Notícias http://www.saude.mg.gov.br Thu, 23 Nov 2017 05:07:10 +0000 Joomla! - Open Source Content Management pt-br Campanha da SES-MG incentiva cuidados de saúde entre os homens http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/10012-campanha-da-ses-mg-incentiva-cuidados-de-saude-entre-os-homens http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/10012-campanha-da-ses-mg-incentiva-cuidados-de-saude-entre-os-homens

A Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) dedica o mês de novembro para alertar a população a respeito da importância dos cuidados que envolvem a Saúde Integral do Homem no Sistema Único de Saúde (SUS). Com o conceito “O sempre é o momento ideal para cuidar da sua saúde”, a SES-MG desenvolveu uma campanha que enfatiza que os homens também têm direito a uma saúde integral e com ações de cuidados que considere as especificidades, singularidades e a diversidade de seu gênero.

Uma pesquisa feita pelo Ministério da Saúde mostrou que 31% dos homens brasileiros não têm o hábito de ir ao médico e, quando o fazem, 70% tiveram a influência da mulher ou de filhos. Por isso, um dos objetivos da campanha é convencer os homens de que o cuidado com o corpo e com a saúde não tem gênero. "A maioria dos homens tem dificuldade com o assunto, deixando a saúde para o segundo plano por medo de que suas preocupações sejam confundidas com sentimentos considerados pouco masculinos como fraqueza, medo, ansiedade e insegurança. Porém, o adoecimento pode acometer a todos", explica a diretora de Políticas de Atenção Primária à Saúde da SES-MG, Mayla Magalhães.

Mayla explica que pequenas atitudes podem fazer uma grande diferença para a saúde. “Uma alimentação balanceada, à base de frutas, legumes, verduras e cereais e atividades físicas regulares são importantes para uma vida mais saudável”, reforça. A Organização Mundial de Saúde (OMS) recomenda que as pessoas adotem níveis adequados de atividade física ao longo de toda a vida.

O ideal é que todo mundo realize pelo menos 150 minutos porAções como subir dois ou mais andares de escada, realizar deslocamentos caminhando para visitar os amigos, participar de atividades lúdicas, utilizar bicicleta para o trajeto até a padaria, dentre outros, são alternativas de atividade física e contribuem para o indivíduo manter-se ativo. Os momentos de lazer também podem ser utilizados para a prática de atividades físicas, por exemplo: jogar bola, andar de bicicleta ou praticar algum esporte. Conheça, ouça e compartilhe a playlist da SES-MG para estes momentos:

Gravidez é coisa de homem

A paternidade é um momento de alegria na vida de muitos homens. A chegada de um bebê pode representar um momento emocionante. Por isso, é muito importante o envolvimento masculino no acompanhamento do pré-natal, no parto e no pós-parto. Esse envolvimento cria e/ou fortalece o vínculo do futuro pai ou parceiro com o filho. O Sistema Único de Saúde (SUS). Além dos exames de sorologia, as equipes de saúde que recebem os parceiros podem aproveitar para sugerir a realização de exames preventivos da próstata e cirurgias como vasectomia e fimose.

Assim que a gestante chega ao hospital, a equipe que a recebe pergunta se o parceiro também quer participar da consulta. O obstetra que atende o casal convida o homem a fazer alguns exames, inclusive alguns que já fazem parte do pacote que a grávida tem de realizar ainda no primeiro trimestre de gravidez. São eles: sorologia para hepatite B e C, HIV e sífilis, além de exames de sangue para detectar presença ou não de diabetes, verificar níveis de colesterol e medição da pressão arterial.

“Para se ter uma paternidade ativa, o pai deve estar presente em todos os momentos, desde o acompanhamento do pré-natal, parto e pós-parto de suas parceiras até nos cuidados no desenvolvimento e crescimento da criança, possibilitando e fortalecendo vínculos afetivos saudáveis”, disse Mayla.

Pelo novo Marco Legal da Primeira Infância (Lei nº 13.257/2016), os pais podem prorrogar de 5 para 20 dias esse período, desde que comprovado o seu envolvimento com o desenvolvimento do bebê. Para ampliar a licença, o pai deve participar de cursos ou atividades durante o pré-natal e, depois, entregar um comprovante dessa atividade para a empresa onde trabalha, que por sua vez, deve fazer parte do projeto ‘Empresa Cidadã’, o que concede o benefício da paternidade estendida. Para saber mais sobre este assunto, clique aqui

E homem também adoece

Algumas doenças e hábitos aparecem com mais incidência nos homens, podendo ser evitados e tratados precocemente quando o homem assume o seu papel de sujeito ativo de sua saúde. Dentre as principias causas de morbimortalidade no homem encontram-se: o tabagismo, alcoolismo, obesidade, dislipidemia, diabetes, hipertensão, disfunção erétil e câncer de próstata e depressão. Por isso, além de cuidados cotidianos é importante realizar visitas frequentes aos serviços de saúde para prevenir o surgimento de agravos e doenças realizando consultas preventivas, com avaliações de saúde de forma integral.

Um estudo do Ministério da Saúde de 2012, indica que os homens são mais suscetíveis às doenças cardiovasculares, possivelmente pelos comportamentos de risco mais frequentes. Dados da SES-MG indicam que as principais notificações de doenças na população masculina, no ano de 2017 foram sífilis, AIDS, tuberculose, Hepatite, Caxumba e Febre Amarela (dados parciais até setembro de 2017)

Doenças

 

Nº de notificações

Sífilis Adquirida (Não especificada)

4291

AIDS

3277

Tuberculose

2283

Hepatites Virais

2102

Caxumba

1560

Febre Amarela

1227

Câncer de Próstata

No Brasil, o câncer de próstata é o segundo mais comum entre os homens. Em sua fase inicial, a doença tem evolução silenciosa. Muitos pacientes não apresentam nenhum sintoma ou, quando apresentam, são semelhantes aos do crescimento benigno da próstata (dificuldade de urinar, necessidade de urinar mais vezes durante o dia ou à noite). Na fase avançada, pode provocar dor óssea, sintomas urinários ou, quando mais grave, infecção generalizada ou insuficiência renal. 

Além disso, a idade é um fator de risco importante para o câncer de próstata, uma vez que tanto a incidência, como a mortalidade aumenta significativamente após os 50 anos. Pai ou irmão com câncer de próstata antes dos 60 anos pode aumentar o risco de se ter a doença de 3 a 10 vezes comparado à população em geral, podendo refletir tanto fatores genéticos (hereditários) quanto hábitos alimentares ou estilo de vida de risco de algumas famílias. 

Ao observar qualquer um desses sinais, é necessário procurar um serviço de saúde do Sistema Único de Saúde (SUS) imediatamente. Em Minas, existem 34 Centros de Alta Complexidade em Oncologia (CACON) e Unidades de Alta Complexidade em Oncologia (UNACON), que atendem pacientes de todo o Estado, são pontos de atenção responsáveis pela assistência aos cânceres específicos da área de saúde sexual e reprodutiva tanto da mulher, quanto do homem (mama, colo de útero, próstata e pênis).

Ações informativas

A campanha deste ano acontece durante todo o mês de novembro. Na internet, serão publicadas séries de posts informativos. E o hotsite www.saude.mg.gov.br/saudedohomem, com informações sobre a saúde da masculina de forma integral: doenças, prevenção, entre outros aspectos, já está no ar.

Está previsto também a veiculação de outdoors pela cidade e envelopamento dos vagões do metrô de Belo Horizonte com o tema da campanha. Foram produzidos, ainda, 500 mil folders sobre a Saúde do Homem a serem distribuídos para todas as regionais de saúde do Estado de Minas Gerais.  Clique aqui para obter o folder da campanha. 

 

]]>
Banco de notícias Wed, 08 Nov 2017 13:08:35 +0000
Aumento dos casos de Sífilis reforça a importância do tratamento pelo SUS http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/10009-aumento-dos-casos-de-sifilis-reforca-a-importancia-do-tratamento-pelo-sus http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/10009-aumento-dos-casos-de-sifilis-reforca-a-importancia-do-tratamento-pelo-sus

Os casos de sífilis adquirida (em adultos) tiveram aumento de 27,9% de 2015 para 2016 no Brasil. Os dados são do boletim epidemiológico de 2017, divulgados recentemente pelo Ministério da Saúde. Entre as gestantes, o crescimento dos casos foi de 14,7%. As infecções por sífilis congênita (transmitida da mãe para o bebê) subiram 4,7%.

De acordo com os dados apresentados, as causas para o aumento da doença são o desabastecimento de penicilina (medicamento mais eficaz contra a doença) e o aumento dos diagnósticos, com a distribuição de testes rápidos na rede de saúde. Dessa maneira, a tendência é de, com o aumento da testagem, aumentar os casos identificados e permitir ao sistema de saúde tratar essas pessoas e diminuir a transmissão de mãe para filho.

Apesar de essencial para o controle da transmissão vertical da sífilis, a penicilina benzatina apresenta, desde 2014, um quadro de desabastecimento em diversos países devido à falta de matéria-prima para a produção. Segundo o Ministério da Saúde, apesar de a responsabilidade pela compra do medicamento ser de estados e municípios, em 2016, o governo brasileiro concentrou a aquisição em caráter emergencial para o tratamento de grávidas e seus parceiros.

Ainda, o Ministério da Saúde afirma que também aumentou o valor máximo de compra do medicamento, que antes era inferior ao custo de produção. Com isso, o problema do abastecimento foi resolvido, inclusive com produção nacional.

Sífilis congênita

Todos os tipos de sífilis são de notificação obrigatória no país há pelo menos cinco anos. Entre 2010 e 2016, a taxa de incidência de sífilis congênita e a taxa de detecção de sífilis em gestantes aumentaram cerca de três vezes, passando, respectivamente, de 2,4 para 6,8 por mil nascidos vivos e de 3,5 para 12,4 casos por cada mil nascidos vivos. A sífilis adquirida, que teve sua notificação compulsória implantada em 2010, teve sua taxa de detecção aumentada de 2 para 42,5 casos por 100 mil habitantes.

Para a diretora do Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das Doenças Sexualmente Transmissíveis, do HIV/Aids e das Hepatites Virais, Adele Benzaken, o aumento nos índices significa uma melhora na identificação da doença. “Essa questão de aumento quer dizer que a cobertura da testagem está aumentando, estamos conseguindo chamar os parceiros das gestantes. Se estamos testando as pessoas, estamos tratando as gestantes e evitando a sífilis congênita”, declarou.

O novo boletim aponta que 37% das mulheres grávidas com sífilis conseguiram realizar o diagnóstico precocemente. A identificação ainda no primeiro trimestre da gestação e o tratamento adequado impedem a transmissão da doença da mãe para o bebê. Entretanto, segundo Adele, muitas mulheres iniciam o pré-natal tardiamente, então há um prejuízo nesse diagnóstico.

Para alcançar a meta de eliminação da mortalidade por sífilis congênita estabelecida pela Organização Mundial da Saúde (OMS), o Brasil deve reduzir da taxa atual de 6,8 por mil nascidos vivos para um índice menor ou igual a 0,5 por mil. “Isso é possível em um curto prazo, porque a sífilis é facilmente detectada e facilmente tratada. Tendo o teste rápido e tendo a penicilina, é possível alcançar a eliminação”, disse Adele.

Segundo o boletim epidemiológico, apenas os estados de Pernambuco, Tocantins, Ceará, Sergipe, Piauí e Rio Grande do Norte apresentam taxas de incidência de sífilis congênita mais elevadas que as taxas de detecção da doença em gestantes, o que remete a possíveis deficiências no diagnóstico precoce e notificação equivocada dos casos de grávidas.

Diagnóstico

Para acesso ao diagnóstico de sífilis, o usuário do Sistema Único de Saúde (SUS) deve ser orientado a procurar uma UBS para a realização de exames de sangue (VDRL), do teste rápido, e raspado nas lesões típicas na pele e mucosas disseminadas quando presentes. Casos de exames não reagentes para a doença e histórico de exposição à sífilis, recomenda-se a realização de uma nova testagem após 30 dias, devido ao período de janela imunológica.

O processo de implantação do teste rápido de sífilis na Atenção Básica, teve início no ano de 2016, com objetivo de ampliar o acesso da população ao diagnóstico da doença. Atualmente, em Minas Gerais, das 5.450 Unidades Básicas de Saúde existentes, 1.180 realizam o teste rápido. Especificamente para a gestante, a detecção precoce da sífilis é essencial para evitar a transmissão vertical e consequentes malformações no feto. Se não tratada a tempo, a sífilis pode comprometer o sistema nervoso central, o sistema cardiovascular, além de órgãos como olhos, pele e ossos.

Tratamento da doença

A penicilina é considerada o medicamento eficaz para tratamento da sífilis, em qualquer fase da doença e está disponível à população nas Unidades Básicas de Saúde. De acordo com a coordenadora de Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST/AIDS) e Hepatites Virais da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais, Jordana Costa Lima, a penicilina é uma medicação segura, sendo a única que atravessa a placenta e chega ao bebê. “A doença tem cura, mas pode vir a reincidir, caso a pessoa tenha um novo contato com a bactéria, através de contato sexual sem preservativo. Por isso a importância do casal realizar os exames para diagnóstico e, em caso de resultado positivo, ambos realizarem o tratamento”, explicou Jordana.

Atualmente, os enfermeiros das Unidades Básicas de Saúde, sob protocolo, poderão prescrever a penicilina. Isso garante que a gestante, quando chega à Atenção Primária para realizar o pré-natal, seja atendida por um profissional de enfermagem, que irá realizar o teste rápido. Quando identificada a doença na gestante, o tratamento é imediatamente iniciado juntamente com as parcerias sexuais.

 

]]>
Banco de notícias Tue, 07 Nov 2017 11:16:03 +0000
Funed apresenta protocolo de doenças hemorrágicas para diagnóstico de enfermidades como a febre maculosa http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/9997-funed-apresenta-protocolo-de-doencas-hemorragicas-para-diagnostico-de-enfermidades-como-a-febre-maculosa http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/9997-funed-apresenta-protocolo-de-doencas-hemorragicas-para-diagnostico-de-enfermidades-como-a-febre-maculosa

Na segunda metade de 2016, a febre maculosa brasileira voltou a ser notícia nos jornais mineiros, depois que uma criança 10 anos foi a óbito devido à doença em Belo Horizonte. Em 2016, foram notificados 17 casos, sendo que sete evoluíram para óbito. Em 2017, até o momento, foram 14 casos, com seis óbitos divulgados pela Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG).

Crédito: Gleisson Mateus

A febre maculosa brasileira é uma doença grave, de notificação compulsória. É causada pela bactéria Rickettsia rickettsii, transmitida por carrapatos do gênero Amblyomma, o carrapato estrela. As riquétsias são bactérias intracelulares obrigatórias, ou seja, que só se replicam no interior das células e, por essa razão, a análise laboratorial é realizada por meio de metodologias comumente utilizadas para o diagnóstico de vírus.

Essa doença pode apresentar um curso clínico variável, desde quadros clássicos a formas atípicas sem exantemas – que são manchas na pele. O início costuma ser abrupto e os sintomas são inespecíficos, como febre, em geral alta, dor de cabeça, dor muscular, mal-estar generalizado, náuseas e vômitos. O tratamento precoce pode evitar as formas mais graves da doença, como explica a referência técnica do Laboratório de Virologia e Riquetsioses, da Fundação Ezequiel Dias (Funed), Ana Iris Duré, acrescentando que a febre maculosa se torna letal devido à patogenicidade da bactéria, que é a capacidade de se reproduzir e de infectar outras células. Nos casos graves, é comum, entre outros sintomas, a presença de edema (acúmulo de líquidos) nos membros inferiores, insuficiência renal aguda, náusea, vômito, dor abdominal e diarreia, assim como tosse, edema pulmonar e meningite. Podem ocorrer manifestações hemorrágicas, como petéquias (pequenas manchas vermelhas sob a pele) e sangramento mucocutâneo, digestivo e pulmonar. “Se não tratado, o paciente pode evoluir para o estágio de torpor e confusão mental, com frequentes alterações psicomotoras, chegando ao coma profundo. Icterícia e convulsões podem ocorrer em fase mais avançada da doença. Dessa forma, a letalidade, quando não ocorre o tratamento, pode chegar a 80%”, explica Ana Íris.

Análises laboratoriais

O Laboratório de Riquetsioses e Hantavirose do Laboratório Central de Saúde Pública de Minas Gerais/Funed é referência regional para o diagnóstico laboratorial da febre maculosa e outras doenças transmitidas ou veiculadas por carrapatos para 17 estados brasileiros da região nordeste, norte, e também Goiás, Espírito Santo e Minas Gerais.

De acordo com Ana Íris, com o intuito de melhorar a resposta diagnóstica das análises, foram adotadas três metodologias diferentes para o diagnóstico laboratorial da Febre Maculosa na Funed: a Reação de Imunofluorescência Indireta (RIFI), considerada padrão ouro pela Organização Mundial de Saúde (OMS), é uma metodologia que pesquisa anticorpos específicos para a febre maculosa, produzidos pelo paciente infectado e deve ser realizado em duas amostras pareadas. A primeira amostra do paciente deve ser colhida sete dias após o início dos sintomas e, a segunda, de 14 a 21 dias após a coleta da primeira. O aumento da resposta imunológica é, portanto, medido e deve subir quatro vezes na segunda amostra em relação à primeira. A segunda amostra é aquela que fecha o quadro.

Já a Reação em Cadeia da Polimerase (PCR) pesquisa o DNA bacteriano em amostras biológicas do paciente, aplicadas em amostras colhidas antes do início do tratamento com antibióticos ou preferencialmente até o 7º dia do início dos sintomas.

O Isolamento de Riquétsias em Cultura de Células é realizado em amostras biológicas do paciente, e em outros animais hospedeiros no auge da infecção, e do reservatório (carrapato). Essa metodologia tem resposta demorada e sua execução demanda Laboratório de Nível 3 de Biossegurança (NB3). As amostras submetidas ao isolamento devem obedecer aos mesmos critérios exigidos para a análise por PCR.

Ana Íris reforça que existem estudos que demostram uma resposta imunológica tardia na maioria dos pacientes com febre maculosa. Sendo assim, é recomendado começar o tratamento logo após a suspeita clínica da doença, antes da confirmação laboratorial.

Protocolo de febres hemorrágicas

A Funed adota o procedimento da SES-MG de percorrer um protocolo para doenças febris com quadros exantemáticos – fenômenos cutâneos, caracterizados, principalmente, por uma vermelhidão mais ou menos intensa. Nesse caso, as amostras de um mesmo paciente são analisadas simultaneamente para diagnósticos de várias patologias. Por esse motivo, Ana Iris explica a importância do protocolo oferecido pela Funed. “Esse protocolo é aplicado justamente aos casos de pacientes que apresentam um quadro clínico inespecífico, o que proporciona o diagnóstico diferencial de várias doenças com vínculo epidemiológico semelhante”, destaca.

Para que o protocolo de febres hemorrágicas seja colocado em prática, vários laboratórios da Fundação estão envolvidos no processo, como o Laboratório de Doenças Bacterianas, Doenças Parasitárias, Virologia e Riquetsioses. Entre as principais doenças analisadas estão a dengue, febre amarela, hepatites, febre maculosa, hantavírus, leptospirose, podendo ser acrescidas pesquisas de acordo com as informações clínicas. Em Minas, a Funed recebe aproximadamente 100 amostras ao mês que são pesquisadas para em média cinco ou seis testes diferentes.

Informações insuficientes

Ana Iris destaca ainda que um dos entraves durante o andamento das análises, em muitos casos, é a insuficiência de informações repassadas na ficha de investigação própria para cada patologia. “Nem sempre essa ficha está preenchida corretamente, com informações satisfatórias, como início de sintomas e dados epidemiológicos, que podem fornecer subsídios que orientam o profissional do laboratório a escolher a metodologia mais adequada para a situação”, explica.

Entenda o fluxo

As amostras são colhidas na unidade de saúde e encaminhadas para a Funed, sendo recebidas pelo Serviço de Gerenciamento de Amostras Biológicas, onde passam por conferência de temperatura, nome do paciente descrito na amostra e na ficha, se a amostra é a correta para a patologia solicitada, volume de amostra, entre outros critérios. Essa primeira checagem acontece na bancada de conferência. Após esse processo é realizada a numeração, quando há também uma segunda conferência e todas as amostras são numeradas de acordo com o agravo a ser investigado. A terceira ocorre na área de digitação, que realiza a triagem e imprime o mapa de trabalho, para registro das análises realizadas pelo analista do laboratório. Da digitação, as amostras seguem para os laboratórios, que fazem mais uma conferência rápida e iniciam o processo de análise. Ao final da análise, o resultado é inserido no Gerenciamento de Ambiente Laboratorial (GAL) e pode ser impresso na instituição de saúde responsável pelo encaminhamento da amostra biológica para ser avaliado pelo médico e entregue ao paciente.

]]>
Banco de notícias Tue, 31 Oct 2017 11:26:11 +0000
Nota sobre o programa Farmácia de Minas em Casa http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/9994-nota-sobre-o-programa-farmacia-de-minas-em-casa http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/9994-nota-sobre-o-programa-farmacia-de-minas-em-casa
A Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG) esclarece que, ao contrário do que foi publicado no jornal O Tempo, na coluna Aparte, de hoje (30/10), o programa Farmácia de Minas em Casa não foi encerrado. Ele está sendo reformulado. 
De 2011 a 2017, 6.000 pacientes foram incorporados ao programa, sendo a adesão voluntária de modo que o paciente ou seu autorizado assinavam um termo de adesão.  A maioria dessas pessoas não possui dificuldade de locomoção. Por isso, a necessidade de se reformular o programa para que ele atenda realmente, de forma responsável, confortável e humanizada, aos usuários que possuam tais dificuldades. 
 
Nova licitação já está em andamento neste segundo semestre de 2017.
 
Cada uma das 6.000 pessoas que fazem parte do programa de entrega de medicamentos em casa foram devidamente avisadas, por meio de ligação telefônica, de que deveriam voltar a buscar o medicamento de forma presencial na Farmácia situada à Av. do Contorno, 8495, bairro Gutierrez. 
 
Os usuários que possuem dificuldade de locomoção, durante o período de readaptação do Programa, podem autorizar até 05 pessoas de sua confiança para o comparecer mensalmente à Farmácia e retirar o medicamento.
]]>
Banco de notícias Mon, 30 Oct 2017 11:34:44 +0000
Regional de saúde de Uberaba realiza treinamento em manuseio de armadilhas para Aedes aegypti http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/10059-regional-de-saude-de-uberaba-realiza-treinamento-em-manuseio-de-armadilhas-para-aedes-aegypti http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/10059-regional-de-saude-de-uberaba-realiza-treinamento-em-manuseio-de-armadilhas-para-aedes-aegypti

Em treinamento de três dias que se encerra amanhã, (23/11), profissionais de epidemiologia das regionais de Uberaba, Uberlândia, Ituiutaba e Patos de Minas estão sendo capacitados por equipe da Regional de Uberaba para o manuseio, instalação e acompanhamento das Ovitrampas, armadilhas que permitem monitorar a dispersão e intensificar o controle do mosquito Aedes aegypti.

As Ovitrampas fazem parte de projeto de ampliação da vigilância entomológica para monitoramento do Aedes no Estado de Minas Gerais e possibilitarão a estratificação dos territórios com base na densidade vetorial, ou seja, volume de ovos encontrados nas mesmas, além de permitir também uma avaliação do impacto das aplicações de Ultrabaixo Volume (UBV).

Crédito: Sara Braga

 

De acordo com José Maria Sales, responsável pela equipe de entomologia do Laboratório Macrorregional de Uberaba e um dos responsáveis pelo treinamento, “o principal fator é identificar o número de ovos para que saibamos a densidade do Aedes nas regiões e ainda, o gênero do ovo encontrado, que pode ser tanto de Aedes quanto de Culex, ou pernilongo comum. Além disso, dentro do gênero Aedes, existem diversas outras espécies não transmissoras de arboviroses, que não são de interesse da nossa pesquisa”, diz Sales.

Clênio Franco Borges, apoiador técnico das arboviroses na microrregião de Uberaba, ficou responsável por repassar o manejo das armadilhas, desde a preparação até a escolha do lugar, no treinamento, e explica que “como serão afixadas em residências, será preciso antes que os moradores assinem um termo de consentimento e, só a partir daí, se inicia o acompanhamento semanal”. A previsão é de que as Ovitrampas comecem a ser instaladas em janeiro de 2018.

 

]]>
Banco de notícias Wed, 22 Nov 2017 17:56:21 +0000
ESP-MG promove debate sobre saúde e direito da mulher http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/10058-esp-mg-promove-debate-sobre-saude-e-direito-da-mulher http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/10058-esp-mg-promove-debate-sobre-saude-e-direito-da-mulher

A Escola de Saúde Pública do Estado de Minas Gerais (ESP-MG) em parceria com a Secretaria de Estado de Direitos Humanos, Participação Social e Cidadania (SEDPAC) realizou na tarde desta terça-feira (21), o curso "Saúde e Direito da Mulher". A ação educacional teve o objetivo de informar os profissionais do Sistema Único de Saúde (SUS) sobre os desafios para a concretização dos direitos à cidadania e saúde das mulheres.

mulher1

O conteúdo do curso buscou contextualizar perspectivas históricas que influenciam o cenário social brasileiro, sendo esse, caracterizado por seu patriarcalismo, racismo e sexismo. Abordou também, as consequências dessa realidade para a assistência pública qualificada na saúde da mulher.

Para Bernadete Monteiro, integrante da Coordenação da Marcha Mundial das Mulheres e uma das docentes do curso, o cenário é de negligências nas decisões das políticas públicas quanto ao cuidado da saúde da mulher. “O principal desafio hoje para saúde da mulher é compreender em que contexto elas estão inseridas. A perda de direitos, a intensa carga de trabalho, a diminuição de investimentos sociais como políticas de saúde e educação, contribuem para a piora nas condições de saúde”, explica.

A Coordenadora do Setor de Psicologia do Hospital Sofia Feldman e aluna do curso, Júlia Cristina Amaral, diz que p curso é importante já que ela atua com a assistência de mulheres. "A questão das mulheres vulneráveis se colocou de uma forma muito presente e intensa na assistência. Nós vemos que na rede ainda precisamos de subsídios em todos os sentidos para poder lidar com essas mulheres e famílias. Isso é hoje uma questão de saúde pública, um grande desafio para a saúde perinatal e estou aqui para aprender e ver as questões de outras pessoas como uma troca de experiências", anima-se.

Opressões e sobrecarga de trabalho

Renata Rosa, Superintendente de Autonomia Econômica da Mulher da SEDPAC, também docente no curso enfatiza a necessidade desse tema para a desnaturalização de práticas degradantes para saúde da mulher. "O processo de formação das mulheres é muito importante para o nosso fortalecimento, principalmente considerando que somos mais da metade da população e parimos a outra metade. Embora esse seja um fato concreto, as mulheres vivem processos de opressão e violência que são tratados como naturais. Essas mulheres estão adoecidas, e se nós vamos aos sistemas de saúde, a maioria das pessoas que estão procurando atendimento são mulheres, em decorrência da sobrecarga de trabalho, a invisibilidade do trabalho doméstico”, diz.

Renata aponta ainda o envelhecimento da população brasileira, em que esses cuidados recaem, na maioria das vezes, sob a responsabilidade das mulheres. “É importante que as pessoas que estão aqui façam reflexões e debates compreendendo a condição das mulheres na sociedade e a conjuntura atual, para que em conjunto nós possamos construir saídas e alternativas para subverter relações que não são naturais, relações que sobrecarregam as mulheres e fazem com que nossas vidas se tornem muito mais pesadas. Não é esse o caminho que nós esperamos para ninguém, todas as pessoas merecem viver com dignidade e respeito", enfatizou.

Alunas

As alunas do curso “Saúde e Direito da Mulher” são trabalhadoras da Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais (FHEMIG), Hospital Sofia Feldman, Secretaria Municipal de Saúde de Belo Horizonte, Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG), Centro de Atenção Psicossocial, Hospital Odilon Behrens, Centro de Apoio à Saúde e à Alimentação, Fundação Hemominas, Núcleos de Apoio à Saúde da Família, Fundação de Assistência Médica e de Urgência de Contagem, entre outras instituições de saúde pública.

A ação integra o projeto da ESP-MG “Cursos Livres: constituindo potências para o trabalho no SUS”, que visa a promoção de espaços de discussão entre trabalhadores do SUS na perspectiva da Educação Permanente em Saúde, com ênfase no fortalecimento do trabalho no sistema.

]]>
Banco de notícias Wed, 22 Nov 2017 17:12:15 +0000
SES-MG prepara o Norte de Minas para ​utilização do sistema online de imunizações http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/10057-ses-mg-prepara-o-norte-de-minas-para-utilizacao-do-sistema-online-de-imunizacoes http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/10057-ses-mg-prepara-o-norte-de-minas-para-utilizacao-do-sistema-online-de-imunizacoes

Referências técnicas que trabalham em salas de imunização de 53 municípios que integram a área de atuação da Superintendência Regional de Saúde de Montes Claros (SRS) participam nesta semana de capacitação sobre o Sistema de Informação de Insumos Estratégicos (SIES) que integra o Programa Nacional de Imunizações (SI-PNI). O curso está sendo ministrado na Fundação Educacional Montes Claros (FEMC) pela referência técnica em suporte de sistemas da Coordenadoria de Imunização da Secretaria de Estado da Saúde de Minas Gerais (SES-MG), Rômulo Ribeiro. Além de representantes das secretarias de saúde, ​técnicos da SRS também participam da capacitação.

Crédito: Pedro Ricardo

O treinamento tem o objetivo de preparar os municípios para a inserção de dados em um sistema interligado online, o que possibilitará aos Estados e ao Ministério da Saúde terem acompanhamento em tempo real sobre as coberturas vacinais em todo país. A capacitação envolve profissionais de saúde em todas as regiões do Estado e os municípios que já passaram pelo treinamento já iniciaram a migração de dados para o sistema online.

Rômulo Ribeiro explica que, entre outros benefícios, com a implantação do sistema interligado tanto os municípios​.​ como os governos Federal e estaduais terão condições de fazer acompanhamento, em tempo real, sobre a disponibilidade de estoques de vacinas e, com isso, terem condições de programar o reabastecimento de forma mais eficiente.

Além disso o SI-PNI possibilita avaliar a cobertura vacinal dos municípios e o acompanhamento do histórico de vacinação de cada pessoa. Viabiliza também registrar, por faixa etária, as doses de imunobiológicos aplicadas e calcular a cobertura vacinal. O Sistema fornece informações sobre os imunobiológicos da rotina dos centros especiais e dos aplicados durante as campanhas nacionais de vacinação; acompanha as notificações de eventos adversos pós-vacinação; o estoque e a utilização de imunobiológicos das salas de vacinação. Enfim, o SIES permite a otimização e uma melhor organização dos processos de trabalho, resultado numa melhor qualificação das informações dos bancos de dados dos municípios, dos Estados e do Ministério da Saúde.

Rômulo Ribeiro ressalta que, com a implantação do sistema interligado online, o Ministério da Saúde e os Estados vão ganhar agilidade no acompanhamento da utilização das vacinas repassadas aos municípios, o que tem sido cobrado por parte do Tribunal de Contas da União – (TCU).

Na região ampliada de saúde do Norte de Minas a capacitação das referências técnicas das salas de vacinas já contemplou as gerências regionais de saúde de Januária e Pirapora. Em Montes Claros o trabalho iniciado nesta terça e quarta-feira, 21 e 22, contemplou 32 municípios.

As atividades serão encerradas nesta quinta-feira, envolvendo referências técnicas dos municípios de Coração de Jesus, Espinosa, Francisco Sá, São João do Pacuí, Lagoa dos Patos, Porteirinha, Riacho dos Machados, São João da Lagoa, Mamonas e Montes Claros.

]]>
Banco de notícias Wed, 22 Nov 2017 15:27:08 +0000
Hemominas e Corpo de Bombeiros comemoram Dia Nacional do Doador de Sangue http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/10055-hemominas-e-corpo-de-bombeiros-comemoram-dia-nacional-do-doador-de-sangue http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/10055-hemominas-e-corpo-de-bombeiros-comemoram-dia-nacional-do-doador-de-sangue

Nesta sexta-feira (24/11), uma ação diferente marca a celebração do Dia Nacional do Doador Voluntário de Sangue, comemorado no dia 25 de novembro: às 12 horas, do alto do Othon Palace Hotel, na região central de Belo Horizonte, integrantes do Corpo de Bombeiros Militar vão descer os mais de cem metros do edifício.

Nos últimos vinte metros, eles vão desenrolar uma faixa que ressalta a importância de ser um doador de sangue. E, para completar, um “sirenaço” de algumas viaturas do Corpo de Bombeiros vai animar o rapel, chamando a atenção de todos para o evento.

A ação, denominada "Seja um herói você também", é uma parceria da Fundação Hemominas com o Corpo de Bombeiros Militar. Ainda, durante toda esta semana, os bombeiros estão participando de um mutirão para doação de sangue: mais de 60 militares irão passar pelas unidades da Hemominas e ajudar a salvar vidas de outra maneira, igualmente importante.

 

SERVIÇO:
Dia Nacional do Doador Voluntário de Sangue
Ação: integrantes do Corpo de Bombeiros vão descer mais de cem metros de um edifício.
Data: 25/11/2017
Horário: 12h (meio-dia)
Local: Othon Palace Hotel, avenida Afonso Pena, 1050. Centro, Belo Horizonte (MG). Veja no mapa, abaixo:

 

]]>
Banco de notícias Wed, 22 Nov 2017 14:16:08 +0000
Hemominas garante qualidade e segurança do sangue nos testes laboratoriais http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/10056-hemominas-garante-qualidade-e-seguranca-do-sangue-nos-testes-laboratoriais http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/10056-hemominas-garante-qualidade-e-seguranca-do-sangue-nos-testes-laboratoriais

Uma das 13 unidades existentes no Brasil e o único em Minas Gerais, o Laboratório de Testes de Ácidos Nucleicos (NAT) da Fundação Hemominas tem papel fundamental na realização dos testes no sangue doado, assegurando que os pacientes recebam um sangue livre de contaminação por meio do Sistema Único de Saúde (SUS).

É o que esclarece o biomédico do Laboratório NAT do Hemocentro de Belo Horizonte (HBH), Adão Rogerio da Silva: “O NAT é imprescindível nos bancos de sangue, pois tem a finalidade de barrar a chamada “janela imunológica”, ou seja, quando um indivíduo infectado por algum agente apresenta resultados sorológicos negativos, mesmo estando positivo para aquele agente infeccioso naquele momento. No NAT verificamos a presença ou ausência do material genético dos vírus HIV, HCV (RNA) e HBV (DNA), usando técnica da RT-PCR (Real-timePolymerase Chain Reaction), também chamada Reação em Cadeia da Polimerase que, no nosso caso, é a Tempo Real. Além da triagem das amostras dos nossos hemocentros, prestamos serviços para instituições particulares. Nós aqui, no NAT Hemominas, ficamos muito satisfeitos em receber colegas de outros e também do nossos centros, pois sabemos da necessidade de falarmos a mesma língua, de estarmos em sintonia. Muitas vezes, eles nos enviam as suas amostras e recebem os resultados, sem saber o que acontece dentro do nosso laboratório durante o processo”, acentua.

Crédito: Adair Gomez / Hemominas.

Com tal propósito foi que o NAT Hemominas recebeu, em novembro, a visita de duas bioquímicas, funcionárias do banco de sangue do Hospital Universitário Alzira Velano (Unifenas), Anelisa Fernandes Vieira e Flaviane Borges Franco, que vieram conhecer a rotina laboratorial e os processos do NAT, instalado no HBH. Na oportunidade, elas se inteiraram de procedimentos como: organização das amostras dos doadores e acompanharam o processo de extração e purificação do material genético, bem como a preparação da RT-PCR, interpretação crítica dos resultados, até a fase de liberação dos laudos gerados após os exames moleculares.

Para Adão Rogerio, essa interação beneficia a todos. “Foi muito satisfatório recebê-las, e vimos o quanto foi rica nossa troca de experiência; foi possível ver a surpresa das meninas com relação à amplitude da rotina laboratorial do NAT-Hemominas e a tecnologia empregada que, no nosso caso, é de ponta; conseguimos pontuar com elas algumas medidas que podem ser tomadas lá e que nos ajudarão aqui, e o contrário também aconteceu. Acreditamos que foi um ganho mútuo", considera.

Segurança na transfusão

Antes de chegar ao paciente, o sangue passa por testes imuno-hematológicos, sorológicos e de Ácido Nucleico (NAT). A legislação brasileira determina que nenhuma bolsa de sangue pode ser transfundida sem a realização de todos os testes moleculares HIV, HCV e HBV.

Antes de chegar ao paciente, o sangue passa por testes imuno-hematológicos, sorológicos e de Ácido Nucleico (NAT). A legislação brasileira determina que nenhuma bolsa de sangue pode ser transfundida sem a realização de todos os testes moleculares HIV, HCV e HBV.

Desde 2011, quando os NAT foram implantados nos bancos de sangue brasileiros, o laboratório da Hemominas já analisou, até o momento, mais de 1 milhão e 700 mil bolsas de sangue. A rotina laboratorial começa às 7 horas e, por volta das 16, já se começa a liberar os resultados dos testes do sangue doado no dia anterior ao da análise.

Crédito: Adair Gomez / Hemominas.

O NAT verifica a presença do DNA ou RNA dos vírus antes mesmo de o indivíduo apresentar positividade nos testes sorológicos, ou seja, antes que o indivíduo infectado apresente imunidade contra o vírus, os chamados anticorpos. Exemplificando: sem o saber, o doador pode ter sido infectado dias antes da doação, e a infecção não será detectada na sorologia, devido à ausência de anticorpos. “Aí, entra o NAT”, diz Adão: “Ao processar o sangue doado, realizamos os testes moleculares para a verificação de HIV (Aids); HCV (Hepatite C) e HBV (Hepatite B) e, sem dúvida, conseguimos detectar a presença do vírus, impedindo assim a utilização da bolsa de sangue inadequada. Sem o laboratório NAT, muitas bolsas impróprias para utilização seriam provavelmente transfundidas. E vale a pena lembrar que nossa bolsa de sangue é fracionada, sendo que os hemocomponentes podem ser transfundidos para mais de um paciente”.

No NAT, utiliza-se como material para análise o plasma do doador, colhido em um tubo EDTA com gel separador, no mesmo momento em que a bolsa de sangue é coletada. Trata-se da parte líquida do sangue, clara, e que ainda contém os fatores de coagulação, além das plaquetas.

“O tempo correspondente à janela imunológica varia de acordo com o agente infeccioso; no NAT somos capazes de barrar janelas de até 10 dias de infecção, evitando-se o uso do sangue contaminado. Mas, por enquanto, é ainda na entrevista da triagem clínica que se pode levantar informações sobre situações de risco para janela imunológica. Daí, a importância da sinceridade do doador ao responder as perguntas feitas na triagem”, salienta Adão Rogerio.

Além dos testes realizados no sangue dos doadores da própria Fundação, o NAT processa testes de outros estabelecimentos de saúde particulares: "Acreditamos que o conhecimento gerado em nosso laboratório deve ser compartilhado; recebemos frequentemente profissionais da área da Hemoterapia, além de estudantes de graduação que fazem visitas técnicas ao laboratório e residentes de Medicina", conclui o biomédico.

 

]]>
Banco de notícias Wed, 22 Nov 2017 14:13:54 +0000
Regional de Saúde de Ubá realiza I Seminário Regional de Doenças Transmitidas pelo Aedes http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/10053-regional-de-saude-de-uba-realiza-i-seminario-regional-de-doencas-transmitidas-pelo-aedes http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/10053-regional-de-saude-de-uba-realiza-i-seminario-regional-de-doencas-transmitidas-pelo-aedes

Visando as perspectivas epidemiológicas em relação à doenças transmitidas pelo Aedes e a possibilidade real de ocorrência de epidemia ainda no ano de 2017, a Regional de Saúde de Ubá em parceria com a Prefeitura promove, na próxima sexta-feira (24/11), o I Seminário Regional de Doenças Transmitidas pelo Aedes.

O evento acontecerá na Câmara Municipal de Ubá de 14h às 17h e contará com as palestras: “Situação epidemiológica e perspectivas das doenças transmitidas pelo Aedes no Brasil e em Minas Gerais”, ministrada pelo subsecretário de Vigilância e Proteção à Saúde da Secretária de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG), Rodrigo Fabiano do Carmo Said, e “Protocolo da Dor/Manejo Clínico”, ministrada pelo Médico Infectologista, Dr. Dario Brock Ramalho.

Profissionais dos serviços públicos e privados, bem como enfermeiros que realizam Classificação de Risco em Hospitais e Unidades de Atenção Primária à Saúde foram convidados. As inscrições para o evento poderão ser realizadas de 17 a 23 de novembro pelo site da Prefeitura de Ubá.

]]>
Banco de notícias Tue, 21 Nov 2017 16:58:43 +0000
Rede de saúde bucal do Norte de Minas ganha o ​credenciamento de novo centro de especialidades http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/10052-rede-de-saude-bucal-do-norte-de-minas-ganha-o-credenciamento-de-novo-centro-de-especialidades http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/10052-rede-de-saude-bucal-do-norte-de-minas-ganha-o-credenciamento-de-novo-centro-de-especialidades

A rede de saúde bucal do Sistema Único de Saúde (SUS) do Norte de Minas está concluindo 2017 com 11 centros de especialidades odontológicas (CEOs) credenciados pelo Ministério da Saúde. O último credenciamento, viabilizado na segunda quinzena de outubro, contempla mais um Centro de Especialidades Odontológicas no município de Montes Claros.

Há cerca de dois anos a unidade está em funcionamento nas dependências do Centro Mais Vida, referência em atenção à saúde do idoso e administrado pelo Hospital Universitário Clemente de Faria (HUCF). O Centro recebeu credenciamento na modalidade Tipo 1, de caráter municipal, o que possibilitará o atendimento de uma população estimada de 90 mil habitantes.

Crédito: Pedro Ricardo

A referência técnica em saúde bucal na Superintendência Regional de Saúde de Montes Claros (SRS), Denise Silveira ressalta que o credenciamento deste CEO possibilita a ampliação do atendimento aos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS) do município de Montes Claros por meio dos serviços de atenção secundária, com o foco na integralidade da atenção. Até então Montes Claros já contava com um Centro de Especialidades Odontológicas Tipo III credenciado e recebendo incentivos financeiros dos governos Federal e Estadual​.

​Os demais Centros de Especialidades Odontológicas já credenciados pelo Ministério da Saúde estão sediados nos municípios de Coração de Jesus, Grão Mogol, Januária, Monte Azul, Pirapora, Porteirinha, Salinas, Taiobeiras e Rio Pardo de Minas. Para 2018 há previsão do credenciamento de um novo centro de especialidades odontológicas em Montes Claros. A nova unidade atenderá ​à​ demanda de pacientes do SUS residentes na microrregião de saúde Montes Claros/Bocaiúva compreendendo as seguintes localidades: Claro dos Poções, Glaucilândia, Itacambira, Juramento e Montes Claros.

“A ampliação da rede de saúde bucal no Norte de Minas se constitui medida importante implementada pelo Ministério da Saúde, ​pela ​​Secretaria de​ Estado de​ Saúde de Minas Gerais (SES-MG) e os municípios visando o atendimento às demandas de uma população estimada em 1,5 milhão de habitantes”, observa Denise Silveira. Nesse sentido, para reforço do atendimento da população de outros municípios que integram a região de saúde Montes Claros/Bocaiuva, estimada em 73 mil 827 habitantes, estão em andamento entendimentos com o município de Bocaiuva para instalação do primeiro Centro de Especialidades Odontológicas neste município.​

​METAS

Por mês cada CEO tem metas a cumprir: realização de 80 cirurgias orais e diagnósticos para detecção de câncer de boca; realização de 60 procedimentos mensais de periodontia especializada; 35 procedimentos de endodontia e 80 procedimentos mensais de pessoas com necessidades especiais. O encaminhamento dos pacientes aos centros de especialidades odontológicas é feito por meio dos serviços de atenção primária dos municípios de referência, porta de entrada na rede de saúde do SUS​. ​Além do acolhimento de pacientes que necessitam de atenção básica e especializada, a rede de saúde bucal do Norte de Minas também já conta com o funcionamento do serviço de atendimento odontológico em ambiente hospitalar.

Crédito: Pedro Ricardo

A Santa Casa de Montes Claros é o hospital credenciado para o atendimento de odontologia hospitalar à população residente nos 86 municípios que integram a região ampliada de saúde do Norte de Minas, envolvendo municípios jurisdicionados à Superintendência Regional de Saúde de Montes Claros e às gerências regionais de saúde de Januária e Pirapora.

NOVAS EQUIPES

No segundo semestre deste ano além do credenciamento do CEO sediado em Porteirinha e de mais um Centro de Especialidades Odontológicas em Montes Claros, o Ministério da Saúde publicou portaria credenciando 76 novas equipes de saúde bucal em 11 municípios sob jurisdição da Superintendência Regional de Saúde.

​O município de Montes Claros teve 49 novas equipes credenciadas, seguido por Salinas (11), Taiobeiras (5), Monte Azul (3) e Olhos D´Água (2). Já as localidades que tiveram uma nova equipe de saúde bucal credenciada foram: Claro dos Poções, Curral de Dentro, Engenheiro Navarro, Jequitaí, Montezuma e Riacho dos Machados. Cada equipe é constituída por um dentista, um auxiliar e/ou técnico de saúde bucal.

PRÓTESES

Também neste ano a rede constituída por 23 laboratórios regionais de próteses dentárias foi ampliada no Norte de Minas, com o credenciamento de nova unidade no município de Riacho dos Machados. Entre janeiro e setembro de 2017, os municípios sob jurisdição da SRS Montes Claros produziram 5 mil 841 próteses destinadas ao atendimento de demandas dos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS).

 

]]>
Banco de notícias Tue, 21 Nov 2017 15:40:01 +0000
SES-MG promove Dia D em alusão à Saúde do Homem http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/10051-ses-mg-promove-dia-d-em-alusao-a-saude-do-homem http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/10051-ses-mg-promove-dia-d-em-alusao-a-saude-do-homem

Na manhã desta terça-feira (21/11), foi realizado na Cidade Administrativa de Minas Gerais (CAMG), em Belo Horizonte, o Dia D em alusão à saúde do homem e ao Dia Mundial de Memória às Vítimas de Trânsito, celebrado na última segunda-feira (20/11). O evento faz parte das ações da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) que, ao longo do mês de novembro, alerta a população a respeito da importância dos cuidados que envolvem a Saúde Integral do Homem no Sistema Único de Saúde (SUS).

Com o conceito “O sempre é momento ideal para cuidar da sua saúde”, a SES-MG enfatiza que os homens também têm direito a uma saúde integral e com ações de cuidados que considere as especificidades, singularidades e a diversidade de seu gênero. Clique aqui e confira a nossa galeria de fotos do evento.

Crédito: Marcus Ferreira

O Dia Mundial de Memória às Vítimas de Trânsito foi incluído na realização do Dia D devido ao grande número de homens que se envolvem em acidentes de trânsito. De acordo com o relatório divulgado pela Administradora do Seguro de Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Via Terrestre (DPVAT), de janeiro a outubro de 2017, 75% dos acidentes que tiveram indenizações pelo seguro foram do sexo masculino, enquanto as mulheres ficaram com 25% dos acidentes. A faixa etária que mais esteve envolvida em tais ocorrências é de 25 a 34 anos.

Por esse motivo, durante o Dia D, que ocorreu na parte térrea do Prédio Minas, houve ação educativa da Transitolândia, projeto da Polícia Militar de Minas Gerais que tem como intuito a conscientização de crianças, jovens e adultos sobre as responsabilidades dos pedestres e motoristas no trânsito; além disso fizeram parte da ação: apresentação da Banda da Guarda Civil de Contagem; Demonstração de atendimento a vítimas de acidentes e Primeiros Socorros pela equipe do Corpo de Bombeiros Militar de Minas Gerais. O público masculino também pôde fazer a barba na hora do almoço.

Crédito: Marcus Ferreira

Para Kiz Alves, Técnico de Contabilidade da Superintendência de Finanças da SES-MG, a realização de tais ações em prol da saúde integral do homem é de suma importância, já que o público masculino, geralmente, não toma tanto cuidado com a própria saúde. “Esse tipo de ação é essencial para nos lembrar que os homens, assim como as mulheres e todas as pessoas, devem ficar atentos à saúde, ir ao médico com frequência e, principalmente, não esperar ter algum sintoma para procurar ajuda. Nossa saúde é nosso maior bem e devemos cuidar bem dela”, afirmou.

Homem que se cuida

Uma pesquisa feita pelo Ministério da Saúde mostrou que 31% dos homens brasileiros não têm o hábito de ir ao médico e, quando o fazem, 70% tiveram a influência da mulher ou de filhos. Por isso, um dos objetivos da campanha é convencer os homens de que o cuidado com o corpo e com a saúde não tem gênero.

O ideal é que todo mundo realize pelo menos 150 minutos porAções como subir dois ou mais andares de escada, realizar deslocamentos caminhando para visitar os amigos, participar de atividades lúdicas, utilizar bicicleta para o trajeto até a padaria, dentre outros, são alternativas de atividade física e contribuem para o indivíduo manter-se ativo. Os momentos de lazer também podem ser utilizados para a prática de atividades físicas, por exemplo: jogar bola, andar de bicicleta ou praticar algum esporte.

  • Para mais informações sobre a campanha de Saúde Integral do Homem, clique aqui.

]]>
Banco de notícias Tue, 21 Nov 2017 15:21:35 +0000
CES-MG e ESP-MG iniciam a qualificação de Conselheiros de Saúde no SUS http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/10050-ces-mg-e-esp-mg-iniciam-a-qualificacao-de-conselheiros-de-saude-no-sus http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/10050-ces-mg-e-esp-mg-iniciam-a-qualificacao-de-conselheiros-de-saude-no-sus

Na tarde desta segunda-feira (20/11), o diretor-geral da Escola de Saúde Pública do Estado de Minas Gerais (ESP-MG), Edvalth Rodrigues Pereira, se reuniu com a equipe do Conselho Estadual de Saúde de Minas Gerais (CES-MG), para alinhamentos sobre o "Curso de Qualificação de Conselheiras e Conselheiros Municipais de Saúde". A parceria entre as instituições visa capacitar 3,4 mil pessoas que desempenham a função em Minas Gerais.

ces02

» Clique aqui e saiba mais sobre o curso.

O diretor-geral da ESP-MG enfatiza a importância da proximidade com as parcerias firmadas pela instituição. "A Escola considera muito importante fazer o acompanhamento das suas ações diretamente com seus parceiros. Hoje tivemos uma conversa com o Conselho para discutir como está o andamento dessa ação e os pontos a serem melhorados", afirma.

Também presente na reunião, o vice-presidente do CES-MG, Ederson Alves da Silva, aponta a necessidades de expandir o curso para um maior número de pessoas. "Hoje foi uma reunião para discutir o planejamento das ações do curso. A ação já teve início com as turmas regionais. O encontro de hoje foi para reafirmar o compromisso de fortalecer a mobilização social, para que as nossas turmas tenham o maior número de alunos possíveis", destaca.

A reunião foi acompanhada pela superintendente da ESP-MG, Fernanda Maciel e da trabalhadora da instituição Lavinne Oliveira, referência técnica do curso.

Em sala

Sete Lagoas (Região Metropolitana de Belo Horizonte), foi o primeiro município a receber o curso (20/11 a 24/11) e como docente, contou com o aluno da ESP-MG da especialização em Saúde Pública, Érico Colen, ministrando a disciplina “Processo Histórico e as Formas de Participação e de Controle Social nas Políticas de Saúde”.

As próximas turmas serão: Diamantina (27/11 a 01/12), Passos (11/12 a 15/12) e Divinópolis (11/12 a 15/12).

A ação

O curso tem o objetivo de garantir aos conselheiros, informações que os credenciem para a atuação na defesa e promoção do Sistema Único de Saúde (SUS), com conhecimento específico de legislação, orçamento e financiamento das Políticas de Saúde. As aulas irão abordar as competências do conselheiro e dos conselhos municipais, além de apresentar o histórico do SUS e dialogar sobre gestão do orçamento e financiamento da saúde.

 

]]>
Banco de notícias Tue, 21 Nov 2017 11:45:49 +0000
Regional de Saúde de Juiz de Fora alinha plano de ação para Monitoramento Rápido das Coberturas Vacinais contra Febre Amarela http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/10054-regional-de-saude-de-juiz-de-fora-alinha-plano-de-acao-para-monitoramento-rapido-das-coberturas-vacinais-contra-febre-amarela http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/10054-regional-de-saude-de-juiz-de-fora-alinha-plano-de-acao-para-monitoramento-rapido-das-coberturas-vacinais-contra-febre-amarela

Nesta terça-feira (21/11), a Unidade Regional de Saúde de Juiz de Fora, por meio do Núcleo de Vigilância Epidemiológica, Ambiental e Saúde do Trabalhador, reuniu coordenadores e referências técnicas de imunização dos 37 municípios de sua jurisdição para apresentar o protocolo do Monitoramento Rápido das Coberturas Vacinais pós-campanha de Multivacinação.

crédito: Adriana Mendes

O objetivo do encontro foi alinhar as atividades a serem realizadas em todos os municípios e reorienta-los em relação à importância de se intensificar as ações de vigilância da Febre Amarela, em especial a vacinação.

A Referência Técnica em Imunização da regional, Louise Cândido Souza, coordenou os trabalhos e aproveitou para esclarecer dúvidas em relação ao tema.

Para Louise Cândido, “espera-se que o alinhamento das ações contribua para o aumento das coberturas vacinais, prevenindo a ocorrência de bolsões de susceptíveis e controle das doenças imunopreviníveis, além da qualificação e melhoria constante dos serviços de vacinação”, concluiu.

]]>
Banco de notícias Tue, 21 Nov 2017 08:58:00 +0000
Inspetores da Vigilância Sanitária participam de capacitação na Cidade Administrativa http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/10049-inspetores-da-vigilancia-sanitaria-participam-de-capacitacao-na-cidade-administrativa http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/10049-inspetores-da-vigilancia-sanitaria-participam-de-capacitacao-na-cidade-administrativa

Na tarde desta segunda-feira (20/11), a Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) promoveu a abertura do curso de formação de inspetores em fabricantes de excipientes e distribuidoras de produtos sujeitos ao controle sanitário, no auditório JK, na Cidade Administrativa (CAMG), em Belo Horizonte. O curso, que irá até o dia 23/11, busca capacitar os inspetores da Vigilância Sanitária estadual e municipal.

Crédito: Marcus Ferreira

Representando o subsecretário de Vigilância e Proteção à Saúde, Rodrigo Said, a Assessora Adelaide Bessa, ressaltou a importância do evento. “É importante receber todos os representantes das vigilâncias sanitárias municipais e das regionais do estado. Este curso é de fundamental importância na qualificação dos nossos trabalhos em todo o estado. Também é importante enfatizar a abordagem que será realizada, durante esses quatro dias, de duas resoluções estaduais de Minas Gerais e que são pioneiras no país, a resolução nº 5618, que regulamenta as boas práticas de fabricação de insumos para cosméticos e saneantes, e a outra é a nº 5815 sobre a boas práticas de distribuição, armazenamento e transporte de produtos sujeitos ao controle sanitário. Por serem pioneiras, temos uma grande responsabilidade, pois pode servir de exemplo para o resto do país”, disse.

O Diretor de Vigilância Sanitária em Medicamentos de Congêneres da SES-MG, Alessandro Souza Melo, reforçou a importância do evento. “Será uma semana produtiva de discussões e conhecimento. Também abordaremos a parte das distribuidoras, demanda que temos desde 98, onde esperávamos a regulamentação da distribuição de cosméticos e saneantes e não tinha nenhuma norma federal. Agora temos uma resolução estadual, pioneira no país, onde fizemos uma atualização das normas já existentes e incluímos outros tipos de produtos ao controle sanitário, com o objetivo de facilitar tanto a vida do empreendedor como, também, a fiscalização dos inspetores que estão na ponta e quem sabe servir de exemplo para outros estados”, explicou.]

Resolução da Diretoria Colegiada (RDC) 34/2015

Ao abordar sobre a Resolução da Diretoria Colegiada (RDC) 34 de 2015, que determina o cumprimento das Boas Práticas de Fabricação (BPF) para empresas fabricante de excipientes farmacêuticos, o representante da ANVISA, Carlos César dos Santos Nogueira, explicou que a resolução é de extrema importância para regular as normas de fabricação e inspeção dos excipientes utilizados na composição de medicamentos.

Crédito: Marcus Ferreira

“Essas normas vêm regular a fabricação desses excipientes de modo a ter o mínimo de qualidade desse material que será fornecido aos consumidores.  No nosso viés regulatório buscamos a proteção do consumidor. Por exemplo, temos medicamentos de 4g, onde 3g eram açúcar (excipiente) e 1g era o insumo (medicamento em si). Pelo fato do excipiente ser em maior quantidade em muitos medicamentos, as normas de Boas Práticas são de extrema importância para os tornar seguro”, disse.

Ainda segundo Carlos César, com base na BPF, o fabricante de excipiente farmacêutico deve definir a partir de qual etapa do processo serão implementadas as boas práticas de fabricação, ou seja, a partir de qual etapa a matéria-prima ou o intermediário utilizado possui influência crítica na qualidade do excipiente, dentro das adequações das normas da Anvisa.

Para a Inspetora de Vigilância Sanitária da Regional de Saúde de Barbacena, Maria Elizabeth Nogueira, “ter acesso a essas informações e saber mais sobre a normas de controle dos excipientes, não só na indústria mas também em farmácias de manipulação e outros seguimentos, ajuda e muito a fazer uma inspeção com mais padrão e qualidade”, finalizou.

O curso que vai até a próxima quinta-feira (23/11) e irá abordar temas como controle de qualidade; Resoluções da SES-MG de nº 5618 e nº5815; Consulta pública sobre a nova resolução da Anvisa sobre armazenamento e distribuição de medicamentos; Propaganda de medicamentos; Gerenciamento de qualidade, Infraestrutura física de indústria de excipientes farmacêuticos e insumos para fabricação de cosméticos, Interface da fazenda no controle das movimentações de cargas sujeitas ao controle sanitário, importadora de medicamentos e apresentação final com registro.

]]>
Banco de notícias Mon, 20 Nov 2017 16:51:52 +0000
Boletim Epidemiológico de Monitoramento dos casos de Dengue, Chikungunya e Zika Vírus (20/11) http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/10048-boletim-epidemiologico-de-monitoramento-dos-casos-de-dengue-chikungunya-e-zika-virus-20-11 http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/10048-boletim-epidemiologico-de-monitoramento-dos-casos-de-dengue-chikungunya-e-zika-virus-20-11

Em 2017, até o momento, (20/11), Minas Gerais registrou 27.811 casos prováveis (casos confirmados + suspeitos) de dengue. Desses, 13 (treze) casos vieram a óbito e outros 12 (doze) seguem em investigação.

Em relação à Febre Chikungunya, Minas Gerais registra 17.043 casos prováveis da doença e 11 (onze) óbitos confirmados. Outros 11 (onze) óbitos suspeitos estão em investigação.

Já com relação à febre pelo Zika Vírus, são 729 casos prováveis no estado em 2017.

» Clique aqui e confira o Boletim Epidemiológico de Monitoramento dos casos de Dengue, Chikungunya e Zika Vírus da SES-MG para a IMPRENSA (atualizada em 20/11/2017)

» Clique aqui e confira o Boletim Epidemiológico de Monitoramento dos casos de Dengue, Chikungunya e Zika Vírus da SES-MG para a ÁREA TÉCNICA (atualizada em 20/11/2017)

» Clique aqui e confira a Tabela de Casos Prováveis de Dengue por município (atualizada em 20/11/2017)
» Clique aqui e confira a Tabela de Casos Prováveis de Chikungunya por município (atualizada em 20/11/2017)
» Clique aqui e confira a Tabela de Casos Prováveis de Febre Zika por município (atualizada em 20/11/2017)

]]>
Banco de notícias Mon, 20 Nov 2017 15:15:51 +0000
Curso de Capacitação Pedagógica busca mudanças no sistema de ensino em saúde pública http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/10047-curso-de-capacitacao-pedagogica-busca-mudancas-no-sistema-de-ensino-em-saude-publica http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/10047-curso-de-capacitacao-pedagogica-busca-mudancas-no-sistema-de-ensino-em-saude-publica

A Escola de Saúde Pública do Estado de Minas Gerais (ESP-MG) realiza neste mês de novembro, o curso "Capacitação Pedagógica: Docência no SUS", que tem o objetivo de promover espaços de discussão e capacitar profissionais atuantes no Sistema Único de Saúde (SUS) para a docência nas diversas áreas da saúde. A ação educacional é fruto do trabalho de parte da equipe da ESP-MG que conduz as ações de Capacitação Pedagógica na instituição, e agora, amplia essa iniciativa que tem a Educação Permanente em Saúde (EPS) como referência.

Segundo Jomara Miranda, uma das coordenadoras da ação, o aluno irá compartilhar saberes para aprender a lidar com a educação em sua rotina diária, em seus processos de trabalho com o usuário, que muitas vezes não é acolhido. “Nossa expectativa é de que os alunos consigam sair daqui e pensar um processo educativo, repensando seus processos de trabalho. Nós trabalhamos a EPS como uma forma de reflexão para a mudança e transformação dos serviços prestados para os usuários. A melhoria do SUS passa pela educação e os alunos podem ser tornar potenciais docentes, transformadores e educadores dentro do processo de saúde", explica.

Expectativas

Vivian Campos, Coordenadora de Jornalismo da Assessora de Comunicação Social da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG), é aluna do curso e vê na troca de experiências com outros profissionais a oportunidade de aprendizagem. “Minha expectativa é sair daqui uma profissional melhor, mais capacitada e qualificada para poder estar em sala de aula e conseguir trocar melhor experiências com os futuros alunos", diz.

Ela ainda ressalta que atua há dez anos no SUS e se interessa pela docência voltada para os profissionais da saúde pública. “Sinto a necessidade de me capacitar, de podermos melhorar a maneira de darmos aula, que ainda é um modelo tradicional de ensino. O curso foi um meio de me qualificar e ser uma professora melhor futuramente", anima-se.

Demanda

O curso teve 210 inscritos, sendo 70 destes selecionados inicialmente para compor uma turma de 35 alunos. Devido à grande demanda, está previsto outro edital de seleção para a ação educacional no primeiro semestre de 2018. A atividade tem carga horária de 60 horas e as aulas, com metodologias ativas, seguem até dezembro deste ano.

 

]]>
Banco de notícias Mon, 20 Nov 2017 14:46:36 +0000
ESP-MG contribui para ações de Vigilância em Saúde no SUS http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/10045-esp-mg-contribui-para-acoes-de-vigilancia-em-saude-no-sus http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/10045-esp-mg-contribui-para-acoes-de-vigilancia-em-saude-no-sus

Entre os dias 28 de novembro e 1º de dezembro de 2017, o Conselho Nacional de Saúde (CNS) irá realizar em Brasília-DF, a 1ª Conferência Nacional de Vigilância em Saúde (CNVS), com o tema “Vigilância em Saúde: Direito, Conquistas e Defesa de um SUS Público de Qualidade”, que visa o debate com a sociedade brasileira sobre o direito à promoção e proteção da saúde.

Minas Gerais realizou em setembro, como etapa preparatória para a CNVS, sua 1ª Conferência Estadual de Vigilância em Saúde (1ª CEVS), tendo como tema central “Vigilância em Saúde: Direito, Conquista e Defesa de um SUS Público de Qualidade”. Na oportunidade, a Escola de Saúde Pública do Estado de Minas Gerais (ESP-MG) participou da atividade, que aconteceu em um momento particularmente importante para a saúde pública brasileira, em que a defesa do Sistema Único de Saúde (SUS) e de seus princípios requer, mais do que nunca, uma participação social efetiva.

A superintendente da ESP-MG, Thais Lacerda, presente na 1ª CEVS, explica que enquanto escola de formação/qualificação de trabalhadores do SUS, a ESP-MG reconhece a importância da Vigilância em Saúde para a mudança do modelo de atenção à saúde vigente, com práticas de atenção à saúde, muitas vezes, fragmentadas e assistencialistas. “Entendemos que a integralidade da atenção à saúde só é possível com a incorporação sistemática e integrada das práticas de vigilância no cotidiano dos serviços de saúde que compõem o SUS. Neste sentido, o reconhecimento e a valorização da Vigilância em Saúde se expressa, entre outros, pela aposta na formação dos trabalhadores do SUS”, afirma.

Ações educacionais

Atualmente, a ESP-MG desenvolve ações educacionais que buscam o fortalecimento da Vigilância em Saúde no estado, entre as quais, destacam-se: as Oficinas de Vigilância e Promoção da Saúde em áreas de Reforma Agrária com lideranças do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) e profissionais de saúde que atuam nesses territórios; Cursos livres de “Vigilância em Saúde: Ênfase no Território e no Planejamento Estratégico Situacional” e “Território e saúde: reflexões a partir da obra de Milton Santos”; Oficina Piloto com trabalhadores de Unidades Prisionais de Perícia e Atendimento Médico da Secretaria de Estado de Administração Prisional (SEAP), para levantamento de temas de qualificação, com referencial teórico voltado à construção coletiva da análise situacional do território de trabalho, em prol de ações voltadas à qualidade de vida.

E ainda em fase de elaboração com previsão de implementação para 2018, o Curso de Qualificação da Referência Técnica Municipal para Execução Descentralizada da Qualificação do Agente de Combate às Endemias: Vigilância em Saúde com Ênfase no Território; Curso para Qualificação de profissionais da Atenção Primária em Saúde para realização de Teste Rápido de HIV, Sífilis e Hepatites B e C e o Mestrado Profissional em Saúde Pública, na área de concentração em Vigilância em Saúde.

Pesquisa

Na Escola, a Vigilância em Saúde também é objeto de pesquisas. Em parceria com o Instituto de Pesquisa René Rachou (Fiocruz Minas), encontra-se em desenvolvimento uma proposta de Vigilância Comunitária em Saúde de base territorial com o objetivo de fortalecer a mobilização social para o enfrentamento da tríplice epidemia de dengue, zika e chikungunya, e controle do Aedes aegypti no estado de Minas Gerais.

Trabalhadoras da instituição também contribuíram na produção de artigos em uma edição temática sobre Vigilância em Saúde da revista Ciência & Saúde Coletiva, da Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco), como parte das iniciativas de fomento aos debates da Conferência. A edição pode ser acessada na íntegra aqui.

De acordo com a pesquisadora da ESP-MG, Rose Ferraz, a territorialização em Vigilância em Saúde e o cotidiano, como categorias analíticas, nortearam o desenvolvimento do estudo em que participou cujo objetivo foi, a partir do referencial teórico metodológico da pesquisa qualitativa, compreender fatores imbricados na utilização de soluções de abastecimento individual como fonte de água para consumo humano.

“Abarcar espaços da vida cotidiana permitiram identificar a importância da vigilância estimular a confiança na água proveniente do sistema público e a opção por essa fonte de abastecimento, contribuindo com a proteção e a promoção da saúde”, diz. Thaís Lacerda contribuiu, no estudo em que participou, com a discussão sobre a importante e necessária articulação entre a Vigilância em Saúde do Trabalhador e a Atenção Básica.

Outra produção científica publicada na Revista Vigilância Sanitária em Debate: Sociedade, Ciência & Tecnologia, do Instituto Nacional Controle Qualidade em Saúde (INCQS), resultado do doutorado da pesquisadora Lucília Nunes de Assis, caracterizou a descentralização dos serviços da Vigilância em Saúde em Minas Gerais, a partir de um instrumento de diagnóstico local preenchido por gestores municipais em 2014, apontando os desafios inerentes à implementação das ações de Vigilância em Saúde em rede.

Parcerias

Em recente parceria com a Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG), a instituição realizou o seminário “Dengue, zika e chikungunya: contexto atual da tríplice epidemia e desafios para o SUS”, uma demanda dos alunos da especialização em Saúde Pública, em um momento que o país enfrentava uma emergência sanitária. O evento contou com ampla participação de estudantes e profissionais inseridos na assistência e na gestão do SUS nos níveis municipal e estadual.

Também fruto de parceria, a ESP-MG desenvolve com o Instituto de Ensino e Pesquisa do Hospital Sírio Libanês, no Programa de Desenvolvimento Institucional do SUS (PROADI-SUS), ação educacional que envolve trabalhadores da saúde de 39 localidades abrangidos pela Unidade Regional de Saúde de Belo Horizonte, o que possibilita a aproximação com contextos municipais diversos quanto à implementação das ações da Vigilância em Saúde no SUS.

Esse conjunto de ações de ensino e pesquisa, tendo por referencial político-pedagógico a Educação Permanente em Saúde, busca a construção de instrumentos e meios de ensino que se convertam em ferramentas de trabalho capazes de contribuir para a análise situacional coletiva de um território e a respectiva organização dos saberes, práticas e processos em saúde, em que ações de promoção, proteção, diagnóstico precoce, recuperação e reabilitação articulam-se para que atores sociais envolvidos promovam mudanças nas condições de saúde da população.

 

]]>
Banco de notícias Mon, 20 Nov 2017 13:54:35 +0000
Prêmio José Carlos Machado reconhecerá boas práticas no Controle Social do SUS http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/10044-premio-jose-carlos-machado-reconhecera-boas-praticas-no-controle-social-do-sus http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/10044-premio-jose-carlos-machado-reconhecera-boas-praticas-no-controle-social-do-sus

Em uma iniciativa do Conselho Estadual de Saúde de Minas Gerais (CESMG), o Prêmio José Carlos Machado será concedido como forma de estímulo, reconhecimento e difusão de boas experiências relacionadas à gestão de conselhos e incentivo à participação social no Sistema Único de Saúde (SUS).

Consideram-se boas práticas municipais os projetos que apresentarem resultados comprovados de criatividade, eficácia, qualidade, exportabilidade e alcance social, implementados e executados nos municípios até o encerramento das inscrições do edital.

Em cada região ampliada de saúde, três municípios serão contemplados com o prêmio, nos seguintes valores: para o primeiro colocado da região ampliada de saúde, R$ 35.000,00; para o segundo, R$ 25.000,00; para o terceiro, R$ 15.000,00.

O incentivo financeiro tem como objetivo fomentar a implementação de ações voltadas ao fortalecimento do controle social/conselhos de saúde dos municípios do Estado de Minas Gerais.

Saiba mais no site do CESMG

]]>
Banco de notícias Mon, 20 Nov 2017 11:37:48 +0000
ESP-MG recebe atividade do Centro Brasileiro de Estudos de Saúde (Cebes) http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/10043-esp-mg-recebe-atividade-do-centro-brasileiro-de-estudos-de-saude-cebes http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/stories/10043-esp-mg-recebe-atividade-do-centro-brasileiro-de-estudos-de-saude-cebes

Nos dias 24 e 25 de novembro, a Escola de Saúde Pública do Estado de Minas Gerais (ESP-MG) recebe o V Simpósio do Centro Brasileiro de Estudos de Saúde (Cebes), quem em como tema "Austeridade, Injustiça Social e Precarização da Saúde".

A atividade conta com o apoio da ESP-MG e do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (CONASS) e será um espaço de reflexão sobre os desafios que se apresentam no cenário brasileiro com a “mercadorização” da educação, saúde e proteção social.

Cebes

O Centro Brasileiro de Estudos de Saúde é uma entidade nacional criada em 1976, cuja missão histórica é a luta pela democratização da sociedade e a defesa dos direitos sociais, em particular o direito universal à saúde. Como espaço plural suprapartidário, o Cebes reúne ativistas, lideranças, pesquisadores, professores, profissionais e estudantes.

Saiba mais: http://cebes.org.br/

Serviço:
V Simpósio do Centro Brasileiro de Estudos de Saúde (Cebes)
Data: 24/11 e 25/11/2017
Local: Auditório ESP-MG - Unidade Sede, localizado na avenida Augusto de Lima, 2061 - Barro Preto, Belo Horizonte, Minas Gerais. (Veja no mapa, abaixo).

 

]]>
Banco de notícias Mon, 20 Nov 2017 10:49:19 +0000