capacitacao-na-regional-de-saude-de-varginha http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/9528-atencao-a-saude-da-gestante-e-tema-de-capacitacao-na-regional-de-saude-de-varginha

Para apresentar e discutir os novos critérios para estratificação de risco e acompanhamento da gestante, a Regional de Saúde de Varginha reuniu, nesta quarta-feira (21/06), Coordenadores da Atenção Primária e Enfermeiros dos municípios que compõem as Regiões de Saúde de Três Corações e Três Pontas.

A capacitação, organizada pelas referências em Saúde da Mulher da Regional de Saúde de Varginha, Mônica Maciel e Luciana Pereira, (Atenção Primária e Núcleo de Redes, respectivamente), teve como base a Nota Técnica Conjunta - que deu origem à Cartilha de Atenção à Saúde da Gestante, produzida pela Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG), a Associação de Ginecologistas e Obstetras de Minas Gerais (SOGIMIG), a Associação Brasileira de Obstetrizes e Enfermeiros Obstetras (ABENFO) e Associação dos Médicos Mineiros da Família e da Comunidade (AMMFC). O objetivo central da capacitação foi a abordagem dos critérios de risco gestacional com enfoque na organização dos fluxos assistenciais, “determinando o que será atendido em cada nível de Atenção: básica, média ou alta complexidade”, afirmou Mônica Maciel.

Crédito: Tânia Corrêa

Os estratos de riscos e a sua estruturação na Rede de Assistência à Saúde foram apresentados, além dos aspectos gerais da assistência, que devem ser sempre embasados nos comportamentos de responsabilização, integralidade, resolutividade e articulação com os serviços da Rede de Atenção à Saúde (RAS), pelas equipes de saúde. Os fatores de risco que podem ser tratados na Atenção Primária foram apresentados e discutidos por Mônica Maciel, enquanto casos que devem ser atendidos pelo alto risco e urgência e emergência foram expostos por Luciana Pereira.

“Casos como dependência ou uso abusivos de drogas lícitas ou ilícitas pela gestante, transtornos alimentares, doenças genéticas, neurológicas, autoimunes e violência sexual que chegarem à Atenção Primária,  devem ser diretamente encaminhados ao alto risco”, ressaltou Luciana.

As responsabilidades do enfermeiro na realização do pré-natal na Atenção Básica foram também apresentadas, e dentre elas frisadas as solicitações de exames, realizações de testes rápidos, cadastramento da gestante e busca ativa das gestantes faltosas. Uma das inovações apresentadas pelo novo critério de estratificação de risco, que merece destaque, foi a inclusão do tratamento das Sífilis Primária e Secundária na Atenção Básica, sendo somente a Terciária encaminhada ao alto risco (média complexidade).

Por fim, foi apresentado aos participantes o parecer do Conselho Regional de Enfermagem (COREN) a respeito do uso da Penicilina nas Unidades de Saúde, que se manifesta favorável à administração do medicamento pelos profissionais enfermeiros devidamente capacitados.

]]>
Banco de notícias Wed, 21 Jun 2017 15:59:37 +0000
Regional de Saúde de Governador Valadares promove palestra sobre Chikungunya http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/9527-regional-de-saude-de-governador-valadares-promove-palestra-sobre-chikungunya http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/9527-regional-de-saude-de-governador-valadares-promove-palestra-sobre-chikungunya

Convidado pela Regional de Saúde de Governador Valadares, o médico infectologista, responsável técnico do Escritório da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), em Mato Grosso do Sul, e doutor em Medicina Tropical, Rivaldo Venâncio da Cunha, apresentou nesta quarta-feira (21-06), uma palestra sobre Chikungunya, no auditório da FIEMG-Regional Rio Doce, em Valadares.

Os participantes, entre médicos, enfermeiros, agentes de endemias e técnicos da Regional tiveram a oportunidade de receber informações atualizadas sobre o manejo clínico e condutas terapêuticas da Chinkungunya, dentro de aspectos  quanto a infecção  e tratamento farmacológico dos pacientes.

Crédito: Frederico Bussinger

O pesquisador está em Governador Valadares a pedido da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) para  conhecer a realidade epidemiológica do município, localizado numa das regiões com maior incidência de casos da doença no Sudeste. Segundo o último boletim epidemiológico da SES-MG (19/06), Governador Valadares apresenta 10.982 casos prováveis de chikungunya dos 16.489 em todo o Estado.

“A Chikungunya, por ser nova no país, tem causado grande apreensão dos profissionais e autoridades de saúde de um modo geral porque, ao contrário da experiência que tínhamos com a dengue, nos deparamos com uma doença com elevado potencial de cronicidade dos sintomas, que se manifestam, em média, durante seis meses nos pacientes. Isso tem causado grandes transtornos, sobretudo na rede escolar com o absenteísmo de estudantes e na economia, como na área de comércio, já que as pessoas não conseguem desenvolver suas atividades do cotidiano, como limpeza de uma casa, preparo de um alimento ou dirigir um carro”, ressaltou Rivaldo da Cunha.

O pesquisador alertou também aos participantes que a doença, após a queda significativa verificada em junho em todo o Estado e na região de Valadares, pode retornar com maior virulência. “Nós temos observado em outras regiões do País, como no Ceará e na Bahia, que após arrefecimento da doença por mudanças climáticas, ela volta na próxima estação com força total, numa nova onda epidêmica”, afirmou.

Face a esse possível cenário, o pesquisador salientou o papel de todos os atores envolvidos no combate ao Aedes aegypti.” É necessário que o poder público e não só a área de saúde, assuma sua tarefa, fornecendo água de uso doméstico de forma continua e de boa qualidade e realizando de forma correta a coleta dos resíduos sólidos e que, fundamentalmente, a população faça sua parte, já que em muitas localidades verificamos que ela não participa das ações de prevenção”, pontuou.

O médico da equipe de saúde de Mathias Lobato, José Célio Silva, informou que no seu município ocorreram casos da doença e que é importante estar sempre bem informado sobre o Chikungunya. “Esta é uma oportunidade muito boa de sair da rotina de trabalho, atualizando informações sobre a doença que está ocorrendo com grande incidência em nossa região”, finalizou.

O evento teve a participação também da bióloga Karen Trinta e do biomédico Michel Sucupira, ambos da Fundação Bio-manguinhos/Fiocruz e do enfermeiro do Núcleo de Vigilância Epidemiológica da Regional de Saúde de Governador Valadares, Luiz Patrício Neto.

]]>
Banco de notícias Wed, 21 Jun 2017 15:31:36 +0000
Vacina contra HPV é ampliada para meninos de 11 a 15 anos incompletos, transplantados e pacientes oncológicos http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/9526-vacina-contra-hpv-e-ampliada-para-meninos-de-11-a-15-anos-incompletos-transplantados-e-pacientes-oncologicos http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/9526-vacina-contra-hpv-e-ampliada-para-meninos-de-11-a-15-anos-incompletos-transplantados-e-pacientes-oncologicos

A vacinação contra o vírus HPV foi ampliada para meninos com idade entre 11 e 15 anos incompletos. Homens e mulheres transplantados e pacientes oncológicos em uso de quimioterapia e radioterapia, de 09 a 26 anos, também passaram a ser contemplados. A mudança foi estabelecida pelo Ministério da Saúde e já está valendo para toda a população de Minas Gerais.

Crédito: Agência Brasil / Reprodução

No caso dos meninos, a vacina contra o HPV já estava disponível desde janeiro deste ano pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Entretanto, a faixa etária contemplada era dos meninos de 12 a 13 anos. A partir agora, a população masculina com idade entre 11 e 15 anos incompleta (14 anos, 11 meses e 29 dias) também deverá ser imunizada. A mudança tem como objetivo aumentar a cobertura vacinal nos adolescentes, possibilitando a prevenção do câncer de pênis, anus, orofaringe e verrugas genitais.

Além do novo público que a partir de agora poderá se imunizar contra o HPV, a vacina já estava disponível para meninas de 9 a 14 anos. Nas meninas, a vacina protege contra câncer de colo do útero, vulva, vaginal e anal, lesões pré-cancerosas, verrugas genitais e infecções causadas pelo vírus. Também fazem parte do grupo que deve se vacinar crianças e jovens de amos os sexos, de 9 a 26 anos vivendo com HIV/Aids.

O esquema vacinal contra o HPV para meninos e meninas é de duas doses, com seis meses de intervalo entre elas. Já para as pessoas vivendo com HIV/Aids, assim como pacientes oncológicos e transplantados, o esquema vacinal é de três doses, com intervalos de 0, 2 e 6 meses entre elas.

]]>
Banco de notícias Wed, 21 Jun 2017 14:43:21 +0000
Norte de Minas realiza seminário sobre infecções sexualmente transmissíveis http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/9524-norte-de-minas-realiza-seminario-sobre-infeccoes-sexualmente-transmissiveis http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/9524-norte-de-minas-realiza-seminario-sobre-infeccoes-sexualmente-transmissiveis

A Superintendência Regional de Saúde de Montes Claros (SRS) realiza nesta terça e quarta-feira, 20 e 21, o Seminário de Infecções Sexualmente Transmissíveis e Hepatites Virais, reunindo profissionais de saúde dos 53 municípios que integram a sua área de atuação. O evento está sendo realizado no auditório da Região Integrada de Segurança Pública (Risp), sediada no bairro Ibituruna.

Crédito: Pedro Costa

Por se tratar de tema relevante para a saúde da população e alinhamento de informações entre os profissionais dos municípios, o seminário é aberto à participação de médicos, coordenadores de vigilância epidemiológica e de atenção primária à saúde, bem como a referências técnicas de assistência farmacêutica das secretarias municipais de saúde. Também foram disponibilizadas vagas para profissionais que atuam no Centro de Referência de Doenças Infecciosas (CERDI) dos municípios de Janaúba e Montes Claros.

O Departamento de Doenças Sexualmente Transmissíveis, Aids e Hepatites Virais, vinculado ao Ministério da Saúde salienta que as DSTs são consideradas como um dos problemas de saúde pública mais comuns em todo o mundo. Em ambos os sexos, tornam o organismo mais vulnerável a outras doenças, inclusive a Aids, além de terem relação com a mortalidade materna e infantil.

Na abertura do seminário a coordenadora do Núcleo de Vigilância Epidemiológica, Ambiental e de Saúde do Trabalhador da SRS, Josianne Gusmão, apresentou dados epidemiológicos sobre as doenças sexualmente transmissíveis no Estado. Em 2016, de 3,6 mil casos notificados de pessoas infectadas pelo vírus HIV em Minas Gerais 60 foram registrados no Norte de Minas. Por outro lado, no ano passado foram notificados na região 91 caos de sífilis e 96 casos de diversos tipos de hepatites virais, com prevalência para a Hepatite C.

A coordenadora salientou que as secretarias municipais de saúde precisam fortalecer a integração de ações entre os serviços de vigilância epidemiológica e os profissionais que atuam na atenção primária à saúde, a fim de que possam notificar os casos de infecções sexualmente transmissíveis e de hepatites virais o mais precocemente possível.

Além de registrar os casos no Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN), os municípios precisam fazer o acompanhamento dos pacientes e encerrar os casos no banco de dados mantido pelo Ministério da Saúde. Isso possibilitará aos governos do Estado e Federal definir políticas públicas voltadas especificamente para a orientação da população e implementação de ações para controle das doenças sexualmente transmissíveis.

Josianne Gusmão observou ainda que, no caso das infecções por HIV a prevalência ocorre em jovens e adultos com idade entre 20 e 49 anos, população esta que não tem o hábito de frequentar as unidades básicas de saúde. “Desta forma, os serviços de saúde dos municípios precisam realizar a busca ativa desse público, tanto no que se refere à implementação de campanhas de conscientização voltadas para a proteção contra as doenças sexualmente transmissíveis, quanto no sentido de orientá-los com relação à realização de exames para investigação de alguma anormalidade”, frisou a coordenadora.

No Brasil, as estimativas da Organização Mundial de Saúde (OMS) de infecções na população sexualmente ativa, a cada ano, são de 937 mil casos de sífilis; mais de 1,5 milhão de notificações de casos de gonorreia; 1,9 milhão de casos de Clamídia; quase 641 mil casos de herpes genital e 685,4 mil notificações de infecções por HPV (Papiloma vírus humano).

Programação

Entre outros temas debatidos no primeiro dia do Seminário a médica pediatra do Centro de Referência em Doenças Infecciosas (CERDI) de Montes Claros, Janer Aparecida Silveira Soares falou sobre o “Diagnóstico, fluxo, conduta da criança exposta ao HIV” e sobre o “Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas para Profilaxia Antiretroviral Pós- Exposição de Risco a Infecção pelo HIV”.

A “Deliberação e Fluxo da Profilaxia Pós-Exposição” foi tema de palestra da enfermeira e referência técnica da Coordenação Estadual do Programa IST/HIV da Secretaria de Estado da Saúde de Minas Gerais (SES-MG), Rúbia Mara Veloso Gonçalves. Em seguida o “Diagnóstico, Tratamento e conduta de Hepatites Virais” foi tema abordado por Geraldo Scarabelli Pereira, referência técnica em hepatites virais da Coordenação Estadual da SES-MG. Ele também fez exposição sobre a “Notificação e Sistema de Informação de Hepatites Virais” por parte dos serviços de saúde em todo o Estado.

Nesta quarta-feira, a partir das oito horas, a referência técnica da Coordenação Estadual do Programa IST/HIV e Hepatites Virais da SES-MG, Leide Talane Alcântara falará sobre as notificações e investigação de Infecções Sexualmente Transmissíveis/HIV Aids. Em seguida a médica, Cláudia Biscotto, infectologista do Centro Ambulatorial e Especialidades Tancredo Neves, administrado pelo Hospital Universitário Clemente de Faria, fará apresentação sobre a “História, Diagnóstico e Tratamento de HIV/Aids e da Sífilis”.

A partir das 10h45m haverá debate entre os participantes do Seminário que, em seguida, será encerrado pela assistente social do Grupo de Apoio à Prevenção e aos Portadores de Aids (GRAPPA), Célia Rosa de Oliveira e Rodrigues. Ela falará sobre o trabalho implementado pela entidade, contemplando pacientes residentes em vários municípios do Norte de Minas.

]]>
Banco de notícias Tue, 20 Jun 2017 15:00:56 +0000
SES-MG promove curso de atualização do SIOPS http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/9523-ses-mg-promove-curso-de-atualizacao-do-siops http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/9523-ses-mg-promove-curso-de-atualizacao-do-siops

Na próxima quarta-feira e quinta-feira, 21 e 22 de junho, a Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG), por meio da Subsecretaria de Gestão Regional e da Subsecretaria de Inovação e Logística em Saúde, promoverá um curso para técnicos das Unidades Regionais de Saúde de atualização no preenchimento do Sistema de Informações sobre Orçamentos Públicos em Saúde (SIOPS).

O objetivo da capacitação é disseminar o conhecimento sobre o sistema às Unidades Regionais de Saúde, bem como aos Gestores municipais. “Dessa forma, contribuímos para a melhoria da Gestão Pública e da Transparência na aplicação dos recursos públicos em saúde”, afirma a Coordenadora do SIOPS da SES-MG, Cássia Maria Gonçalves França.

Por meio do SIOPS são disponibilizadas informações sobre despesas em saúde dos municípios, Estados e Distrito Federal. “O sistema é de alimentação obrigatória e tem acesso público para registro eletrônico centralizado e atualizado das informações referentes aos gastos em serviços públicos, além de monitorar a aplicação de recursos no Sistema Único de Saúde (SUS)”, conclui Cássia Maria Gonçalves França.

Programação

Data: 21/06/2017

8h30 - Credenciamento
9h – Abertura
9h30 às 12h – SIOPS – Informações Gerais SIOPS (Normatização, Operacionalização, prazos e Penalidades) – Palestrantes: Maria Eridan Pimenta Neta (Coordenadora do SIOPS/MS) e Carla Emília C. Cavalcanti (Técnica de Equipe Gestora SIOPS/MS)
12h - Intervalo para almoço
14h às 17h – Acesso à Página do SIOPS – Conhecendo a página/Relatórios e demonstrativos do SIOPS – Palestrante: Carla Emília C. Cavalcanti (Técnica de Equipe Gestora SIOPS/MS)
Exercícios/Testando os Conhecimentos/Espaço para dúvidas e sugestões
17h – Encerramento

Data: 22/06/2017

9h às 12h – Acesso ao Sistema – Conhecendo o Sistema de Preenchimento – Parte I – Palestrante: Célia Rodrigues Lima (Técnica de Equipe Gestora SIOPS/MS) Demais Alterações Previstas
Exercício/Testando os Conhecimentos/Espaço para Dúvidas e Sugestões
12h - Intervalo para almoço
14h às 17h – Acesso ao Sistema – Conhecendo o Sistema de Preenchimento – Parte II – Palestrante: Célia Rodrigues Lima (Técnica de Equipe Gestora SIOPS/MS)
Exercícios/Testando os Conhecimentos/Espaço para dúvidas e sugestões.
17h - Encerramento

Serviço
Curso de atualização do Sistema de Informações sobre Orçamentos Públicos em Saúde (SIOPS)
Data: 21 e 22 de junho
Local: Fundação Getúlio Vargas – Avenida Prudente de Morais, 444 – Cidade Jardim.

]]>
Banco de notícias Tue, 20 Jun 2017 14:07:11 +0000
Fernando Pimentel recebe primeira mulher brasileira aceita na Escola de Engenharia de Oxford http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/9522-fernando-pimentel-recebe-primeira-mulher-brasileira-aceita-na-escola-de-engenharia-de-oxford http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/9522-fernando-pimentel-recebe-primeira-mulher-brasileira-aceita-na-escola-de-engenharia-de-oxford

O governador Fernando Pimentel recebeu nesta segunda-feira (19/6), no Palácio da Liberdade, em Belo Horizonte, a engenheira mecânica Bárbara Emanuella Souza, primeira mulher brasileira aceita na Escola de Engenharia de Oxford para doutorado. Mineira de 24 anos e natural de Diamantina, ela é responsável pelo projeto de pesquisa destinado ao desenvolvimento de nanopartículas carregadoras de medicamentos para o tratamento de câncer e tumor, diminuindo os efeitos colaterais durante a quimioterapia.

Manoel Marques/Imprensa MG

Durante o encontro, o governador presenteou a estudante com um diploma em reconhecimento a sua atuação e destacou a importância do trabalho que será desenvolvido e que levará o nome de Minas Gerais. “Eu vou te entregar um diploma, não é o primeiro da sua vida, eu sei, mas é um dos mais importantes. Esse diploma de honra ao mérito é por você ser primeira brasileira a entrar em Oxford para doutorado em engenharia. Isso é uma grande alegria para Minas Gerais”, destacou Fernando Pimentel.

O estudo desenvolvido por Bárbara Souza permitirá que os remédios sejam levados diretamente para a região doente do corpo, sem afetar outras partes do organismo.

“Fico muito feliz, principalmente por estar representando as mulheres, tanto na pesquisa quanto na engenharia, em algo tão importante como o tratamento do câncer. Minha satisfação é maior por ter vindo de uma universidade pequena, no Vale do Jequitinhonha e Mucuri, áreas muito carentes. Então foi um incentivo para tentar alavancar a região”, afirmou. A estudante também participou do programa Ciência sem Fronteiras, do Governo Federal, permanecendo nos Estados Unidos por um ano e meio (2014/2015), durante o bacharelado.

Para o secretário de Estado de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Miguel Corrêa, Minas Gerais tem apostado cada vem mais no desenvolvimento e capacitação de jovens universitários, principalmente em áreas de destaque como a nanotecnologia.

“O Governo de Minas Gerais tem em mente que as principais riquezas do Estado não são só a mineração e agricultura, mas também o conhecimento. Passamos anos e anos exportando talentos e não retendo. Por isso, temos hoje programas e propostas em áreas estratégicas, como a nanotecnologia, biotecnologia, entre outras, com o objetivo de que as pessoas possam estudar fora, mas, depois, possam trazer conhecimento para o estado e desenvolve-lo aqui, gerando empregos, riquezas e trabalho ”, disse.

]]>
Banco de notícias Mon, 19 Jun 2017 15:11:37 +0000
Boletim Epidemiológico de Monitoramento dos casos de Dengue, Chikungunya e Zika Vírus (19/06) http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/9521-boletim-epidemiologico-de-monitoramento-dos-casos-de-dengue-chikungunya-e-zika-virus-19-06 http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/9521-boletim-epidemiologico-de-monitoramento-dos-casos-de-dengue-chikungunya-e-zika-virus-19-06

Em 2017, até o momento (19/06), Minas Gerais registrou 26.107 casos prováveis (casos confirmados + suspeitos) de dengue. Desses, cinco (5) casos vieram a óbito e outros 25 (vinte e cinco) seguem em investigação.

Em relação à Febre Chikungunya, Minas Gerais registra 16.489 casos prováveis da doença. Vinte e um (21) óbitos suspeitos pela doença estão em investigação. Já com relação à febre pelo Zika Vírus, são 846 casos prováveis no estado em 2017.

» Clique aqui e confira o Boletim Epidemiológico de Monitoramento dos casos de Dengue, Chikungunya e Zika Vírus da SES-MG para a IMPRENSA (atualizada em 19/06/2017)
» Clique aqui e confira o Boletim Epidemiológico de Monitoramento dos casos de Dengue, Chikungunya e Zika Vírus da SES-MG para a ÁREA TÉCNICA (atualizada em 19/06/2017)

» Clique aqui e confira a Tabela de Casos Prováveis de Dengue por município (atualizada em 19/06/2017)
» Clique aqui e confira a Tabela de Casos Prováveis de Chikungunya por município (atualizada em 19/06/2017)
» Clique aqui e confira a Tabela de Casos Prováveis de Febre Zika por município (atualizada em 19/06/2017)

]]>
Banco de notícias Mon, 19 Jun 2017 15:00:31 +0000
Regional de Saúde de Pedra Azul e Secretaria de Educação promovem debate sobre drogas http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/9518-regional-de-saude-de-pedra-azul-e-secretaria-de-educacao-promovem-debate-sobre-drogas http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/9518-regional-de-saude-de-pedra-azul-e-secretaria-de-educacao-promovem-debate-sobre-drogas

A Gerência Regional de Saúde de Pedra Azul (GRS), em parceira com a Escola Estadual Pacífico de Faria, realizou na última terça-feira, 13/06, no anfiteatro municipal, uma Roda de Conversa sobre Drogas, com alunos do 9º Ano do Ensino Fundamental.

Crédito: Allan Campos

O objetivo do encontro foi concluir as atividades trabalhadas durante o último bimestre sobre “Drogas e Sistema Nervoso”, que faz parte do eixo temático “Corpo Humano e Saúde”, que faz parte do currículo básico comum da disciplina Ciências da Natureza.

A Referência Técnica Regional do Programa Saúde na Escola (PSE) e do Programa de Prevenção ao Uso do Tabaco, Álcool e Outras Drogas, Adriadna Arruda, que dirigiu a Roda de Conversa, destacou a importância dessa parceria entre Saúde e Educação: “É cada vez mais urgente a necessidade de reduzir a distância e fortalecer o vínculo entre os setores de Saúde e Educação, visto que a escola é o ambiente mais favorável para o alcance de resultados efetivos na Educação em Saúde, além de viabilizar a discussão de problemáticas e necessidades tão comuns aos educandos”, destacou.

A bióloga e professora, Amanda Arruda, defendeu que a discussão sobre o uso das drogas, seus efeitos sobre o organismo e suas consequências sobre o convívio social é extrema e continuamente necessária. “Muitos alunos tem uma visão ingênua e deturpada sobre o assunto e precisam ser instigados, preferencialmente, por um profissional da área, a refletirem e avaliarem, criticamente, suas ideias a respeito.”

]]>
Banco de notícias Wed, 14 Jun 2017 16:52:13 +0000
Bombeiros e Samu vão atender juntos no feriado de Corpus Christi http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/9517-bombeiros-e-samu-vao-atender-juntos-no-feriado-de-corpus-christi http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/9517-bombeiros-e-samu-vao-atender-juntos-no-feriado-de-corpus-christi

A partir deste feriado de Corpus Christi (14/06) o Corpo de Bombeiros Militar de Minas Gerais (CBMMG) e o Serviço Médico de Atendimento de Urgência (Samu) vão colocar em prática um novo modelo de atendimento à população inédito no país. As duas instituições alinharam os protocolos de salvamento e, de agora em diante, bombeiros militares, médicos e enfermeiros passam a formar equipes mistas e a dividir a mesma viatura com o intuito de agilizar o socorro às vítimas encaminhadas ás unidades de saúde do Sistema Único de Saúde (SUS).

O projeto piloto já foi testado nos feriados da Semana Santa, Tiradentes e Dia do Trabalho, em abril e maio deste ano. Durante os testes foram atendidas 20 ocorrências dos mais variados tipos, tais como acidentes com vítimas presas entre as ferragens, grandes incêndios e emergências psiquiátricas. Com a experiência e o êxito do projeto piloto, o planejamento é que o novo modelo seja levado a toda a capital mineira pela primeira vez no feriado de Corpus Christi.

“Funcionou muito bem. Estamos caminhando para implementar a ideia de maneira definitiva em Belo Horizonte. Vamos receber médicos e enfermeiros nas viaturas dos bombeiros. O carro já sai da base com uma equipe médica e bombeiros prontos para atender à demanda. Isso garante socorro com mais agilidade às vítimas”, diz o comandante do Batalhão de Emergências Ambientais e Resposta a Desastres, major Anderson Passos.

“É uma experiência muito boa, como a que já acontece no atendimento feito via helicóptero, onde uma equipe de médicos trabalha há cerca de quatro anos. Não tem nada melhor para o cidadão do que juntar as competências das duas instituições. A princípio estamos fazendo em feriados prolongados e o objetivo é que isso seja definitivo”, afirma o gerente coordenador do Samu em Belo Horizonte, Alex Sander Peres.

Integração dos protocolos

Para a execução do projeto, as equipes do Samu e Corpo de Bombeiros tiveram que unificar protocolos de atendimento e passar por treinamentos. Na semana passada, por exemplo, médicos e enfermeiros do Samu foram treinados pelos bombeiros para nivelamento de técnicas de resgate veicular, entre outros temas. Ao todo, 140 médicos e enfermeiros já foram formados pelo curso dos bombeiros.

“Ambos atuam em acidentes de diversas naturezas e, por isso, estamos fazendo um protocolo para atendimento uniforme das ocorrências. A ideia é integrar e nivelar as informações”, explica o major Anderson Passos. “Percebemos que estávamos lado a lado nas ocorrências, mas não estávamos atuando de maneira integrada, dado que cada instituição tem seu próprio protocolo de procedimento”, acrescenta.

“A aceitação das equipes foi formidável. Agora, estamos dentro de um mesmo padrão de alinhamento de protocolos. Antes, dentro de uma ocorrência crítica e de salvamento as equipes chegavam separadas e com protocolos distintos que poderiam comprometer a assistência”, comenta Alex Sander.

As equipes mistas estão habilitadas e entrosadas para trabalharem em alturas, matas, cavernas, rodovias e todo o equipamento foi customizado para ser modular e de fácil manuseio. O serviço pode ser acionado tanto pelo Centro de Operações de Bombeiros (Central 193) quanto pela Central de Regulação do Samu-BH ( 192).

 

]]>
Banco de notícias Wed, 14 Jun 2017 12:10:52 +0000
ESP-MG recebe a 1ª edição da mostra "Saúde É Meu Lugar!" http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/9516-esp-mg-recebe-a-1-edicao-da-mostra-saude-e-meu-lugar http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/9516-esp-mg-recebe-a-1-edicao-da-mostra-saude-e-meu-lugar

Entre os dias 22 e 23 de junho de 2017, a Escola de Saúde Pública do Estado de Minas Gerais (ESP-MG), em comemoração aos seus 71 anos (1946|2017), irá receber a 1ª edição da mostra "Saúde É Lugar!", que reúne e divulga experiências dos profissionais da saúde com atuação em todo o país, principalmente daqueles que estão todos os dias nas ruas e nas casas das pessoas.

Nos espaços da ESP-MG dedicados à mostra, os trabalhadores podem dizer tudo aquilo que acontece no seu dia a dia: as dificuldades, as alegrias, causos divertidos, enfim, o que normalmente se perde na correria cotidiana, mas que merece ser guardado e divulgado.

A Mostra vai acontecer juntamente com o Seminário Regional sobre a Formação em Saúde Pública e alguns profissionais que já enviaram suas histórias foram selecionados para abrir cada um dos blocos do seminário.

Além disso, a programação conta com oficinas criativas e um percurso artístico para exibir as histórias recebidas. A chamada de relatos já está aberta e são recebidos pelo site, e-mail ou Whatsapp. Queremos ouvir suas histórias também! Você pode mandá-las em texto, áudio, foto ou vídeo para os contatos abaixo:

Whatsapp: (21) 97147-1780
Inscrições: participar@saudeemeulugar.com
Site: http://www.saudeemeulugar.com/
participar
Facebook: https://www.facebook.com/saudeemeulugar/

]]>
Banco de notícias Wed, 14 Jun 2017 10:41:10 +0000
Hemominas comemora o Dia Mundial do Doador de Sangue e trabalha para ampliar o número de colaboradores http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/9513-hemominas-comemora-o-dia-mundial-do-doador-de-sangue-e-trabalha-para-ampliar-o-numero-de-colaboradores http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/9513-hemominas-comemora-o-dia-mundial-do-doador-de-sangue-e-trabalha-para-ampliar-o-numero-de-colaboradores

A campanha Junho Vermelho - liderada em Minas Gerais pelo Governo do Estado, por meio da Fundação Hemominas - chama a atenção da população para a importância da doação de sangue, principalmente nesse período do ano, em que os estoques ficam muito baixos, alguns chegando a níveis críticos.

Nesta quarta-feira (14/06) é celebrado o Dia Mundial do Doador de Sangue, data criada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para lembrar o cidadão da importância de salvar vidas. Para Belo Horizonte estão previstas atividades como divulgação na Estação de Metrô Vilarinho e no Posto de Coleta do Shopping Estação. No hemocentro da capital uma programação de 9 horas às 17 horas inclui degustação de comidas típicas das festas juninas, apresentação de grupos de quadrilhas e banda da Força Aérea Brasileira (FAB). No interior, cada unidade da Hemominas terá sua programação. 

Desafio permanente

A realidade das doações em Minas Gerais é parecida com a nacional, com menos de 2% da população cadastrada como doadora. Contudo, o ideal, segundo a Hemominas, seria alcançar 3%. Conforme a captadora do Hemocentro de Belo Horizonte, Cíntia Calu , há um trabalho permanente com a Assessoria de Comunicação a fim de atrair novos doadores e manter os que já existem. 

Campanhas são realizadas em períodos que antecedem os momentos mais críticos como Carnaval, Dia das Mães, Junho Vermelho, Dia dos Pais e festas de fim de ano. Na capital, esse trabalho se dá também com intensa divulgação nas estações de metrô e em outras empresas, e também nos hospitais conveniados com a Hemominas.

Além da atuação dos servidores da Hemominas, os próprios funcionários dos hospitais, após treinamento, mantêm contato com familiares dos pacientes mostrando a eles a importância de se tornarem doadores permanentes. No mês de junho, os estoques ficam muito baixos em razão da queda na temperatura, quando as pessoas costumam ficar mais reclusas, porém, mais propensas a resfriados e gripes. Outro ingrediente que diminui o número de doadores é a vacinação.

Nessa época, muitas pessoas se imunizam contra a gripe, e neste ano, especialmente, a vacina da febre amarela foi bastante procurada em razão do surgimento de casos da doença em muitos municípios brasileiros.
Quando são vacinadas, as pessoas precisam obedecer a um prazo variável para restabelecer a condição de doador. A vacina da febre amarela, por exemplo, exige 30 dias.

O hemocentro da capital tem capacidade para receber 400 doadores ao dia, mas a redução chega a 30% nos grupos sanguíneos negativos e 20% nos demais. Conforme a Hemominas, 42% de todos os doadores são do tipo “O positivo”, enquanto os outros 58% são formados por todos os outros grupos sanguíneos juntos, sendo que os negativos são imprescindíveis nos casos de urgência e emergência, como vítimas de acidentes.

Atualmente, existe um sistema eletrônico que facilita o acesso do doador, entretanto, há preocupação constante com a segurança na doação e a entrevista se repete todas as vezes com os mesmos questionamentos numa relação de confidencialidade. A Hemominas considera imprescindível que o doador se preocupe com a saúde e tenha sinceridade nas informações prestadas, inclusive se ele está alimentado no momento da doação. Os homens podem doar sangue até quatro vezes ao ano, e as mulheres, três vezes.

Amor e solidariedade

Não há como não exaltar a atitude do doador de sangue. Cada rosto observado nos locais de doação reflete uma mistura de bons sentimentos como amor, serenidade, alegria, respeito, emoção e, acima de tudo, solidariedade. O funcionário da farmácia do Hospital das Clínicas, Gilmar Ferreira Júnior, 31 anos, é doador há alguns anos. Ele diz ter enorme satisfação em poder ajudar o próximo com a doação de sangue. “Para os que nunca doaram, podem vir tranquilos. Não há problema nenhum. Pessoas necessitam de sangue e esse nosso gesto pode salvar muitas vidas”, afirma.

Ao fazer a doação de sangue pela segunda vez, a turismóloga Keila Carla de Jesus Villiere, 33 anos, ressaltou a facilidade e a rapidez no atendimento do Hemocentro de Belo Horizonte. “Estou muito feliz em poder doar, contribuir com as pessoas que necessitam neste momento. E que eu possa vir mais vezes, contribuir de outras formas também. Já preenchi o formulário manifestando a minha disposição de fazer doação de medula óssea e espero que achem alguém compatível”, revelou Keila, esbanjando esperança.

Outro caso exemplar é o da administradora de empresas Audrey Moura. Ela é de uma família que tem a cultura da doação de sangue, mas precisa de uma superação pessoal para manifestar sua solidariedade. “Eu tenho um medo muito grande de agulha, sempre tive, mas um dia me enchi de coragem e falei: vou doar sangue”, conta. Apesar dos calafrios, ela conseguiu e não se arrepende. “Doar sangue é uma coisa que para você não faz uma diferença tão grande, mas para outra pessoa pode ser a diferença entre estar vivo ou não”. Ouça aqui seu depoimento.

Se algumas décadas atrás as doações traziam alguma desconfiança, hoje a situação é bem diferente. Com os avanços da ciência e as inovações tecnológicas, as doações são cada vez mais seguras, sendo possível registrar qualquer alteração no sangue antes de utilizá-lo. Quando isso acontece, a bolsa é descartada e o doador recebe uma carta para que retorne ao local onde realizou a doação a fim de passar por novos exames. Existem ainda dois laboratórios específicos para a investigação do HIV, por exemplo, com resultados rápidos e confiáveis.

Em todo o estado

A Fundação Hemominas tem uma história de 32 anos e desde o seu início investe no aperfeiçoamento dos processos para uma melhor e continuada prestação de serviço. Assim, desde 2002, a fundação fez opção pela gestão da qualidade, aprimorando práticas administrativas, que possibilitaram, em 2015, atingir 92% das transfusões no estado.

Nessa trajetória, a Hemominas atendeu, em seus ambulatórios, mais de 7 mil pacientes com doenças genéticas do sangue, entre elas anemia falciforme e hemofilia. Nesse período de três décadas a evolução da Hemominas tem como resultado a garantia da qualidade, a segurança na transfusão e a ampliação do atendimento ao doador. Em 2016 foram registrados cerca de 360 mil candidatos à doação de sangue, bem como uma produção de 765 mil hemocomponentes.

São mais de 5 milhões de testes laboratoriais, incluindo testes sorológicos, moleculares e imunohematológicos realizados nos laboratórios da administração central para todas as unidades, além de mais de 93 mil procedimentos e consultas. Também o laboratório de Histocompatibilidade (HLA) tem se expandido rapidamente desde sua implantação, em 2012, já sendo responsável por 50% dos testes realizados em Minas Gerais.

Há que se destacar também a expansão da cobertura hemoterápica superior a 97% (procedimentos transfusionais em todo o estado), com proposta de alcançar 100% dos procedimentos vinculados ao Sistema Único de Saúde (SUS). Com esses números, a Hemominas é uma das instituições que mais registra candidatos à doação de medula óssea no Brasil: mais de 24 mil só em 2016.

Com uma luta constante, a dona de casa Sandra Aparecida Jardim. 39 anos, tem dois filhos com anemia falciforme e sabe como poucos da importância da doação. Gisele, de 16 anos, e Pedro Henrique, de 8, que são levados à Hemominas uma vez por mês para controle periódico. Gisele passa ainda por transfusão de sangue.“Estou nessa vida há 16 anos e se a minha filha não receber a transfusão todos os meses ela não consegue viver. Por isso, peço a todos que continuem doando sangue para salvar vidas”, diz Sandra.

Estrutura estadual

As unidades da Hemominas atendem -- por meio de contratos e convênios -- grande parte dos estabelecimentos de saúde de Minas Gerais, cerca de 600 entidades conveniadas, incluindo hospitais públicos, filantrópicos e particulares, alcançando aproximadamente 800 municípios, direta ou indiretamente.

Com estrutura e gestão administrativa singular, regulada pelo decreto 43.668, de 26/11/2003, a fundação integra-se por meio de sistema de rede de unidades hemoterápicas hierarquizadas, descentralizadas nas macrorregiões do estado (hemocentros, hemonúcleos e unidades de coleta e transfusão), porém, com uma administração central.

Com sede em Belo Horizonte, a Fundação Hemominas está presente em todas as regiões do estado. Além da capital, existem hemocentros em Governador Valadares, Juiz de Fora, Montes Claros, Pouso Alegre, Uberaba e Uberlândia. Contemplando as mesmas regiões, porém facilitando a descentralização, há a atuação dos hemonúcleos, das unidades de coleta e transfusão e de postos avançados de coleta externa. Com essa estrutura, Minas Gerais está preparada para que o cidadão exerça sua solidariedade fazendo a doação de sangue e medula óssea.

Pré-requisitos do doador

Para ser doador de sangue o interessado deve ter entre 16 e 69 anos, peso acima dos 50 kg, estar em condições plenas de saúde, estar alimentado e não ter ingerido bebida alcoólica nas 24 horas que antecedem a doação. O candidato deve apresentar documento original oficial com foto, filiação e assinatura.

De cada pessoa é possível retirar até 450 ml de sangue, volume que não faz falta ao doador e contribui para atender até quatro pacientes.
O horário de atendimento das unidades e os endereços em todo o estado podem ser acessados no site www.hemominas.mg.gov.br. Nesse mesmo endereço, é possível, realizar o agendamento online da doação de sangue. Todas as condições, critérios e restrições podem ser consultados neste link página da Hemominas. Abaixo, assista o vídeo:

 

]]>
Banco de notícias Wed, 14 Jun 2017 10:30:35 +0000
Regional de Saúde de Pouso Alegre promove reunião sobre enfrentamento à sífilis http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/9515-regional-de-saude-de-pouso-alegre-promove-reuniao-sobre-enferentamento-a-sifilis http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/9515-regional-de-saude-de-pouso-alegre-promove-reuniao-sobre-enferentamento-a-sifilis
Nos dias 09 e 13 de junho, a Regional de Saúde de Pouso Alegre promoveu reunião sobre a importãncia do enfrenatmento à sífilis e o aumento no número de casos de sífilis adquirida, congênita e em gestantes nos 53 municípios que pertencem à Regional. As reuniões também tiveram como objetivo capacitar os profissionais de saúde para o diagnóstico, tratamento e notificação da doença no Sistema Único de Saúde (SUS), pois somente por meio da notificação é possível traçar estratégias de enfrentamento ao agravo.
Crédito: Juliana Horta de Almeida
 
As reuniões foram realizadas no auditório da Regional de Saúde, voltadas aos coordenadores de epidemiologia, atenção primária e serviços especializados (SAE/CTA), para que estes repliquem as informações junto aos demais profissionais nos municípios em que atuam.

Durante as reuniões foi apresentado o protocolo do Ministério da Saúde que aborda o agravo e ainda o cenário epidemiológico nacional, estadual e regional, com ênfase neste último. Também foram abordadas orientações quanto ao papel da Atenção Primária à Saúde no enfrentamento à doença. A reunião foi organizada pelas referências técnicas em Infecções Sexualmente Transmissíveis/AIDS Ana Carolina Seabra Silveira do Núcleo de Atenção Primária à Saúde (NAPRIS) e Flávia Moreira Alves Silva do Núcleo de Vigilância Epidemiológica (NUVEP), em conjunto com a referência técnica do Núcleo de Assistência Farmacêutica (NAF) Luciana Silveira.

Para a referência Técnica IST/AIDS do NUVEP, Flávia Moreira, é importante ressaltar que a sífilis é uma doença que pode trazer graves consequências, principalmente na forma congênita. “Se diagnosticada e tratada oportuna e adequadamente os casos em gestantes, bem como em sua parceria sexual, estaremos prevenindo essa forma da doença. Portanto, capacitar os profissionais de saúde se torna fundamental”, explicou.

 

]]>
Banco de notícias Tue, 13 Jun 2017 17:27:08 +0000
Norte de Minas atualiza informações sobre o Programa de Triagem Pré-Natal e Neonatal de MG http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/9514-norte-de-minas-atualiza-informacoes-sobre-o-programa-de-triagem-pre-natal-e-neonatal-de-mg http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/9514-norte-de-minas-atualiza-informacoes-sobre-o-programa-de-triagem-pre-natal-e-neonatal-de-mg

Envolvendo a participação de referências técnicas de 53 municípios do Norte de Minas​,​ a Superintendência Regional de Saúde de Montes Claros (SRS) realizou nesta terça-feira, 13​/06​, encontro de capacitação sobre o Programa de Triagem Pré-Natal e Neonatal de Minas Gerais. O Programa é mantido pelo Governo do Estado​,​ em parceria com a Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Desde 1993 o Programa já atendeu cerca de 5,6 milhões de recém-nascidos e, atualmente, aproximadamente seis mil crianças e jovens estão sendo acompanhados ou sendo submetidos a tratamento de doenças diagnosticadas.

Crédito: Pedro Ricardo

O encontro de capacitação envolveu a participação de enfermeiros que atuam na atenção primária à saúde dos municípios, bem como profissionais das maternidades norte-mineiras que são referência em gestação de alto risco. A capacitação, realizada no auditório das Faculdades Santo Agostinho, foi ministrada pela mestre em ciências da saúde da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Michelle Rosa Andrade Alves. Ela é nutricionista do Centro de Educação e Apoio Social (CEAPS), instituição integrante do Núcleo de Ações e Pesquisa em Apoio Diagnóstico (NUPAD), órgão integrante da Faculdade de Medicina da UFMG.

A referência técnica em saúde da mulher na Superintendência Regional de Saúde de Montes Claros, Ludmila Barbosa explic​ou​ que a capacitação de profissionais do Norte de Minas faz parte de parceria estabelecida entre a Diretoria de Programas da Secretaria Municipal de Saúde de Montes Claros e o Núcleo de Redes de Atenção à Saúde da SRS. O objetivo é reduzir a incidência de amostras inadequadas e/ou insuficientes para o Programa de Triagem Pré-Natal e Neonatal de Minas Gerais, garantindo o diagnóstico e tratamento precoce de recém-nascidos, o que resultará na diminuição de sequelas associadas a cada doença.

Por sua vez Michelle Alves salienta que, quando da realização do teste do pezinho em recém-nascidos, a adequada coleta de amostras por parte de profissionais atuantes nas unidades básicas de saúde e nas maternidades, possibilita ao NUPAD agilizar as análises por período médio de três dias e, com isso, iniciar o mais rápido possível o tratamento de bebês que porventura tenham identificada alguma anormalidade.

Por esse motivo, frisou a especialista, “as gestantes precisam serem alertadas sobre a importância da realização do teste do pezinho entre o terceiro e quinto dia de vida do recém-nascido para que, em caso de necessidade, o acompanhamento dos profissionais de saúde aconteça o mais rápido possível, bem como a dispensação de medicamentos por meio do Sistema Único de Saúde (SUS)”.

O PROGRAMA

O exame, conhecido como teste do pezinho, é oferecido gratuitamente à população dos 853 municípios de Minas Gerais por meio do Programa de Triagem Neonatal de Minas Gerais (PTN-MG), sob a gestão da Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG) e execução técnica do NUPAD.

O exame é realizado em laboratório a partir de amostras de sangue retiradas do calcanhar do recém-nascido e colhidas em papel filtro. O exame identifica se o bebê possui alguma alteração que possa indicar o diagnóstico de uma doença de origem genética grave ou que se desenvolveu no período fetal (congênita).

Atualmente o Estado realiza a triagem neonatal para as seguintes doenças: hipotireoidismo congênitofenilcetonúriadoença falciformefibrose císticadeficiência de biotinidasehiperplasia adrenal congênita e Toxoplasmose congênita. A partir da triagem neonatal o recém-nascido, com suspeita para alguma doença, passa por exames confirmatórios. Caso o diagnóstico seja confirmado, a criança começa a receber os cuidados médicos necessários antes da ocorrência de morte e do aparecimento de sequelas graves e sem chances de cura como, por exemplo, o retardo mental.

A coleta do sangue para a triagem neonatal deve ser realizada entre o terceiro e o quinto dia de vida do bebê. Nesse período é importante que a mãe ou o responsável pela criança procure uma Unidade Básica de Saúde (UBS) para realizar o teste. A coleta realizada no tempo correto possibilita que o recém-nascido diagnosticado com alguma das doenças contempladas pelo Programa de Triagem Neonatal receba o tratamento dentro do prazo necessário para evitar sequelas graves, danos diversos ao organismo e até mesmo a morte.

PRÉ-NATAL

Já o Programa de Triagem Pré-Natal garante o acesso das gestantes de todo o estado aos testes gratuitos para o diagnóstico precoce da toxoplasmose. Quando a mulher adquire a toxoplasmose durante a gestação o feto também pode ser infectado (toxoplasmose congênita). A infecção fetal pode levar a criança a apresentar graves lesões visuais, auditivas e neurológicas.

No caso do diagnóstico precoce da toxoplasmose​, a futura mãe pode ser tratada durante a gravidez. Se, apesar do tratamento na gestação a criança nascer com a toxoplasmose congênita, é possível tratá-la para diminuir a gravidade das manifestações da doença.

As crianças que tiverem o diagnóstico de toxoplasmose congênita confirmado (teste de triagem e sorologia positivas) serão tratadas e acompanhadas gratuitamente no centro de referência mais próximo à sua residência durante todo o período necessário.

O teste necessário para triagem diagnóstica da toxoplasmose pode ser realizado de forma simples e segura, a partir da primeira visita da gestante a uma Unidade Básica de Saúde do município onde reside. Recomenda-se que isso ocorra o mais rápido possível, preferencialmente até a 12ª semana de gestação (primeiro trimestre).

Uma amostra de sangue é colhida por punção digital, depositada em papel-filtro e enviada pelos Correios para análise no Laboratório de Triagem Pré-Natal do NUPAD, em Belo Horizonte.

 

]]>
Banco de notícias Tue, 13 Jun 2017 15:04:21 +0000
Hemominas reforça a importância do doador no Dia Mundial do Doador de Sangue http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/9512-hemominas-reforca-a-importancia-do-doador-no-dia-mundial-do-doador-de-sangue http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/9512-hemominas-reforca-a-importancia-do-doador-no-dia-mundial-do-doador-de-sangue

Nesta quarta-feira (14/06) é comemorado o Dia Mundial do Doador de Sangue. Em função disso, a Fundação Hemominas celebra a data lembrando a importância do doador voluntário de sangue no Sistema Único de Saúde (SUS) tanto para a instituição, quanto para os mais de 7 mil pacientes atendidos nos ambulatórias da rede Hemominas, além dos pacientes transfundidos em todo o estado.

Durante todo o dia 14 de junho, algumas unidades da Hemominas irão realizar ações para homenagear os candidatos que comparecerem nas unidades para doar sangue. No Hemocentro de Belo Horizonte, maior unidade da Hemominas no estado, os doadores serão homenageados com uma programação especial durante todo o dia. Outras unidades do interior, como Montes Claros, Juiz de Fora, Governador Valadares e Uberlândia também contarão com uma programação especial (veja a programação abaixo).

A Hemominas reconhece o doador como peça fundamental no trabalho da entidade que hoje é referência no fornecimento de serviços de hematologia e hemoterapia no SUS. Desde 2003, desejando ampliar e socializar a reflexão sobre a realidade das pessoas com hemoglobinopatias e coagulopatias, a Fundação Hemominas criou o Dia do Paciente Hemominas – também comemorado em junho, no dia 24.

De acordo com o Vice-Presidente da Fundação Hemominas, Geraldo Guedes, o surgimento do SUS fortaleceu os serviços de hematologia e hemoterapia em todo o país. “Com o advento do SUS e com a Constituição de 1988, a sociedade brasileira caminhou para acabar com o mal que era a comercialização do sangue”, afirma.

A comercialização do sangue vai contra a determinação do Ministério da Saúde, cuja portaria regulatória diz que a doação de sangue deve ser voluntária, anônima e altruísta, não devendo o doador, de forma direta ou indireta, receber qualquer remuneração ou benefício em virtude da sua realização.

Há 32 anos, a Hemominas promove a prestação de serviço continuado e de qualidade à população. Para garantir o aprimoramento das práticas administrativas, desde o ano de 2002 foi implementada a política de gestão da qualidade. Com isso, alcançou-se maior segurança transfusional e ampliação do atendimento ao doador (somente no ano de 2016 foram registrados cerca de 360 mil candidatos à doação de sangue totalizando 765 mil hemocomponentes). É importante ressaltar que em 2015 a Hemominas foi responsável por mais de 90% das transfusões realizadas no estado de Minas Gerais.

Composta por 21 unidades responsáveis por coleta de sangue e uma unidade transfusional em Frutal, a Hemominas atende à maioria dos estabelecimentos de saúde do estado. Apresenta cerca de 600 entidades conveniadas incluindo-se hospitais públicos, filantrópicos e particulares, com abrangência de cerca de 800 municípios. Possui também uma Administração Central que opera o sistema e atua em linha de comando.

Nos Laboratórios da Administração Central, já foram realizados mais de cinco milhões de testes laboratoriais, incluindo testes sorológicos, moleculares e imuno-hematológicos além de mais de 93 mil procedimentos e consultas. O laboratório de Histocompatibilidade (HLA), implantado em 2012, expandiu-se rapidamente e é responsável por 50% dos testes realizados no estado.

Contando com uma equipe multidisciplinar, presta atendimento a pacientes portadores de doenças do sangue. Já foram registrados mais de 7 mil pacientes com doenças genéticas do sangue, como anemia falciforme e hemofilia.

Atualmente, a Hemominas possui cobertura hemoterápica superior a 90% dos procedimentos transfusionais em Minas Gerais sendo que o objetivo é alcançar a totalidade. É uma das instituições que mais efetiva cadastro de doadores de medula óssea no Brasil, sendo que em 2016 foram registrados 24 mil candidatos.

Em tempo

Com o objetivo de homenagear e agradecer as pessoas que se mobilizam para salvar vidas diariamente por meio da doação de sangue, a data foi instituída no ano de 2005 pela Organização Mundial de Saúde (OMS), durante a 58ª Assembleia Mundial de Saúde.

A escolha da data foi feita devido a comemoração do nascimento do médico austríaco Karl Landsteiner, que foi responsável pela classificação dos Grupos Sanguíneos ABO e a descoberta do fator RH. Ainda, a OMS orienta aos Estados Membros que apoiem e promovam a doação de sangue voluntária e não remunerada e que os critérios para seleção de doadores sejam rigorosos.

Programação nas unidades da Hemominas

Hemocentro de Belo Horizonte:
10h – Apresentação musical com o grupo Clube da Amizade Padre Machado
11h – Grupo de quadrilha “Pé rachado”
14h - Apresentação da Banda da Força Aérea Brasileira
15h – Grupo de quadrilha “Paixão Junina”
Durante todo o dia: lanche especial para os doadores

Hemocentro de Governador Valadares:
A unidade fará uma decoração especial e entregará lembranças alusivas à data.

Hemocentro de Juiz de Fora:
9h30 - Apresentação do Coral da Ascomcert e distribuição de lembranças alusivas à data.

Hemocentro de Montes Claros:
10h – Show Banda Badauê
15h – Show Isaque Emanuel Saxofonista

Servidores da unidade também farão uma palestra sobre a importância da doação de sangue, às 14 horas, na Câmara Municipal de Montes Claros.
Palestrante – Responsável pela Captação do Hemocentro, Rosana Silva.
Público – Profissionais dos setores de saúde e educação, lideranças da comunidade e público em geral.

Hemocentro de Uberlândia:
Café da Manhã especial para os doadores.

 

]]>
Banco de notícias Tue, 13 Jun 2017 14:14:31 +0000